Notícias

Potencial nordestino para observação de aves

Capital paulista recebe encontro brasileiro de observadores de aves. um dos debates trata da consolidação do birdwatching no Brasil. Confira slideshow e cobertura no Blog do Eco.

Cristiane Prizibisczki · João Teixeira da Costa ·
22 de maio de 2009 · 13 anos atrás

Clique para ver o slideshow
Clique para ver o slideshow

A prática de observação de aves no Brasil conta com destinos já bastante conhecidos, como o Pantanal. Mas há outras áreas, também muito ricas em espécies, ainda pouco exploradas por agências de turismo ou grupos de observadores, como o Nordeste.

Com vegetação de Mata Atlântica, Caatinga e Cerrado, a região abriga centenas de aves, algumas ameaçadas de extinção.

Durante o painel Passarinhando no Nordeste, realizado dentro das atividades do Avistar na tarde de ontem, o ornitólogo cearense Ciro Albano deu uma mostra do que é possível encontrar no Ceará, Alagoas e no interior da região, em Canudos.

O Eco preparou um slideshow com alguns dos exemplares apresentados por ele. Hoje, Albano realizou a segunda parte do painel, mostrando o que é que a Bahia tem.

  • Cristiane Prizibisczki

    Cristiane Prizibisczki é Alumni do Wolfson College – Universidade de Cambridge (Reino Unido), onde participou do Press Fellow...

Leia também

Notícias
2 de dezembro de 2021

Lideranças indígenas do Pará cedem à pressão de invasores e aceitam reduzir seu território pela metade

Caciques da TI Apyterewa disseram ao STF que, em “acordo” feito com invasores, aceitam redução de 392 mil hectares de suas terras

Notícias
2 de dezembro de 2021

Com maioria no Conama, governo federal impõe mudanças no CNEA

Conama aprova alterações no Cadastro Nacional de Entidades Ambientalistas e impõe mais burocracia e custos para a participação da sociedade civil no conselho

Reportagens
2 de dezembro de 2021

Secas recorrentes afetam a capacidade de recuperação da Floresta Amazônica, alerta estudo

Nas últimas duas décadas, a Floresta Amazônica tem sido impactada por secas cada vez mais intensas e frequentes. As mais severas ocorreram em 2005, 2010 e 2015

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta