Notícias

Insetos seguram a onda quando está prestes a chover

Estudo liderado por pesquisadores da Esalq/USP indica que possibilidade de chuva interfere no comportamento sexual de insetos.

Vandré Fonseca ·
2 de outubro de 2013 · 8 anos atrás
Em laboratório, os pesquisadores perceberam que machos da Diabrotica speciosa perdiam o interesse nas fêmeas antes de chover. (Crédito: cortesia Maurício Bento)
Em laboratório, os pesquisadores perceberam que machos da Diabrotica speciosa perdiam o interesse nas fêmeas antes de chover. (Crédito: cortesia Maurício Bento)

Urubus voam baixo quando está prestes a chover. Tem gente que reclama de dores nas articulações. Previsão do tempo, definitivamente, não é feita apenas de medições e modelos matemáticos. Prova disso é o resultado de estudos realizados por pesquisadores da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq), da Universidade de São Paulo, e instituições estrangeiras. Eles conseguiram demonstrar que insetos perdem o interesse no sexo quando está prestes a chover.

A equipe liderada pelo agrônomo José Maurício Simões Bento, da Esalq/USP, analisou o comportamento sexual de três espécies de insetos, de ordens bastante distintas, e comparou o comportamento sexual em diferentes condições de pressão do ar: queda, estabilidade e aumento. Eles observaram que em todos os casos o interesse dos machos em tentar atrair ou buscar as fêmeas ficou comprometido quando a pressão do ar baixava. A baixa pressão é um indicativo de que há chuva chegando.

Com um olfatômetro, tubo em forma de Y usado para avaliar as respostas de insetos a odores, o grupo expôs machos da larva-alfinete ou vaquinha (Diabrotica speciosa) a extratos de odores de feromônios femininos. E eles perdiam o interesse nelas quando a pressão do ar estava baixa.  Mesmo quando estavam em contato com as fêmeas, os machos não se animavam a cortejá-las.

E quando ocorria o acasalamento, os machos demonstravam querer ir logo aos “finalmentes” em vez de perder muito tempo ou “jogar conversa fora”. Segundo as observações, 63% dos machos se apressavam a copular durante quedas na pressão atmosféricas. “Eles antecipam algumas etapas para poder se abrigar”, conta José Maurício Simões Bento. “Em condições normais, as fêmeas não aceitariam o macho e eles não conseguiriam acasalar tão rapidamente”, completa.

No caso das lagartas-da-pastagem (Pseudaletia unipuncta) e do pulgão-da-batata (Macrosiphum euphorbiae), foram as fêmeas que preferiram não atrair os machos quando as condições indicavam uma chuva bem próxima. Elas foram testadas sob diferentes condições de pressão do ar e demonstraram que o comportamento sedutor delas foi afetado quando a situação indicava que estava prestes a chover ou ventar forte.

A descoberta foi feita quase por acaso. Os pesquisadores estudavam a reação de machos aos feromônios femininos em laboratório. Apesar de estarem em um laboratório, com ambiente controlado, às vezes a experiência falhava. E quando isso acontecia, vinha uma chuva logo em seguida. Eles imaginaram então que o problema estava na pressão do ar e decidiram testar esta possibilidade. “Testamos então em condições naturais e depois em câmaras barométricas no Canadá, e confirmamos a hipótese”, conta Maurício Bento.

Para os pesquisadores, o comportamento pode ser explicado pelo senso de perigo iminente. Para o doutor Maurício Bento, a perda do interesse em acasalar durante horas antes de tempestades é uma adaptação que reduz a probabilidade de ferimentos ou morte de insetos. “São organismos muito delicados que estariam vulneráveis a essas condições do tempo. Com o impacto de uma gota de chuva e o vento, a probabilidade de morte é muito grande”, explica.

Os pesquisadores tentam agora descobrir como os insetos são capazes de perceber as alterações na pressão atmosférica, mas isso é outro capítulo do estudo. Por enquanto, é bom lembrar que, além da previsão do tempo na tevê ou na rádio, na hora de pegar uma praia é bom dar uma olhada nos mosquitos e outros insetos. Se eles estiverem muito assanhados, pode ser sinal de tempo bom.

 

 

Saiba Mais
Artigo: Pellegrino AC, Peñaflor MFGV, Nardi C, Bezner-Kerr W, Guglielmo CG, et al. (2013) Weather Forecasting by Insects: Modified Sexual Behaviour in Response to Atmospheric Pressure Changes. PLoS ONE 8(10): e75004. doi:10.1371/journal.pone.0075004

Leia Também
Uma nova perereca e o sapo que copula com a fêmea morta
Insetos mais, insetos menos
Nem pragas, nem vetores

 

 

 

Leia também

Notícias
20 de outubro de 2021

Desmatamento na Amazônia já chega a quase 9 mil km² em 2021, mostra Imazon

Somente em setembro foram destruídos 1.224 km² de floresta, área equivalente a mais de 4 mil campos de futebol por dia. Números sãos os maiores em 10 anos

Salada Verde
20 de outubro de 2021

Em comemoração de seus 10 anos, Onçafari lança concurso de fotografia

Fotógrafos profissionais e amadores podem se inscrever até o dia 14 de novembro. Vencedores terão a oportunidade de fotografar a fauna e flora existentes na sede da Onçafari, no Pantanal

Notícias
20 de outubro de 2021

INPE não tem recursos garantidos para pagamento de água e luz até final do ano

Destinação de R$ 5 milhões pela AEB deu um respiro ao Instituto, mas órgão ainda aguarda verba de outras fontes para honrar despesas de funcionamento até dezembro

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta