Notícias

Aneel favorece Santo Antônio na disputa por mais Megawatts

Agência aprovou ampliação da capacidade de produção de energia da usina, que terá que ceder parte da energia para a vizinha Jirau.

Redação ((o))eco ·
3 de julho de 2013 · 8 anos atrás
Vista aérea da usina hidrelétrica Santo Antônio, no rio Madeira, em Rondônia. Foto: Divulgação PAC (novembro 2011).
Vista aérea da usina hidrelétrica Santo Antônio, no rio Madeira, em Rondônia. Foto: Divulgação PAC (novembro 2011).

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) arbitrou em favor da Usina de Santo Antônio na queda de braço com a vizinha Jirau, por aumento de capacidade de produção de energia. As duas usinas estão sendo construídas no rio Madeira, em Rondônia. A briga começou há quase 3 anos.

A disputa por mais megawatts (MW) chegou à Aneel, que decidiu pelo meio termo: aprovou o pedido de elevação da capacidade do reservatório de Santo Antônio, que terá que ceder uma parte da Jirau. Como estão há 110 quilômetros de distância uma da outra, qualquer mudança no projeto de uma afeta a capacidade de instalação da vizinha.

Na prática, a Aneel permitiu a usina de Santo Antônio elevar o nível de reservatório de 70,5 metros para 71,3 metros, o que significa o direito de alagar mais 80 km² do projeto original, que era de 350 km². Com as novas dimensões do reservatório (430 km²), Santo Antônio poderá instalar mais seis unidades geradoras.

O acordo prevê que Santo Antônio cederá uma média de 24,3 MW de garantia física, sem ônus, à vizinha. Essa cessão acabará caso o governo entre em acordo com a Bolívia para aumentar o reservatório de Jirau, que alagará parte das terras do país vizinho e recuperará a energia perdida.

Tanto a Santo Antônio Energia, concessionária que administra a Usina de Santo Antônio, quanto a Energia Sustentável do Brasil não se pronunciaram sobre a aceitação dos termos impostos pela Aneel.

Mapa das hidrelétricas Santo Antônio, Jirau e bacia do Madeira

Leia também

Reportagens
20 de abril de 2007

Os bagres de Lula

Técnicos do Ibama concluem que usinas Santo Antônio e Jirau não possuem viabilidade ambiental. O próprio Lula reclamou do parecer, mas os problemas vão muito além dos bagres.

Salada Verde
9 de fevereiro de 2012

Ibama libera linha de transmissão das Usinas do Madeira

Divulgada a licença de instalação do “linhão do Madeira”, que percorrerá 2.420 km de extensão, de Porto Velho (RO) a Araraquara (SP).

Salada Verde
30 de junho de 2009

Usinas do Madeira na Justiça

Amigos da Terra - Amazônia, Associação de Defesa Etnoambiental Kanindé e Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira ajuizaram na última sexta (26) ações civis públicas contra as licenças de instalação das hidrelétricas de Santo Antônio e de Jirau, no rio Madeira (RO). As organizações pedem a nulidade das licenças de instalação concedidas pelo Ibama alegando graves irregularidades no licenciamento das usinas. "A concessão das licenças contrariou repetidamente os pareceres da equipe técnica do IBAMA , o que é fonte de um círculo vicioso de ilegalidade em cascata, que afeta as obras em andamento", disse Roberto Smeraldi, diretor da Amigos da Terra. As ações apntam como réus a Agência Nacional de Energia Elétrica, Agência Nacional de Águas, Ibama e os consórcios responsáveis pelas obras, Santo Antônio Energia S.A. e Energia Sustentável do Brasil.

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta