Notícias

Público envia informações sobre chuvas

Leitores enviam fotos e relatos sobre as tragédias causadas pelas enchentes e deslizamentos. Ajude também a mapear os impactos.

Redação ((o))eco ·
11 de janeiro de 2011 · 11 anos atrás

((o))eco acaba de lançar uma iniciativa de mapeamento coletivo dos impactos causados nas cidades brasileiras pelas chuvas de 2011. Qualquer pessoa no Brasil pode enviar relatos com fotos e vídeos sobre enchentes, deslizamentos e soterramentos.

Para participar basta entrar no site Brasil-Chuvas 2011 e preencher o formulário, escolhendo no mapa o local do acontecimento. Outra maneira de participar é postar seu relato no twitter utilizando o marcador (hashtag) #chuvas2011. Relatos também podem ser enviados para o email [email protected]

A iniciativa é um segundo mapa coletivo realizado por ((o))eco. Durante os meses de julho, agosto e setembro de 2010, apoiamos a campanha Chega de Queimadas com o lançamento do site http://chegadequeimadas.crowdmap.com/

Mapas coletivos são ferramentas cada vez mais utilizadas para lidar com crises humanitárias e ambientais. Eles ajudam, com a participação do público através de mensagens pela internet e celular, a mapear eventos que muitas vezes não são reportados pela mídia. Além disso podem criar um retrato ampliado e de rápida avaliação de situações de emergência.

CLIQUE AQUI PARA ENVIAR O SEU RELATO

 

Leia também

Notícias
26 de novembro de 2021

Informação obtida via LAI revela que MCTI recebeu dados do desmatamento em 1º de novembro

Ministro Marcos Pontes disse que dados não foram publicados antes da Conferência do Clima porque ele estava de férias. Agenda oficial registra férias entre 8 e 19 de novembro

Notícias
26 de novembro de 2021

Jornalismo digital brasileiro se une em campanha de financiamento

Ação reúne 26 organizações com objetivo de arrecadar doações para fortalecimento do jornalismo digital de qualidade

Reportagens
26 de novembro de 2021

MPF pede anulação da Licença de Instalação do Linhão Tucuruí na terra Waimiri Atroari

Ação aponta que União e a Transnorte agem ilegalmente no licenciamento da obra. Autossuficientes em energia elétrica, os Waimiri Atroari são contra o empreendimento e sentem “a floresta sangrar”

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta