Notícias

Parides ascanius: a borboleta praiana

Como todo genuíno carioca, a homenageada da semana, não recusa uma boa praia. E também sofre quando não pode desfrutar dela.

Redação ((o))eco ·
16 de janeiro de 2014 · 8 anos atrás

Uma [i]Parides ascanius[/i] ou borboleta-da-praia macho. Foto: Wikimedia Commons
Uma [i]Parides ascanius[/i] ou borboleta-da-praia macho. Foto: Wikimedia Commons

Ela gosta de sol. É Fluminense. Frequenta praias, mas só as mais reservadas. Para manter a forma tem uma dieta bem restrita. Alguém poderia achar que esta é a descrição de uma típica jovem carioca. Quase. Na verdade, trata-se da borboleta-da-restinga ou borboleta-da-praia (Parides ascanius), uma espécie endêmica do Estado do Rio de Janeiro, encontrada nas poucas áreas de restinga pantanosa entre o litoral das cidades de Campos e o de Mangaratiba, e no extremo sul do Estado do Espírito Santo.

Conhecida lá fora como Fluminense Swallowtail (em inglês, algo como “Cauda de Andorinha Fluminense”), a borboleta-da-praia adulta tem asas negras, com uma faixa branca que atravessa ambas as asas e uma característica mancha rubra nas asas posteriores. Na fase de larva é castanha clara com tubérculos em todos os segmentos do corpo.

As larvas são monófagas e se alimentam exclusivamente da planta de Aristolochia macroura, conhecida como jarrinha. Quando adultas — já na forma de borboleta –, em seus lentos e graciosos voos, têm como favorito o néctar da flor de Lantana camara, conhecida como cambará, embora também se satisfaça com outras, como o gervão (Stachytarpheta cayennensis).

A duração da vida dos adultos é de duas semanas a um mês. As fêmeas, que podem viver até três semanas, colocam seus ovos em locais isolados, às vezes sob a folha da jarrinha, ou perto da mesma, em galhos secos ou outros suportes. O risco está nas pequenas vespas, parasitas dos ovos da borboleta-da-restinga. Os demais predadores de borboletas, como pássaros, a evitam por seu sabor desagradável. Este mecanismo de defesa começa cedo: a larva absorve e armazena substâncias tóxicas das folhas de Aristolochia macroura, que permanecem quando atingem a maturidade, tornando o inseto impalatável aos seus potenciais predadores.

A maior ameaça à espécie é a sistemática destruição de áreas de vegetação brejosa ou pantanosa em todo Rio de Janeiro. Com a redução das restingas, o inseto se torna ainda mais prejudica por seus hábitos monófagos, pois restam menos opções de áreas capazes de sustentar suas necessidades. Não surpreende que para o ICMBio a espécie esteja Em Perigo e para a a IUCN, a espécie seja classificada como Vulnerável à extinção.

 

 

Leia também
Chauá, o papagaio de muitos apelidos
Uma coleira para a preguiça
Tiriba-de-orelha-branca, o verdinho ligadão no seu lar

 

 

 

Leia também

Reportagens
25 de outubro de 2021

Exploração ilegal de madeira aumenta no Mato Grosso e chega a 88,3 mil hectares em 2020

Ilegalidade atinge 38% da área total utilizada para extração de madeira no estado. Mais de 10 mil hectares explorados de forma ilegal foram em áreas protegidas

Análises
25 de outubro de 2021

Como frear crises hídricas, as atuais e as futuras?

Acompanhamos de perto, por aqui, uma expansão imobiliária desordenada, que, à luz do dia, destrói nascentes e despeja esgoto diretamente em cursos d’água

Reportagens
25 de outubro de 2021

Como os estados cuidam da Amazônia: comparamos dados de proteção, orçamento e desmatamento

Análise exclusiva do ((o))eco se debruça sobre dados ambientais dos nove estados da Amazônia Legal para compreender diferenças e semelhanças nas políticas públicas regionais

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta