Notícias

Tartaruga de pente: preserve seu casco tão bem penteado

A homenageada desta semana em ((o))eco está ameaçada pela caça predatória e pela poluição dos oceanos. Foto: Projeto Tamar

Redação ((o))eco ·
26 de outubro de 2012 · 9 anos atrás

A homenageada desta semana em ((o))eco é a tartaruga de pente (Eretmochelys imbricata), uma espécie de águas tropicais. A tartaruga de pente pode ser encontrada nos oceanos Atlântico, Pacífico e Índico, preferencialmente nos arredores de recifes de corais e em locais de águas rasas. Pesam até 150 quilos e sua bela carapaça pode medir cerca de 110 centímetros. Além de bela, sua carapaça é muito valiosa no mercado, usada para fabricação de aros de óculos, bijuterias e, ironicamente, pentes. Essa caça predatória já levou a tartaruga de pente a uma situação de quase extinção e é graças a vários programas e projetos de educação ambiental e preservação, como o famoso Projeto Tamar, que lentamente o número de indivíduos da espécie aumenta.

Ainda assim está criticamente ameaçada e precisa de atenção. Um dos períodos que exigem mais cuidados é durante a desova, que acontece no verão, com destaque para o litoral norte da Bahia e Sergipe, e o litoral sul do Rio Grande do Norte. São postos entre 70 e 180 ovos em cada ninho e o tempo de incubação pode durar de 45 a 75 dias.

A tartaruga possui um extenso cardápio que inclui esponjas, anêmonas, lulas e camarões, mas uma coisa é fato: sacos plásticos não são um alimento nutritivo e, inclusive, pode matá-las durante a ingestão. Não só a caça predatória, mas também a poluição é um grande inimigo dessa espécie tão dócil e que precisa ser preservada. Cabe a todos fazer sua parte!

 

Leia também
Bellini e as tartarugas – com Cláudio Bellini
Adriana e as tartarugas – heroínas anônimas
Filhotes de tartaruga na Paraíba
Pirarucu: a doçura do gigante de águas doces
O jacaré-de-papo-amarelo e seu sorriso nada amarelo

 

 

 

Leia também

Reportagens
14 de outubro de 2021

Estudo amplia de 39 para 74 os modos de reprodução conhecidos dos anfíbios e cria nova classificação

Estudo propõe um novo sistema de classificação dos modos reprodutivos para toda essa classe de animais composta por anfíbios anuros (sapos, rãs e pererecas), salamandras e cecílias (cobras-cegas)

Reportagens
14 de outubro de 2021

Licenciamento de resort em Maricá foi cancelado na Justiça, afirma advogada

Andamento no Inea surpreendeu pesquisadores e ambientalistas que movem ações judiciais contra o projeto Maraey. À frente da iniciativa, IDB Brasil nega impedimento legal

Notícias
13 de outubro de 2021

Área de pasto cresceu 200% na Amazônia nos últimos 36 anos

Atualmente, pastagens ocupam 154 milhões de hectares em todo país, área equivalente a quase todo estado do Amazonas, mostra levantamento do Mapbiomas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta