Notícias

Plano de controle as queimadas é lançado no TO

 Em 2010, os 19 mil focos registrados no período de estiagem colocou o estado em segundo lugar no ranking dos mais atingidos pelos incêndios no Brasil.

Leilane Marinho ·
23 de maio de 2011 · 11 anos atrás
No Jalapão, a primeira queimada foi registrada em abril. Esta é a vista da Serra do Espírito Santo que fica no Parque Estadual do Jalapão. O incêndio aconteceu na Estação Ecológica Serra Geral do Tocantins. Crédito: Cassiana Moreira
No Jalapão, a primeira queimada foi registrada em abril. Esta é a vista da Serra do Espírito Santo que fica no Parque Estadual do Jalapão. O incêndio aconteceu na Estação Ecológica Serra Geral do Tocantins. Crédito: Cassiana Moreira
Palmas – O governo do estado do Tocantins lançou na quarta-feira, 18, Programa de Ações de Controle das Queimadas do Tocantins (Pacqto). Em 2010, os 19 mil focos registrados no período de estiagem colocou o estado em segundo lugar no ranking dos mais atingidos pelos incêndios no Brasil.

Este ano, com a trégua das chuvas o fogo já começou a castigar o Jalapão, que registrou o primeiro incêndio em abril, na Estação Ecológica Serra Geral do Tocantins. Segundo moradores da região, os focos continuam.

O presidente do Instituto Natureza do Tocantins, Alexandre Tadeu, disse que apesar do Pacto ser bem completo, o lançamento ocorreu com atraso. “Tivemos poucos meses para elaborar um programa extenso, com ações duradouras, mas infelizmente a chuva já acabou e precisamos arregaçar as mangas”, declarou durante o lançamento.

Segundo o Secretario de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Divaldo Rezende, o Pacqto foi apresentando a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, em reunião realizada na última semana. “Nós apresentamos o nosso programa e o MMA já esta distribuindo o nosso protocolo como um exemplo para as demais regiões do país”, frisou.

Pacqto

Participam do Programa 24 instituições governamentais, ONGs e da iniciativa privada, que juntos assinaram um Termo de Cooperação pelo combate aos incêndios florestais. Crédito: Wilson Rodrigues
Participam do Programa 24 instituições governamentais, ONGs e da iniciativa privada, que juntos assinaram um Termo de Cooperação pelo combate aos incêndios florestais. Crédito: Wilson Rodrigues
O cronograma das ações do programa será apresentado em junho, durante a realização do I Fórum do Pacqto. Uma das primeiras medidas do governo foi suspender a concessão de férias ao efetivo do Corpo de Bombeiros durante o mês de julho.

O programa também vai ensinar as técnicas corretas de queimadas com finalidade agrícola, principalmente a pequenos produtores rurais, em todos os municípios tocantinenses, onde os gestores municipais serão incentivados a buscar resultados positivos através do ICMS ecológico. Participam do Pacqto, 24 instituições governamentais, ONGs e da iniciativa privada, que juntos assinaram um Termo de Cooperação pelo combate aos incêndios florestais.

De acordo com a Semades, as metas do Programa para 2011 são: mobilizar e envolver as prefeituras nas ações continuadas; reduzir em até 50% os focos de incêndios acidentais e criminosos no estado; melhorar a posição do Tocantins no ranking nacional de queimadas, tendo como meta ficar proporcionalmente entre os estados com menores índices.

{iarelatednews articleid=”24348, 24313″}

 

Leia também

Salada Verde
3 de dezembro de 2021

Paraná pretende reativar trecho brasileiro de trilha histórica que liga o Atlântico ao Pacífico

Chamada de Caminhos do Peabiru, trilha tem 1.550 no trecho paranaense, que vai de Paranaguá a Guaíra. Caminho era usado por incas e guaranis, antes da colonização

Notícias
3 de dezembro de 2021

Amapá vende terras públicas invadidas a R$ 46 o hectare

Estado possui mais de 2,5 milhões de hectares de áreas ainda não destinadas. Cerca de 50% deste total é classificado como de importância biológica extremamente alta

Reportagens
3 de dezembro de 2021

Novo Código de Mineração propõe aprovação automática de milhares de processos parados na ANM

Proposta pode afetar mais de 90 mil requerimentos que aguardam aprovações técnicas e ambientais; medida ainda interfere na criação de unidades de conservação e dificulta demarcação de terras indígenas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta