Notícias

Parlamento Latino-Americano apóia Equador contra Chevron

Petroleira foi condenada no Equador a indenizar indígenas por danos ambientais e recorreu a tribunais internacionais para evitar pagamento.

Giovanny Vera ·
22 de outubro de 2013 · 11 anos atrás

No sábado passado o Parlamento Latino-Americano expressou seu apoio ao Equador, acusando a Chevron de tentar escapar de sua responsabilidade por danos ambientais na Amazônia equatoriana. Crédito: Parlamento Latino-Americano
No sábado passado o Parlamento Latino-Americano expressou seu apoio ao Equador, acusando a Chevron de tentar escapar de sua responsabilidade por danos ambientais na Amazônia equatoriana. Crédito: Parlamento Latino-Americano


No sábado passado (19) o Parlamento Latino-Americano, reunido em Panamá em sua XXIX Assembleia Ordinária, aprovou uma resolução de apoio ao Equador contra a empresa petroleira Chevron, que se nega a pagar uma indenização de US$ 19 bilhões por danos ambientais à Amazônia deste país.

Na mencionada assembleia, Marco Albuja, Vice-Ministro de Relações Exteriores do Equador, disse que o país “enfrenta uma grave ameaça devida à arbitragem internacional, que busca favorecer duas grandes empresas transnacionais: Oxy e Chevron Texaco, que entraram com ações judiciais contra o Estado equatoriano, apesar de terem violado os aspectos contratuais durante suas operações no país e causado graves danos ambientais na Amazônia”.

Em 2012, um tribunal do Equador ordenou que a norte-americana Chevron pagasse quase 19 bilhões de dólares como indenização por danos ambientais na Amazônia equatoriana entre 1962 e 1992, onde operava a Texaco, que foi comprada pela Chevron em 2001.

Apesar da sentença, a Chevron se recusa a pagar alegando que a contaminação foi causada pela empresa petroleira estatal Petroamazonas, e impugnou o resultado perante um tribunal de arbitragem internacional, declarando que o processo judicial no Equador esteve marcado por fraude e corrupção.

Dessa maneira, no mês passado, o Tribunal Permanente de Arbitragem de Haia emitiu uma sentença parcial a favor da Chevron, reconhecendo que nos Acordos de Transação e Quitação firmados entre o governo do Equador e a Texaco Petroleum Company, subsidiária da Chevron desde 2001, foram pagas as indenizações cabíveis referentes aos danos ambientais.

A resolução aprovada pelo Parlamento Latino-Americano expressa a “solidariedade com a irmã República do Equador em sua luta contra a agressão jurídica e comunicacional da empresa transnacional Chevron-Texaco”, e denuncia “a clara tentativa da empresa Chevron-Texaco de fugir de sua responsabilidade pelos danos ambientais massivos que perpetrou entre 1962 e 1992” e também “recusa a campanha de desprestígio contra a irmã República do Equador, organizada pela empresa Chevron-Texaco em redes sociais, no mundo empresarial e nos meios de comunicação”.

O documento finaliza apoiando a Declaração da União de Nações Sul-Americanas, de 30 de agosto, onde expressa a “necessidade de que as empresas e grupos transnacionais respeitem a legislação nacional e observem os princípios e padrões para uma conduta responsável e consistente com as políticas públicas adotadas pelos Estados receptores de investimentos”.

O Parlamento Latino-Americano é um organismo intergovernamental de âmbito regional. É integrado pelos parlamentos nacionais dos países da América Latina que se reúnem uma vez por ano, com o objetivo de promover, harmonizar e canalizar o movimento dirigido à integração dos países membros.

Entenda o caso

Em 1993, indígenas da Amazônia equatoriana iniciaram uma ação judicial em Nova York contra a Texaco por danos ambientais na área onde operava a empresa. Em 2001 a Texaco foi comprada pela Chevron, e em 2004 os indígenas processaram a empresa pela contaminação ambiental. Já em 2011 um juiz sentenciou a Chevron a pagar quase 19 bilhões de dólares de indenização aos indígenas.

A Chevron se recusa a pagar a indenização, tendo como um de seus principais argumentos a afirmação de que nunca operou no Equador. Quem operava era a Texaco Petroleum Company, adquirida pela Chevron em 2001, mas que tinha encerrado operações no país em 1992, quando assinou com o governo equatoriano acordos de liberação de responsabilidade ambiental sobre as atividades petrolíferas.

Para a Chevron, com estes acordos, o governo do Equador deveria ter realizado a limpeza dos poços de petróleo perfurados entre a Texaco e a petroleira estatal, e desta forma, espera que o Estado equatoriano seja quem pague a indenização.

 

Saiba mais
Campanha comunicacional do governo equatoriano

Leia também
O preço do petróleo
Equador: legislativo aprova exploração de petróleo em reserva
Amazônia peruana: tecnologia promete reduzir impacto dos poços de petróleo

 

 

 

  • Giovanny Vera

    Giovanny Vera é apaixonado pela área socioambiental. Especializado em geojornalismo e jornalismo de dados, relata sobre a Pan-Amazônia.

Leia também

Notícias
22 de maio de 2024

Desmatamento na Mata Atlântica caiu 27% em 2023, mas encraves em outros biomas preocupam

Segundo dados da SOS Mata Atlântica, desmatamento em florestas maduras foi de 14.697 hectares; derrubadas em encraves no Cerrado e na Caatinga superou 69 mil hectares

Salada Verde
22 de maio de 2024

No dia da Biodiversidade, ICMBio cria quatro unidades de conservação privadas

RPPNs estão inseridas em três diferentes biomas, em área somada de cerca de 500 hectares. RPPNs de todo Brasil protegem cerca de 800 mil hectares

Análises
22 de maio de 2024

Código Florestal como peça fundamental para enfrentamento da crise climática

A recuperação dos passivos de vegetação nativa nos imóveis rurais brasileiros não impedirá futuras tragédias climáticas, mas além de contribuir para mitigá-las, certamente reduzirá seus impactos

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.