Notícias

Justiça suspende licença de usina que ameaça Parna do Iguaçu

TRF da 4ª Região entendeu que o licenciamento da hidrelétrica Baixo Iguaçu,  aprovado pelo órgão ambiental do estado, não ouviu o ICMBio.

Redação ((o))eco ·
18 de junho de 2014 · 7 anos atrás

Usina estava sendo construída a 500 metros do Parque Nacional do Iguaçu. Foto: Wikipédia.
Usina estava sendo construída a 500 metros do Parque Nacional do Iguaçu. Foto: Wikipédia.

A licença de instalação da usina hidrelétrica de Baixo Iguaçu (PR), em construção no Paraná, foi suspensa essa semana pela 4ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4). A Justiça considerou que o Instituto Ambiental do Paraná, que fez o licenciamento, não ouviu o Instituto Chico Mendes (ICMBio), responsável pelo Parque Nacional do Iguaçu, que está há menos de 500 metros do empreendimento e, portanto, pode ser afetado pela usina.

A Hidrelétrica de Baixo Iguaçu é uma obra do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), prevista para ficar pronta em 2016. Segundo a concessionária Neoenergia, produzirá 350,2 MW de energia e está sendo construída dentro da área de amortecimento do parque.

O desembargador federal Cândido Alfredo Silva Leal Júnior,  relator do processo no tribunal, considerou que a licença só é válida após a anuência do órgão gestor, de forma que se tenha certeza quanto à sua viabilidade ambiental, dada sua influência sobre área especialmente protegida.

“Por infringência à regra do art. 36- § 3º da Lei 9.985/2000, é ilegal a expedição de licença de instalação do empreendimento impactante pelo órgão ambiental estadual competente, sem a prévia manifestação favorável do órgão gestor da unidade de conservação atingida”, escreveu Leal Júnior em seu voto.

A ação civil pública foi movida pelas Organizações Não-Governamentais Centro de Estudos, Defesa e Educação Ambiental (CEDEA) e Liga Ambiental. Em 2010, o licenciamento havia sido cassado pela Justiça, mas 2 anos depois a Neoenergia conseguiu anular a decisão anterior no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) e o licenciamento foi considerado válido. As duas organizações recorreram e agora o licenciamento voltou a ser cassado.

Responsável pelo empreendimento, a Neoenergia deve recorrer da decisão.

 

 

Leia Também
Parna do Iguaçu é ameaçado por projetos de desenvolvimento
De volta à estaca zero
Portas fechadas

 

 

 

Leia também

Reportagens
9 de outubro de 2006

Portas fechadas

Mesmo com licenças prévias, hidrelétricas que serão leiloadas nesta terça-feira são contestadas na justiça. Prova de que o setor elétrico ainda não aprendeu a lição ambiental.

Reportagens
25 de outubro de 2021

Exploração ilegal de madeira aumenta no Mato Grosso e chega a 88,3 mil hectares em 2020

Ilegalidade atinge 38% da área total utilizada para extração de madeira no estado. Mais de 10 mil hectares explorados de forma ilegal foram em áreas protegidas

Análises
25 de outubro de 2021

Como frear crises hídricas, as atuais e as futuras?

Acompanhamos de perto, por aqui, uma expansão imobiliária desordenada, que, à luz do dia, destrói nascentes e despeja esgoto diretamente em cursos d’água

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Leda Aschermann diz: