Fotografia

Velho Chico e o sertão que virou mar

Explorar a imensidão e o cotidiano das margens da barragem de Sobradinho e seu encontro com o árido sertão da Bahia mostra que água e vida caminham lado a lado.

Palê Zuppani ·
7 de julho de 2009 · 12 anos atrás
Clique para ver o slideshow
Clique para ver o slideshow

Numa realidade de contrastes, onde o Rio São Francisco dá forma à represa de Sobradinho, é impossível pensar que pode faltar água no sertão. Mas falta. Tem família que vive a um quilômetro km da represa, só com água de cisterna.

Mas a curiosidade aqui é outra, é explorar a imensidão e o cotidiano das margens da barragem e seu encontro com o sertão da Bahia, onde duas características são marcantes: a quantidade de água na represa e a seca.

Comecei minha jornada sobre a ponte entre Juazeiro(BA) e Petrolina (PE), sobre o grande rio, indo em sentido às novas Casa Nova e Remanso (as antigas estão debaixo d´água), duas cidades às margens da represa de Sobradinho, sem saber muito o que iria encontrar. Sempre olhava o mapa e prestava atenção nelas, então resolvi conferir.

Depois de um almoço em Casa Nova, uma garçonete falou que tem umas “tar di dunas, que eu nunca fui lá não, mas é bonito que só”. Peguei mais algumas informações e parti rumo às já famosas dunas. Muitos quilômetros depois, pergunta aqui, pergunta ali, e sempre “atrás daquele morro você vai ver as dunas”.

Pois , as Dunas do Velho Chico foram uma bela descoberta, de natureza grandiosa e interação com o ser humano. Os bancos de areia, os resquícios de uma vila engolida pelas dunas, as árvores secas quase dentro da represa, o bar do Francisco, a represa e todo o vale do rio formaram um belo cenário para muitas fotos, com céu claro e uma bela luz.

Uma dica importantíssima para quem quer fotografar o homem do campo é a interação, quando mais se interage e se conversa (com calma), mais espontâneas serão a realidade e o cotidiano.

Outros tantos quilômetros à frente, já em Remanso, encontrei tempo feio. Choveu a noite toda e sem perspectiva de melhorar. A chuva é abençoada no sertão, época de plantio e cuidados com a lavoura. Já para a fotografia, essa luz não favorece, mas não fiquei parado, saí rodando pela cidade e após passar o porto e a peixaria, cheguei em Remanso Velho, com águas baixas na represa.

Remanso Velho é o nome da antiga cidade de Remanso que fora abandonada na época da construção da barragem de Sobradinho, no fim dos anos 1970. A cidade foi toda transferida de lugar, pois as águas ali estão muito mais altas que o curso normal do rio. Em Remanso Velho hoje não mora ninguém, é uma realidade de ruínas. A impressão é de um cenário de guerra, que fica submerso por metade do ano e vira uma cidade fantasma na outra metade. O dia nublado aumentou essa sensação de mistério.

Tanto nas Dunas do Velho Chico como em Remanso Velho, eu pisei em terras sertanejas, onde água e vida caminham lado a lado. Mas em metade do ano, por obra da natureza humana, a água toma conta, voltando ao horizonte, como um grande mar.

Leia também

Notícias
26 de novembro de 2021

Informação obtida via LAI revela que MCTI recebeu dados do desmatamento em 1º de novembro

Ministro Marcos Pontes disse que dados não foram publicados antes da Conferência do Clima porque ele estava de férias. Agenda oficial registra férias entre 8 e 19 de novembro

Notícias
26 de novembro de 2021

Jornalismo digital brasileiro se une em campanha de financiamento

Ação reúne 26 organizações com objetivo de arrecadar doações para fortalecimento do jornalismo digital de qualidade

Reportagens
26 de novembro de 2021

MPF pede anulação da Licença de Instalação do Linhão Tucuruí na terra Waimiri Atroari

Ação aponta que União e a Transnorte agem ilegalmente no licenciamento da obra. Autossuficientes em energia elétrica, os Waimiri Atroari são contra o empreendimento e sentem “a floresta sangrar”

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta