Colunas

Pinturas amazônicas podem inspirar conservação da biodiversidade?

Para o colunista Ramiro Escobar, paisagens amazônicas em pinturas são capazes de inspirar as pessoas na conservação da floresta

29 de fevereiro de 2012 · 10 anos atrás
  • Ramiro Escobar

    Jornalista especializado em temais internacionais e ambientais. Atualmente é colunista do diário La República e colaborador, ...

Pintura de Calvo de Araújo retrata paisagem amazônica. Imagem: Reprodução.

Nas obras do artista asháninka Enrique Casanto, homens se confundem com tamanduás ou jacarés. Para Rember Yahuarcani, pintor de antepassados huitotos, “as culturas amazônicas são uma só com a floresta”. Como concordam Gino Ccecarelli e Luisa Elvira Belaunde (ele pintor e ela antropóloga), os artistas da Amazônia possuem uma sensibilidade que nasce de suas próprias cosmovisões. Vemos céus, terras, árvores e animais em imagens que, explícita o implicitamente, destilam ar conservacionista e inspiram o cuidado ambiental.

Como diz Ccecarelli, os pintores modelam em suas obras o que estão vendo e o que podem vir a deixar de ver. O asháninka Noé Silva, para citar um caso, pintou um quadro chamado “Shihuahuaco”, nome de uma árvore já muito derrubada na floresta peruana. Segundo Belaunde, através deste quadro o espectador “é chamado a ver através dos olhos de Noé” e a olhar esta espécie de maneira mais respeitosa.

Luisa argumenta que, além de pintar tal planta, animal, rio, paisagens amazônicas provocam “uma experiência que quebra nossos preconceitos e nos permite refletir que, para conservar a floresta, temos que compreendê-la de dentro para fora”, ou seja, é necessário despertar a sensibilidade. Talvez porque, como diria Paul Cézanne, o famoso pintor pós-impressionista, “a natureza está no interior”. “Eu nunca estive na Amazônia, mas quando vejo esses quadros me sinto atraída pelas cores, pela exuberância de uma paisagem abundante e me pego com vontade de preservar esse ecossistema”, afirma a limenha Charo Noriega.

Meu próprio trabalho, de tantas viagens e reportagens, se alimenta dessa quase tela contínua que parece existir entre a floresta e a arte amazônica. Quando a gente entra na floresta, se sente parte de um grande mural natural que pode nos acolher ou ameaçar. Uma maneira intensa de reviver essa sensação, tão útil para o meu trabalho, é me deixar levar por um desses belos quadros, muitas vezes reveladores em suas paisagens, incluindo as que, infelizmente, já deixaram de existir.

Huitoto

 

Yando Ríos

 

Brus Rubio (Etnia Bora-Huitoto)

 

Roldán Pinedo

Leia também

Notícias
24 de maio de 2022

Conservar 80% da Amazônia custa três vezes menos do que valor gasto com emendas parlamentares

Governo Bolsonaro gastou, em média, 34,8 bilhões/ano com emendas. Manter protegida uma área de 3,5 milhões de km² custaria cerca de R$ 10,8 bi/ano, mostra estudo

Salada Verde
24 de maio de 2022

Rede de Conservação Águas da Guanabara organiza seminário de educação ambiental

Inscrições estão abertas para o evento, que ocorre nos dias 11 e 12 de julho, em Niterói, e tem como objetivo integrar e promover projetos de sensibilização ambiental na Baía de Guanabara

Salada Verde
24 de maio de 2022

O papel da Amazônia nas próximas eleições é tema de debate online

Miriam Leitão, Caio Pompeia e Mônica Sodré participam de Mesa Aberta promovida pelo site ((o))eco na próxima quinta-feira. Evento é aberto ao público

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta