Notícias

Tema do prêmio Jovem Cientista 2011 foi Cidades Sustentáveis

Os vencedores receberão o prêmio em dezembro das mãos de Dilma Rousseff. Os trabalhos mostraram soluções para problemas ambientais urbanos.

Eduardo Pegurier ·
9 de novembro de 2011 · 10 anos atrás
Da esquerda para a direita, os premiados Alejandra Jimenez (DF), Kaiodê Biague (MG), Uende Gomes (MG), o presidente do CNPQ, Glaucius Oliva, e Ana Gabriela Ramos (SP). Note-se que 8 dos 9 premiados individuais são mulheres. foto: Ricardo Marques
Da esquerda para a direita, os premiados Alejandra Jimenez (DF), Kaiodê Biague (MG), Uende Gomes (MG), o presidente do CNPQ, Glaucius Oliva, e Ana Gabriela Ramos (SP). Note-se que 8 dos 9 premiados individuais são mulheres. foto: Ricardo Marques
As escolas de Palmas poderiam ter “cortinas verdes”, isto é, uma proteção contra o sol formada por plantas trepadeiras e que dão frutos. Entre elas, a laranja citrus, as parreiras e o maracujá, escolhidas por se adaptarem bem ao clima quente do Cerrado. A estrutura na qual se enroscariam para subir e formar a tal cortina seria feita de materiais biodegradáveis, como cordas de sisal. O projeto concorreu ao prêmio Jovem Cientista 2011. Sua autora foi a estudante Beatriz Ferroli Cavalcante, do Centro Educacional de Palmas. Se implementada, a cortina verde da estudante poderia reduzir a temperatura das paredes do prédio em até 15 graus Celsius, lembrando que a média das temperaturas (máximas) de setembro em Palmas é de tórridos 36 graus. Custo da solução? Meros 200 reais.

Ontem, em Brasília, os vencedores do prêmio Jovem Cientista foram anunciados. O tema de 2011 foi Cidades Sustentáveis, e os trabalhos deveriam melhorar a qualidade de vida nas áreas de gestão de água e resíduos, mobilidade, agricultura urbana e mudanças climáticas.

Na sede do CNPQ (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico), Beatriz foi premiada com um laptop pelo 2º lugar na categoria Ensino Médio. Além dessa, havia ainda as categorias individuais mais avançadas Graduado (no ensino universitário) e Estudante do Ensino Superior. No total, a premiação distribuiu R$600 mil em prêmios, incluindo as bolsas concedidas pelo CNPQ.

O primeiro lugar na categoria Graduado foi de Uende Aparecida Gomes, com um estudo sobre saneamento em favelas da região metropolitana de Belo Horizonte, premiado com R$30 mil. Na categoria Estudante de Ensino Superior levou (R$12 mil) Kaiodê Leonardo Biague, por seu trabalho sobre o uso de energia solar em sistemas de transporte rápido do tipo BRT (Bus Rapid Transit). Na categoria Ensino Médio, Beatriz, a das cortinas verdes, perdeu o 1º lugar para Ana Gabriela Person Ramos, que bolou uma embalagem ecológica para mudas e também ganhou um laptop de última geração. Notem os marmanjos: dos 9 premiados individuais 8 são mulheres.

Não foi moleza. Os agraciados concorreram com um total de 2.321 trabalhos vindos de todo o Brasil. Os vencedores são a prova da diversidade nas inscrições: eles moram nos estados da Paraíba, Distrito Federal, Minas Gerais, Tocantins, além do eixo Rio-São Paulo.

O Jovem Cientista foi criado em 1981 e completa, nessa edição, 30 anos. Os vencedores receberão a premiação das mãos da presidente Dilma Rousseff. O prêmio é uma realização do CNPQ apoiado pela Fundação Roberto Marinho,  a Gerdau e a GE. Taí uma parceria público-privada que mostra para quem e para onde o dinheiro vai e orgulha os brasileiros. Quase um escândalo, que deveria ocupar o espaço mais nobre dos jornais. Nem que seja para dar um alento, em um país em que as manchetes de corrupção já se tornaram tediosas.

Veja na próxima página a a lista completa dos premiados e respectivos prêmios


Categoria Graduado

1º lugar
Uende Aparecida Figueiredo Gomes – Minas Gerais
Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG
Orientador: Leo Heller
Pesquisa: “Intervenções de saneamento básico em áreas de vilas e favelas: Um estudo comparativo de duas experiências na Região Metropolitana de Belo Horizonte”

2º lugar
Karin Regina de Casas Castro Marins – São Paulo
Universidade de São Paulo – USP
Orientador: Marcelo de Andrade Romero
Pesquisa: “Ferramenta computacional para planejamento de cidades limpas e energeticamente eficientes”

3º lugar
Alejandra Maria Gomez Jimenez – Distrito Federal
Universidade de Brasília – UnB
Orientador: Marcio Muniz de Farias
Pesquisa: “Estudo experimental de um agregado reciclado de resíduo de construção e demolição (RCD) para utilização em pavimentação”

Categoria Estudante do Ensino Superior

1º lugar
Kaiodê Leonardo Biague – Minas Gerais
Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix
Orientador: Rogério Mori de Sena
Pesquisa: “Mini usinas solares fotovoltaicas em sistemas de transporte rápido por ônibus – BRT (BUS RAPID TRANSIT)”

2º lugar
Cibele Rosa Oliveira – São Paulo
Universidade de São Paulo (USP)
Orientador: Adilson Roberto Gonçalves
Pesquisa: “Diminuição do impacto ambiental dos resíduos sólidos municipais: Caracterização e quantificação de filmes plásticos rejeitados na reciclagem comercial e sua utilização em biocompósitos”

3º lugar
Sâmara Íris de Lima Santos – Paraíba
Universidade Federal de Campina Grande (UFCG)
Orientador: Xisto Serafim de Santana de Souza Júnior
Pesquisa: “Mapeamento da violência urbana em Campina Grande: Tendências e desafios em busca da cidade sustentável”

Categoria Estudante do Ensino Médio

1º lugar
Ana Gabriela Person Ramos – São Paulo
Escola Técnica Estadual Conselheiro Antônio Prado – ETECAP Campinas
Orientador: Érica Gayego Bello Figueredo Bortolotti
Pesquisa: “Embalagens ecológicas para mudas”

2º lugar
Beatriz Ferroli Cavalcante – Tocantins
Centro Educacional de Palmas
Orientador: Roberto Souza Oliveira
Pesquisa: “Cortina verde sustentável nas escolas públicas de Palmas”

3º lugar
Marina Jardim Faria de Araújo – Rio de Janeiro
Colégio Anglo-Americano de Volta Redonda
Orientador: Robson Paulino da Silva
Pesquisa: “Desenvolvimento de uma composteira em ambiente aeróbio/anaeróbio”

Categoria Mérito Institucional

Ensino Médio
Instituição: Colégio Stella Maris – Rio Grande do Sul
Diretor: Zóile Cecília Herrmann

Ensino Superior
Instituição: Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) – Minas Gerais
Reitor: Clélio Campolina Diniz

Categoria Menção Honrosa

Dr. Lázaro Valentin Zuquette
Instituição: Universidade de São Paulo (USP) – São Paulo

Premiação

Na categoria Graduado, os vencedores são agraciados com R$ 30 mil (1º lugar); R$ 20 mil (2º lugar) e R$ 15 mil (3º lugar). Para Estudantes do Ensino Superior, os valores são de R$ 15 mil para o 1º lugar, R$ 12 mil para o 2º lugar e R$ 10 mil para o 3º lugar. Estudantes do Ensino Médio classificados em 1º, 2º e 3º lugares recebem um laptop de última geração cada. No Mérito Institucional, serão pagos R$ 35 mil para cada uma das duas instituições – uma de ensino médio e outra de ensino superior – que tiveram o maior número de trabalhos com mérito científico inscritos. O pesquisador que for indicado para a Menção Honrosa ganhará R$ 20 mil.

Além da premiação relacionada, todos os contemplados recebem bolsas de estudo do CNPq, caso atendam aos critérios normativos do órgão, descritos no site www.cnpq.br/bolsas. Os pesquisadores classificados em primeiro lugar em cada uma das categorias (Graduado, Estudante do Ensino Superior e Estudante do Ensino Médio) também participarão de Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), em 2012.

  • Eduardo Pegurier

    Mestre em Economia, é professor da PUC-Rio e conselheiro de ((o))eco. Faz fé que podemos ser prósperos, justos e proteger a biodiversidade.

Leia também

Notícias
26 de novembro de 2021

Informação obtida via LAI revela que MCTI recebeu dados do desmatamento em 1º de novembro

Ministro Marcos Pontes disse que dados não foram publicados antes da Conferência do Clima porque ele estava de férias. Agenda oficial registra férias entre 8 e 19 de novembro

Notícias
26 de novembro de 2021

Jornalismo digital brasileiro se une em campanha de financiamento

Ação reúne 26 organizações com objetivo de arrecadar doações para fortalecimento do jornalismo digital de qualidade

Reportagens
26 de novembro de 2021

MPF pede anulação da Licença de Instalação do Linhão Tucuruí na terra Waimiri Atroari

Ação aponta que União e a Transnorte agem ilegalmente no licenciamento da obra. Autossuficientes em energia elétrica, os Waimiri Atroari são contra o empreendimento e sentem “a floresta sangrar”

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta