Notícias

Calor volta a bater recorde em 2010

Análise divulgada pelo Instituto Goddard da NASA indica que o ano que passou foi, junto com 2005, 0.8oC mais quente que a média dos últimos 130 anos.

Redação ((o))eco ·
15 de janeiro de 2011 · 11 anos atrás

Análises mais detalhadas sobre as temperaturas de 2010, feitas por diversos centros de meteorologia ao redor do mundo, têm sido divulgadas e mostram a mesma tendência: o ano bateu recorde de calor junto com 2005. Na semana passada, resultados do Instituto Goddard de Estudos Espaciais da NASA foram apresentados. As medições, que são feitas desde de 1880 utilizando dados da superfície terrestre, oceanos e atmosfera, indicam que 2010 registrou uma temperatura 0.8o C mais elevada que a média dos últimos 131 anos.  Os resultados coincidem com outros apresentados pelo Hadley Centre – departamento de meteorologia do Reino Unido – e da Administração Nacional de Oceanos e Atmosfera (NOAA – do próprio governo americano). A Agência de Meteorologia do Japão no entanto sustenta que 2010 ficou atrás de 2005. O gráfico abaixo mostra a tendência de aumento da temperatura ao longo dos anos nos registros dos quatro centros – legenda na eixo vertical – “Anomalias da Temperatura”. (Fonte: NASA Earth Observatory)

A alta temperatura de 2010 deixou os cientistas particularmente preocupados. Como este tem sido um período em que vigora o fenômeno La Niña, no qual ocorre um resfriamento anormal das águas do pacífico, não era esperado uma elevação tão grande nos termômetros globais. O físico James Hansen, coordenador do Instituto Goddard, disse em entrevista que a tendência de alta deve continuar graças à acumulação constante de gases de efeito estufa na atmosfera. “As temperaturas subiram mais rápido na última década apesar das flutuações anuais causadas pelos fenômenos climáticos El Niño e La Niña”, alertou. De acordo com os estudos da NASA, após 2010 e 2005, os anos mais quentes foram 1998, 2002, 2003, 2006 e 2007, todos empatados em terceiro lugar.

Nos mapas mundi abaixo pode-se ver uma representação das anamolias da temperatura global durante o ano de 2010. As áreas em vermelho representam aquelas onde os aumentos foram bem maiores que a média global. Note que no Ártico, região mais afetada pelo aquecimento, a temperatura registrada alcança até 6oC acima da média. O mapa acima foi elaborado com dados do Instituto Goddard e o de baixo com os do Hadley Centre (fonte: NASA Earth Observatory)  – Clique para ampliar 

 

Texto: Gustavo Faleiros

Leia também
O clima está mudando. E rápido
Degelo crescente no mar ártico

Leia também

Notícias
2 de dezembro de 2021

Lideranças indígenas do Pará cedem à pressão de invasores e aceitam reduzir seu território pela metade

Caciques da TI Apyterewa disseram ao STF que, em “acordo” feito com invasores, aceitam redução de 392 mil hectares de suas terras

Notícias
2 de dezembro de 2021

Com maioria no Conama, governo federal impõe mudanças no CNEA

Conama aprova alterações no Cadastro Nacional de Entidades Ambientalistas e impõe mais burocracia e custos para a participação da sociedade civil no conselho

Reportagens
2 de dezembro de 2021

Secas recorrentes afetam a capacidade de recuperação da Floresta Amazônica, alerta estudo

Nas últimas duas décadas, a Floresta Amazônica tem sido impactada por secas cada vez mais intensas e frequentes. As mais severas ocorreram em 2005, 2010 e 2015

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta