Colunas

O ataque dos bananeiros armamentistas

Eu não teria nada contra Lullão Metralha botar no lixo 4 bilhões de euros em caças franceses, se ele fosse obrigado a investir 2 bilhões de euros na proteção da natureza.

29 de setembro de 2009 · 13 anos atrás
  • José Truda Palazzo, Jr.

    José Truda é jardineiro, escritor, consultor em meio ambiente especializado em conservação marinha e tratados internacionais, e indignado.

 Realmente, preciso me declarar um ignorante em política. Quando ainda freqüentava (sem sucesso algum) a universidade, lá se vão algumas décadas, a gente aprendia – em aula e nos corredores – que a direita fascista e raivosa levava o mundo a uma corrida armamentista, que ameaçava a existência humana e impedia o combate à pobreza, enquanto a bondosa esquerda tentava heroicamente inculcar o pacifismo e a solução de conflitos pela negociação na cabecinha de nossos governantes e das gerações futuras.

Não fora o que já se vê na (indi)gestão ambiental, na deterioração social do Brasil, na educação falida e falsa que “professores” mal capacitados e pior pagos oferecem às vítimas das escolas públicas, vem nosso galopante híbrido eleitoreiro Lulla Roussef agora desperdiçar o que o Estado rouba aos trabalhadores sob o nome de impostos para a aquisição de armamento obsoleto, impulsionado pelo caudilhismo boçal que varre o continente, de um lado, e pela histeria anti-americana de “assessores internacionais” do nível chulo de um Marco Aurélio “Top Top” Garcia (lembram, o cara que festejava no palácio enquanto o país chorava as vítimas do acidente da TAM em 2007).

Não que eu seja contra a recuperação de nossas falidas e abandonadas Forças Armadas, em absoluto. O que eu sou contra é a visão ideológica que as deforma historicamente, fazendo-as instrumentos de pseudo-defesa externa quando deveriam, isso sim, estar servindo ao moderno conceito de soberania ambiental, mais preocupados em combater os madeireiros criminosos na Amazônia do que o clown bolivariano além-Guiana; mais preocupados em acabar com o estupro do mar brasileiro pela pesca predatória que com uma defesa do pré-sal inexistente contra um inimigo indefinido. O que temos hoje são generais esfarrapados da reserva vomitando boçalidades sobre a falsa internacionalização da Amazônia, enquanto seus sucessores nada dizem e seus comandados nada aprendem sobre a importância da conservação da Natureza para a efetiva soberania do Brasil.

Além de um redirecionamento racional das Forças Armadas para uma missão constitucional de defesa do que interessa, talvez valesse a pena pensar em uma emenda à Constituição que obrigasse nosso verborréico Einstein de Garanhuns e seus sucessores a aplicar ao menos 50% dos gastos militares que inventam para se pavonear entre seus colegas bananeiros em conservação da natureza brasileira. Pode até ser, acredito, na própria área militar.

Senão vejamos: eu não teria nada contra Lullão Metralha botar no lixo 4 bilhões de euros em caças que ninguém mais quer comprar dos franceses, se ele fosse obrigado a investir 2 bilhões de euros em aviões de patrulha marinha de última geração para interceptar e afundar pesqueiros ilegais, aviões AWACS para localizar e direcionar tropas contra os madeireiros, garimpeiros e traficantes da Amazônia. Não reclamaria do patrono da própria sucessão pela Musa Plastificada dos Empreiteiros jogar latrina abaixo 6 bilhões de euros em submarinos, se ele fosse obrigado a aplicar outros 3 bilhões em navios de patrulha marítima efetiva contra a degradação de nosso mares, de fiscalização e controle de nossas (ínfimas e abandonadas) Unidades de Conservação marinhas, e em ampliação da Flotilha da Amazônia com a finalidade de assegurar a proteção de parques e reservas na bacia amazônica, além de fiscalizar os demais usos dos recursos naturais da região.

Mas não. Nossa “política de defesa”, infelizmente, está sendo ditada por pseudo-especialistas de casernas falidas e por assessores petistas que reinam sobre o meio palaciano. Em nenhum momento entra em cena, de fato, a defesa do que o país tem de mais importante para assegurar sua soberania, que é nosso patrimônio natural ímpar, a segurança efetiva de nossa biodiversidade. Só se quer gastar em papagaiadas para fazer ciúmes em argentinos e por pulga atrás da orelha de fantoches caudilhescos a oeste e norte de nossas mal cuidadas fronteiras.

Para assegurar a implantação de todo o Sistema Nacional de Unidades de Conservação do Brasil seria necessário, creio eu, algo como 500 milhões de euros – ou vinte vezes menos o que o Grande Molusco promete à França em troca de seus cacos que fazem bum. Ou seja, com um pouco menos de histeria militarista de republiqueta bananeira, o Brasil teria dinheiro para implantar um sistema de áreas naturais protegidas moderno e eficiente, e ainda sobrariam bilhões para investir em energias alternativas, recuperação de áreas degradadas, financiamento do agronegócio sustentável, reorganização urbana das metrópoles, e saneamento básico para milhões que ainda não o tem, todas ações que não acontecem sob a surrada, mentirosa e falsa desculpa da “falta de recursos”, “contingenciamento” e outras balelas do jargão hipócrita de Brasília.

Realmente, acho que sou muito ignorante. Minha conta do que custa um Brasil moderno, sustentável e próspero não é a do balcão armamentista de nosso Bananeiro-mor e seu amigo mercador francês. Mas possivelmente estou errado, já que não se ouve um átimo de indignação dos súditos de Pindorama contra essa orgia escabrosa. Quem sabe o brasileiro queira isso mesmo, viver no circo do Carnaval e futebol protegido de outros anões mentais do entorno por caríssimos badulaques de Brancaleone, enquanto suas filhas e a Natureza seguem sendo roubadas e estupradas na próxima esquina pela falta de atenção com o que realmente importa.

Leia também

Reportagens
17 de maio de 2022

Amazônia tem mais de 425 mil famílias sem energia elétrica

Brasil avança na universalização da energia, mas população de áreas remotas da Amazônia ainda demandam acesso à eletricidade. Pandemia atrasou cronograma

Notícias
17 de maio de 2022

Para beneficiar pecuária, Acre reduz em até 80% imposto sobre comercialização de gado

ICMS a ser pago por pecuaristas acreanos cai de 12% para 2,4% na venda para alguns estados. Medida pode resultar em mais desmatamento, diz pesquisadora

Análises
17 de maio de 2022

Oportunidades e desafios para a implementação do Código Florestal brasileiro

A lentidão na implementação do Código Florestal representa o desperdício de uma valiosa oportunidade de transformar o uso da terra no Brasil

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta