Colunas

Um adeus ao Almirante Ibsen, ferrenho defensor da natureza

Deixou-nos hoje, Ibsen de Gusmão Câmara. Gerações de ambientalistas estão tristes, assim, como se pudessem, estariam baleias, tartarugas e toninhas.

31 de julho de 2014 · 10 anos atrás
  • Maria Tereza Jorge Pádua

    Engenheira agrônoma, membro do Conselho da Associação O Eco, membro do Conselho da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Nat...

O Almirante Ibsen de Gusmão Câmara, ladeado por Maria Tereza Jorge Pádua e Malu Nunes, durante o Congresso Brasileiro de Unidade de Conservação (CBUC), em Foz do Iguaçu (2007). Foto: Marc Dourojeanni
O Almirante Ibsen de Gusmão Câmara, ladeado por Maria Tereza Jorge Pádua e Malu Nunes, durante o Congresso Brasileiro de Unidade de Conservação (CBUC), em Foz do Iguaçu (2007). Foto: Marc Dourojeanni

As baleias, as tartarugas, as toninhas devem estar chorando. Perderam um antigo e ferrenho defensor e protetor. O Ibsen se foi. Nós também estamos chorando. Estamos seguros que ninguém lutou como ele no Brasil para conservar a natureza e os recursos naturais renováveis. Um Almirante, um conservacionista de alta linhagem, um paleontólogo, um grande pintor e um ser humano reto, altruísta, profundamente honesto em todos os aspectos da vida. Difícil outro ser humano como ele. Difícil outro conservacionista como ele.

Ele demarcou a primeira área marinha protegida do Brasil: a Reserva Biológica de Atol das Rocas. Se existe a Reserva Biológica do Rio Trombetas é graças a ele. Se existe, como Parque Estadual, o de Carlos Botelho em São Paulo, foi pela sua luta.  Se as baleias franca e jubarte recuperaram suas populações foi pela sua aliança com o Truda. Deu seu nome e seus esforços na presidência de duas das mais importantes ONGs brasileiras: a FBCN e a Fundação Biodiversitas.

Morreu sendo membro do conselho por 23 anos da mais importante Fundação de proteção da natureza no país: a Fundação Boticário.

Seus trabalhos foram pouco reconhecidos em termos de homenagens, mas cá estamos nós querido e eterno amigo para testemunhar quem foi você e para dizer aos nossos descendentes que homens como você de fato existiram e fizeram pela nossa nação muito mais que políticos e heróis homenageados.

Um adeus choroso, pois eu inocentemente queria que você vivesse para sempre.

 

 

Leia também
Almirante Ibsen: uma vida dedicada ao Meio Ambiente
Do mar se vê mais longe – com Ibsen Gusmão Câmara
O novo Código Florestal não pode cair no limbo
O Almirante verde
Um colossal dilema para a humanidade
A expansão humana e o encolhimento da biodiversidade

 

 

 

Leia também

Salada Verde
21 de junho de 2024

Postura de Mauro Mendes faz ICV finalizar parceira em projeto ambiental em MT

Organização cita falta de comprometimento do governador com pautas ambientais no estado. Projeto era voltado ao enfrentamento da crise climática

Notícias
21 de junho de 2024

Queimadas explodem em cinco dos seis biomas brasileiros

Número de focos registrados em grande parte do Brasil nos primeiros meses de 2024 está acima da média para o período. Pantanal segue em situação emergencial

Reportagens
21 de junho de 2024

Como um dos últimos redutos da onça-pintada no sul do Brasil deu forma a um romance

Parque do Turvo influenciou a escritora Morgana Kretzmann, que narra o cotidiano de uma guarda-florestal contra caçadores e poderosos

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.