Colunas

A história da minha paixão por cavernas

Cheguei à fotografia através do curso de espeleologia. Foi dentro das cavernas que comecei a aprender os mistérios da sombra e da luz

8 de novembro de 2012 · 9 anos atrás
  • Adriano Gambarini

    É geólogo de formação, com especialização em Espeleologia. É fotografo profissional desde 92 e autor de 14 livros fotográfico...

Salão Nirvana, na Caverna de Santana., SP Uma pequena pausa para fotografia durante mapeamento, em 1992. Foto: Adriano Gambarini.

Nasci numa família de viajantes. Os anos eram divididos entre viagens de fim de semana e as tão esperadas férias de verão, onde os dias eram desenhados na janela do carro, pelas estradas do Brasil afora, e vividos em acampamentos em praias desertas.

Entre os caminhos percorridos em busca de lugares desconhecidos, montanhas e vales, certo dia nos deparamos com a Caverna do Diabo. Minha visão juvenil foi para sempre marcada por salões altíssimos e fartamente ornamentados por pontas rochosas e assustadoras, fazendo jus ao nome do lugar. Mas ironicamente, enxerguei ali um toque ludicamente divino.

O tempo passa, a vida prega peças e tira outras; não saberia dizer se aquele primeiro encontro com o misterioso universo subterrâneo contribuiu para minha escolha intelectual, o fato é que enveredei pelos estudos de Geologia na Universidade de São Paulo, lá pelos idos de 1987.

No ano seguinte, conheci o Prof. Ivo Karmann e colegas de faculdade unidos por um único assunto: cavernas. Como um dejá vu que jamais havia acontecido, reencontrei todos aqueles cenários cavernícolas de outrora, agora sob a ótica das pesquisas e mapeamentos. Um universo de perguntas e estudos se descortinava perante nós. E foi neste contexto que comecei a me interessar por fotografia, principalmente na tentativa de registrar os detalhes das formações e as dimensões dos salões.

Com uma câmera FM2, uma lente fixa e um flash, me embrenhei pelos mistérios da luz e da sombra. De cara, percebi que o conhecimento espeleológico adquirido nas inúmeras viagens pelo Vale do Ribeira seria imprescindível para entender a dinâmica da luz que imprimia o filme, e como ela reage diante dos diferentes tipos de calcário que compõem cavernas e suas formações minerais.

Tomei gosto pelo processo alquímico de iluminar aquela escuridão absoluta. Aliás, gostei tanto desta arte que transita entre o documento e o conceitual, que, em 1992, me tornei fotógrafo, logo depois de finalizar o curso de geociências.

De lá para cá, entre expedições científicas aos confins amazônicos ou à busca perseverante por nossa fauna ameaçada, sempre que pude voltei às origens. Acompanhei explorações e mapeamentos nas mais distantes cavernas e, nos últimos anos, segui o caminho dos obstinados pesquisadores de animais cavernícolas.

Não consigo dissociar minha trajetória profissional da minha formação espeleológica. Para homenagear este fantástico mundo subterrâneo, aqui estou, com essa história e essas imagens, abrindo um série de artigos sobre cavernas em ((o))eco.

Leia também

Reportagens
25 de outubro de 2021

Como os estados cuidam da Amazônia: comparamos dados de proteção, orçamento e desmatamento

Análise exclusiva do ((o))eco se debruça sobre dados ambientais dos nove estados da Amazônia Legal para compreender diferenças e semelhanças nas políticas públicas regionais

Notícias
22 de outubro de 2021

“Adote um ninho”: Conheça a campanha para a preservação dos papagaios brasileiros

Campanha busca incentivar a proteção dos papagaios por meio da construção de ninhos artificiais para suprir a falta de cavidades naturais, que estão diminuindo por conta do desmatamento

Análises
22 de outubro de 2021

Por uma nova onda de soluções para a resiliência e a saúde do oceano

Estudo do FMI estima que 8 milhões de toneladas de lixo plástico acabam no mar todos os anos, sendo 80% provenientes do continente. Se não mudarmos esse quadro, o oceano terá mais lixo do que peixes até 2050

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta