Notícias

Aprovado regime de urgência para Código Florestal

Votação na noite de terça aprova urgência para votação do relatório de Aldo Rebelo. Mesmo contrariando desejo do governo, texto vai à plenária nesta quarta-feira

Nathália Clark ·
3 de maio de 2011 · 11 anos atrás

Nathalia Clark, de Brasília

Nesta terça-feira, 3 de maio, as discussões sobre as alterações no Código Florestal Brasileiro tomaram as salas da Câmara dos Deputados e do Palácio do Planalto, da manhã à noite. Aldo Rebelo (PCdoB-SP) apresentou, na tarde de segunda-feira, uma segunda versão do relatório, com algumas mudanças, como a manutenção das Áreas de Preservação Permanente em 30 metros nas grandes propriedades e retirada de anistia geral a desmatadores. No entanto, a base do governo, da qual o deputado faz parte, diz que as propostas do Executivo não foram acatadas, e quer um acordo para levar a matéria à votação.

((o)) eco esteve no Congresso o dia todo. Acompanhe aqui a cobertura momento a momento.

10h – A Câmara de Negociação sobre o Código se reuniu para debater o novo relatório. Ivan Valente (PSOL-SP) – foto abaixo – defende mais tempo para votação e defende a inclusão das sugestões da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC).

16h – Líderes partidários se reúnem com o presidente da Câmara, Marco Maia, para decidir se a matéria vai a plenário ainda nesta semana, como prometido. Paulo Teixeira, líder do PT, apoiado por Sarney Filho; Chico Alencar; Fabio Faria, líder do PMN; e Ivan Valente, afirma que só se sente confortável para uma votação se for chegado um acordo entre o governo e o relator. Segundo ele, o novo texto apresentado por Aldo não abarca as propostas do governo.

17h – É sentida a ausência do líder do governo na Casa, Cândido Vaccarezza. O parlamentar estava, no momento, reunido com Aldo Rebelo e o ministro da Casa Civil, Antônio Palocci, no Palácio do Planalto. O referido consenso entre o governo era a pauta do encontro.

– Deputados ruralistas defendem a votação da matéria já na quarta-feira, usando como argumento o compromisso assumido por Marco Maia. Eles afirmam que o relatório que vai a plenário é o aprovado pela Comissão Especial, e mais nenhum outro.

– Sarney Filho rebate dizendo que “não se pode forçar uma votação apressada só para manter a palavra do presidente, ou para agradar alguns representantes do agronegócio, presentes na reunião”. Segundo ele, a bancada do PT representa 88 deputados, a líder do PSB Ana Arraes, que também se manifestou a favor, fala por mais 70 parlamentares, contabilizando ainda os membros do PSOL e PV, são 200 deputados requerendo as negociações concluídas para poder levar o Código à votação.

– Paulo Teixeira: “Eu não tenho iniciativa suicida de ir contra o meu partido. E nós queremos a inclusão das propostas do governo na integralidade”.

18h –– Conjunto de líderes decide levar à votação em sessão extraordinária, na noite desta terça-feira, o requerimento de urgência, que permite colocar o Projeto de Lei do Código Florestal como prioridade na pauta da Casa. (foto abaixo)

19h – Bancada do PT se reúne em Audiência fechada à imprensa com a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, e o ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Wagner Rossi. Objetivo é fechar uma posição unificada sobre a votação.

19h30m – Aldo Rebelo retorna à Câmara e afirma em coletiva que o acordo está próximo. Disse também que, na conversa, Palocci não demonstrou nenhuma insatisfação com o texto apresentado. Entre os pontos em desacordo, a averbação de Reserva Legal (RL) em propriedades de até quatro módulos fiscais, e o conceito de atividade consolidada. Segundo Paulo Teixeira, o texto de Aldo libera atividades de “interesse social” em Área de Preservação Permanente (APP). O líder afirma, porém, que essa definição é vaga, e que assim podem ser (mal) interpretadas as plantações de soja, a monocultura e a pecuária, o que facilitaria o desmatamento. Aldo Rebelo já afirmou que de nenhum artigo de seu relatório deverá decorrer desmate.

22h30 – Tem início a sessão extraordinária. (foto abaixo)

– Votação é feita em blocos, com pronunciamento dos lideres de cada partido.

PT – sim
PMDB – sim
PSB/PTB/PCdoB – sim
PR/PRB/PTdoB – sim
PSDB – sim
DEM – sim
PP – sim
PDT – sim
PV/PPS – obstrução
PSC – sim
PMN – sim
PSOL – não
Minoria – sim
Governo – sim

Paulo Teixeira, líder do PT, após votação: “Nós concordamos com a urgência da votação da matéria, mas o compromisso do partido é votar o relatório depois que o relator acatar as propostas do governo. O governo representa um compromisso nacional, agrícola e internacional. Assinamos acordos sobre o meio ambiente e temos a responsabilidade de cumpri-los”.

Quórum: 419

Resultado:
– Sim: 399
– Não: 18
– Abstenção: 1
– Obstrução: 1

23h – Encerramento da sessão. Requerimento de urgência aprovado.

  • Nathália Clark

    Nathalia Clark é jornalista na área de meio ambiente, desenvolvimento sustentável, mudanças climáticas, justiça social e direitos humanos.

Leia também

Notícias
26 de novembro de 2021

Informação obtida via LAI revela que MCTI recebeu dados do desmatamento em 1º de novembro

Ministro Marcos Pontes disse que dados não foram publicados antes da Conferência do Clima porque ele estava de férias. Agenda oficial registra férias entre 8 e 19 de novembro

Notícias
26 de novembro de 2021

Jornalismo digital brasileiro se une em campanha de financiamento

Ação reúne 26 organizações com objetivo de arrecadar doações para fortalecimento do jornalismo digital de qualidade

Reportagens
26 de novembro de 2021

MPF pede anulação da Licença de Instalação do Linhão Tucuruí na terra Waimiri Atroari

Ação aponta que União e a Transnorte agem ilegalmente no licenciamento da obra. Autossuficientes em energia elétrica, os Waimiri Atroari são contra o empreendimento e sentem “a floresta sangrar”

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta