Colunas

Há que se ver o Cerrado, mistura de sofrimento e vitalidade

É um lugar tão lindo quanto cantam os versos de Guimarães Rosa. Mas para conhecer, tem que ir. Porque o Cerrado merece ser admirado.

17 de setembro de 2012 · 10 anos atrás
  • Adriano Gambarini

    É geólogo de formação, com especialização em Espeleologia. É fotografo profissional desde 92 e autor de 14 livros fotográfico...

“O correr da vida embrulha tudo, a vida é assim: esquenta e esfria, aperta e daí afrouxa, sossega e depois desinquieta. O que ela quer da gente é coragem.” Guimarães Rosa (trecho de Grande Sertão Veredas)

 

Há cerca de três dias recebi a noticia que a Serra da Canastra está em chamas.  Daquelas queimadas capazes de causar redemoinhos de fogo. De novo. Parece que o cerrado brasileiro vive um dejà vu, e nossa tendência passional é bradar aos quatros cantos: “Até quando o cerrado pegará fogo? Será substituído por soja, carvão, pasto?”

Uma tendência obviamente pessimista e sem luz no fim do túnel. Por isto resolvi compartilhar imagens que mostram um cerrado ainda pleno e vigoroso, com buritizais a perder de vista e campos entrecortados por rios esverdeados. E principalmente, onde pesquisadores como Edsel Junior dedicam a vida à conservação. Àqueles campos e a seus felinos moradores.

Tive o privilégio de sobrevoar com ele e Marina Xavier o Parque Nacional Grande Sertão Veredas. A intenção era localizar uma onça preta capturada e marcada com colar de GPS pelo próprio Edsel e o veterinário Joares May.

Um lugar tão lindo quanto possa parecer nos versos imortais de Guimarães Rosa. Mas para realmente conhecer, tem que ir. Porque o Cerrado merece ser admirado.

 

Leia também

Salada Verde
25 de maio de 2022

CPI/PUC lança plataforma sobre os 10 anos do Código Florestal

Ferramenta concentra análises, pesquisas e dados sobre a implementação da Lei 12.651/2012 em todos os estados brasileiros

Notícias
25 de maio de 2022

Desmatamento na Mata Atlântica cresce 66% e chega a 21,6 mil hectares em 2021

Estados que estavam perto de atingir o desmatamento zero, como São Paulo e Sergipe, voltam a apresentar alta na destruição do bioma, revela Atlas

Notícias
25 de maio de 2022

Onças encontradas mortas no Pantanal foram envenenadas por agrotóxico, conclui PF

O inseticida Carbofurano, agrotóxico cuja venda é proibida no país, foi usado para envenenar as onças-pintadas. Carcaças foram encontradas em junho de 2021, já em estado de decomposição

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta