Notícias

Como são bons aqueles ares

Acabo de chegar de Buenos Aires. Apesar das poucas políticas públicas voltadas ao meio ambiente, a capital argentina tem ruas largas e prédios baixos, o que reduz o tráfego e aumenta a circulação dos ventos. Por Felipe Lobo.

Redação ((o))eco ·
28 de abril de 2009 · 13 anos atrás

O avião partiu na última quarta-feira do Aeroporto Internacional Antônio Carlos Jobim, no Rio de Janeiro, com destino a Buenos Aires. Do alto, já em terras estrangeiras, foi fácil notar que a capital argentina é basicamente plana, despida de montanhas e vales. Mas isso não atrapalha – a cidade é simplesmente linda. Com cerca de dez milhões de habitantes na região metropolitana, Buenos Aires é o principal ponto cultural, econômico e político do país vizinho, recheada de atrativos tanto para a população local, quanto para turistas.  

A Casa Rosada, residência oficial do governo, é muito mais imponente do que nas fotografias. À sua volta, casas e esculturas me lembraram de todos os guias e livros que olhei sobre a capital antes de embarcar: o Café Tortoni, restaurante de dia e casa de tango à noite; a Catedral San Martín, que mais parece um templo grego com seus pilares de boas-vindas; e o Banco de La Nación, centro financeiro da Argentina.

Para quem gosta de bons livros, a dica é visitar a El Ateneo Gran Splendid, no meio da Santa Fé, principal avenida comercial de Buenos Aires. Fundado em 1919, o prédio que hoje abriga uma das maiores livrarias da América Latina já foi teatro e espaço de shows de Carlos Gardel, maior ícone do tango no mundo. Com a estrutura de camarotes ainda preservada, há espaço para leituras e um café onde antes era o palco. Quem der a sorte de passar um domingo na capital também deve correr para a Feira de San Telmo. Ali, a cultura argentina é retratada em todos os detalhes. Ao longo de uma rua estreita, com cerca de três quilômetros de extensão, há vendas de artesanato, antiguidades, apresentações musicais e uma mostra da culinária local.  

O mais legal de Buenos Aires, no entanto, é andar pelas suas ruas. O povo, sempre simpático, adora dar informações e indicar lugares interessantes. Além disso, para quem vive no Brasil, é um privilégio passar pela Avenida 9 de Julho, por exemplo. Com 120 metros de extensão e inspirada na Champs-Élysées, em Paris, é a mais larga rua do planeta. Nas calçadas, os famosos cafés argentinos são convidativos. Aliás, eles estão por toda parte, o que deixa a cidade ainda mais charmosa. Isso sem falar na arquitetura dos prédios, um mais bem acabado que o outro, todos com clima e aspecto europeus.

Muito embora não seja um exemplo de sustentabilidade, a capital argentina está anos-luz à frente das grandes metrópoles nacionais no quesito de conservação da natureza. Não pela boa ação do governo que, como no Brasil, pouco apresenta de políticas públicas para o tema. Mas, principalmente, em função do plano urbanístico que a fundou. Repleto de ruas e avenidas largas e arborizadas, poucas vezes vê-se engarrafamento no município onde vive o casal Kirchner. Além disso, os prédios, em sua maioria, são baixos, algo que possibilita o tráfego natural dos ventos e auxilia o micro-clima urbano. De Puerto Madero, bairro mais recente e moderno de Buenos Aires, observa-se um trem elétrico que passa de meia em meia hora para levar passageiros a outros cantos. É ali, inclusive, onde está a vista mais bonita da cidade. De pontos negativos, os carros e ônibus muito antigos, que emitem maior quantidade de carbono, e a falta de ciclovias.

Leia também

Notícias
26 de novembro de 2021

Informação obtida via LAI revela que MCTI recebeu dados do desmatamento em 1º de novembro

Ministro Marcos Pontes disse que dados não foram publicados antes da Conferência do Clima porque ele estava de férias. Agenda oficial registra férias entre 8 e 19 de novembro

Notícias
26 de novembro de 2021

Jornalismo digital brasileiro se une em campanha de financiamento

Ação reúne 26 organizações com objetivo de arrecadar doações para fortalecimento do jornalismo digital de qualidade

Reportagens
26 de novembro de 2021

MPF pede anulação da Licença de Instalação do Linhão Tucuruí na terra Waimiri Atroari

Ação aponta que União e a Transnorte agem ilegalmente no licenciamento da obra. Autossuficientes em energia elétrica, os Waimiri Atroari são contra o empreendimento e sentem “a floresta sangrar”

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta