Notícias

Pantaneira que organizava caçadas recebe mais multas

Beatriz Rondon foi autuada mais uma vez por causar dano em unidade de conservação. No total já são R$ 220 mil em multas aplicados pelo Ibama à proprietária.

Fábio Pellegrini ·
25 de maio de 2011 · 11 anos atrás

Crânios de animas silvestres e armamento apreendidos na fazenda Santa Sophia pela Polícia Federal (foto: divulgação/PF)
Crânios de animas silvestres e armamento apreendidos na fazenda Santa Sophia pela Polícia Federal (foto: divulgação/PF)
Campo Grande (MS) – Acusada pela Polícia Federal de organizar pacotes turísticos de caçadas a onças no Pantanal Sul, a proprietária da fazenda Santa Sophia, Beatriz Diacópolus Rondon, recebeu mais uma multa esta semana, aplicada pela Divisão de Proteção Ambiental do Ibama em Brasília, no valor de R$ 115 mil. No total já são R$ 220 mil em multas aplicados pelo Ibama à proprietária da fazenda.

A primeira multa, de R$ 15 mil, foi aplicada de acordo com o artigo 27 do Decreto 6.514 de 22 de julho de 2008 (praticar caça profissional no país – multa de R$ 5 mil, com acréscimo de R$ 500,00 por indivíduo; ou R$ 10 mil por indivíduo de espécie constante de listas oficiais de fauna brasileira ameaçada de extinção, constante ou não da Convenção de Comércio Internacional das Espécies da Flora e Fauna Selvagens em Perigo de Extinção – CITES).

A segunda multa, no valor de R$ 100 mil, foi aplicada com base no artigo 91 (causar dano direto ou indireto a unidade de conservação – multa de R$ 200,00 a R$ 100 mil), já que na área da fazenda há a Reserva Particular de Patrimônio Natural (RPPN) Pata de Onça, com 7.387 hectares dos 30 mil hectares da fazenda.

Beatriz já havia sido multada inicialmente em R$ 105 mil por caça ilegal e abate de animais ameaçados de extinção, no dia 5 de maio. Na operação o Ibama e a Polícia Federal apreenderam na sede da fazenda Santa Sophia dois crânios de onças, 16 galhadas de cervos-do-pantanal e uma pele de sucuri de 3,5 metros. Laudos da Embrapa Pantanal comprovam que as onças foram abatidas recentemente, dada a presença de vestígios de material orgânico nos crânios.

De acordo com o delegado da Polícia Federal de Coumbá (MS), responsável pelo inquérito, somente após a chegada dos laudos e identificação das pessoas que aparecem nos vídeos é que terão início as oitivas dos suspeitos e de testemunhas e feitos os respectivos indiciamentos.

{iarelatednews articleid=”15308,25012,20887,24749,25015″}

Leia também

Notícias
26 de novembro de 2021

Informação obtida via LAI revela que MCTI recebeu dados do desmatamento em 1º de novembro

Ministro Marcos Pontes disse que dados não foram publicados antes da Conferência do Clima porque ele estava de férias. Agenda oficial registra férias entre 8 e 19 de novembro

Notícias
26 de novembro de 2021

Jornalismo digital brasileiro se une em campanha de financiamento

Ação reúne 26 organizações com objetivo de arrecadar doações para fortalecimento do jornalismo digital de qualidade

Reportagens
26 de novembro de 2021

MPF pede anulação da Licença de Instalação do Linhão Tucuruí na terra Waimiri Atroari

Ação aponta que União e a Transnorte agem ilegalmente no licenciamento da obra. Autossuficientes em energia elétrica, os Waimiri Atroari são contra o empreendimento e sentem “a floresta sangrar”

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta