Notícias

Alemanha aprova fim de usinas nucleares até 2022

Nesta segunda-feira, dia 6, foi sancionada a reforma da legislação nuclear que determina o encerramento definitivo dos oito reatores desativados após a tragédia na usina atômica japonesa de Fuskushima.

Daniele Bragança ·
6 de junho de 2011 · 12 anos atrás
Acidente nuclear na usina de Fukushima, Japão, mudou o rumo da matriz energética na Alemanha (crédito: Digital Globe)
Acidente nuclear na usina de Fukushima, Japão, mudou o rumo da matriz energética na Alemanha (crédito: Digital Globe)
O governo alemão acaba de dar mais um passo para acabar com o uso de energia nuclear, que responde por 23% da matriz energética da Alemanha. De acordo, com a agência EFE, nesta segunda-feira, dia 6, foi sancionada a reforma da legislação nuclear que determina o encerramento definitivo dos oito reatores desativados após a tragédia na usina atômica japonesa de Fuskushima, além de uma série de medidas que visam ao fechamento de todas as usinas nucleares ainda ativas no país até 2022 e promover a substituição por energias renováveis, tal como a energia eólica.

A nova lei nuclear prevê a construção de novas linhas de alta tensão para a distribuição da energia produzida pelos futuros parques eólicos; o fechamento definitivo dos oito primeiros reatores, desligados desde março, e a desativação dos nove restantes de maneira gradual, sendo que o primeiro em 2015 e os três últimos em 2022.

O grande desafio de renunciar à energia atômica é encontrar maneiras de substituir a eletricidade gerada pelas usinas sem recorrer ao uso do carvão, que elevaria as emissões de Co2 do país.

Ambientalistas divergem entre si sobre o uso de energia nuclear. Embora não seja uma energia considerada limpa, sua geração não produz gases do efeito estufa, considerados os principais responsáveis pelo aquecimento global.

{iarelatednews articleid=”24985,24886,18303,24071,23476,24983,24892,24902,24266,23935,23896″}

  • Daniele Bragança

    Repórter e editora do site ((o))eco, especializada na cobertura de legislação e política ambiental.

Leia também

Notícias
6 de fevereiro de 2023

Descoberta de maracujá ameaçado ganha nome indígena em aceno de resistência

O maracujá-puri foi descoberto num fragmento florestal rodeado por pastos numa área desprotegida da Serra da Mantiqueira, em Minas Gerais, e é considerado criticamente ameaçado

Notícias
6 de fevereiro de 2023

Oportunidade: ((o))eco oferece primeira bolsa-reportagem de 2023

Em parceria com IMAZON e FAS, a bolsa-reportagem é destinada a comunicadores recém-graduados ou graduandos que residam e/ou estudem nos estados que compõem a Amazônia Legal

Salada Verde
6 de fevereiro de 2023

Proteção marinha brasileira ganha prêmio internacional

Entidade estadunidense reconhece a qualidade da conservação na Estação Ecológica de Tupinambás e no Refúgio de Vida Silvestre de Alcatrazes

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta