Fotografia

Luciana Whitaker e os caçadores milenares

A brasileira Luciana Whitaker domina a luz no branco e no frio em imagens raras de uma das mais antigas tradições dos esquimós no Alaska: a caça de baleias.

Alexandre Sant´Anna ·
7 de outubro de 2004 · 17 anos atrás

Luciana Whitaker é uma carioca de 39 anos, vegetariana, que há 16 virou fotógrafa profissional. Ela passou seus últimos 8 anos em Barrow, no Alaska, uma vila de 4 mil pessoas, a maioria esquimós, localizada no ponto mais setentrional do continente americano.

Excepcional fotojornalista, Luciana ficou fascinada com a luminosidade local, influenciada pelo sol baixo e o ar cristalino – radicalmente diferente da nossa luz tropical – e com a cultura daquela comunidade de esquimós, os Iñupiat. Uma das coisas que mais chamaram sua atenção é a maneira como os Iñupiats conciliam sua tradição com a modernidade. São globalizados, mas mantêm um pé firme nas suas tradições.

Uma delas é a caça às baleias em pequenos barcos, feitos de madeira cobertos com couro de foca. O alvo são as Bow Heads, cuja carne, distribuída pela comunidade, é estritamente usada para a subsistência. Há tecnologia recente integrada à caçada, mas na essência ela é feita do mesmo modo que os ancestrais dos Iñupiat a faziam há mil anos. Desde a década de 70, adotou-se um sistema de quotas anuais, definindo o número de baleias que poderiam ser arpoadas. Para 2004, permitiu-se a caça de 22 Bow Heads. Nesse ambiente gelado e inóspito, com temperaturas que chegam a 40 graus negativos, a caçada e o corte das baleias mobiliza toda a comunidade.

Não foi fácil para Luciana conseguir ganhar a confiança desses caçadores e sua autorização para fotografá-los. Eles sempre temem que essas imagens tenham repercussão negativa e sirvam para coibir uma de suas mais longevas tradições. Curiosamente, ela passou a ser aceita por eles ao perceberem que a fotógrafa falava com seus filhos pequenos em português. Acharam que Luciana queria preservar suas raízes e isso é um assunto do qual os Iñupiats entendem muito bem. Depois passou a vender as imagens que fazia nas feiras de artesanato locais. Daí a ser chamada a registrar suas caçadas de baleia foi um pulo. Um longo pulo.

“Eu fotografava nesse período com uma Nikon F4 e, devido ao frio, substituía as pilhas AA alcalinas pelas AA de lítium”, conta ela. Para evitar a condensação, usava um protetor de borracha em volta do visor, para evitar que sua respiração, no frio, terminasse por embaçá-lo. Luciana acabou de retornar ao Brasil, depois de 8 anos entre baleias, focas, lobos, iglus, esquimós e muito, muito frio.

Leia também

Notícias
17 de janeiro de 2022

Livro celebra cem anos da descrição da jararaca-ilhoa com alerta sobre conservação da serpente endêmica

Escrita em linguagem acessível para o público em geral, a publicação celebra os cem anos da descrição da jararaca-ilhoa, feita por por Afrânio do Amaral (1894-1982), à época diretor do Instituto Butantan

Notícias
17 de janeiro de 2022

Rondônia proíbe destruição de equipamentos durante fiscalização ambiental

Governador sanciona, com veto parcial, lei que proíbe que fiscais do estado inutilizem maquinário apreendido em ações de fiscalização ambiental

Notícias
14 de janeiro de 2022

Thiago de Mello, conhecido como o “poeta da floresta”, morre aos 95 anos

Poeta e jornalista amazonense cantou em prosa e verso sua luta pela preservação da maior floresta tropical do mundo

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta