Notícias

Copa do Mundo das áreas protegidas: Itália

A Azurra decepcionou e seu futebol já foi eliminado do Mundial. Na Copa das áreas protegidas o resultado é outro.

Rafael Ferreira ·
27 de junho de 2014 · 8 anos atrás

No que se refere a Copas do Mundo, o futebol italiano vai mal das pernas. Com a derrota para o Uruguai, por 1 x 0, a seleção Azurra decepcionou e foi eliminada na primeira fase da Copa de 2014. Essa, aliás, não é a primeira vez que isso acontece: a equipe foi eliminada da mesma forma em 2010, derrotada pela Eslováquia.

Mas, se nas quatro linhas a atual vice-campeã da Eurocopa deixa a desejar, no quesito conservação, dá um belo exemplo. A Itália conta com 3.512 áreas protegidas que cobrem 15% do seu território. Por este parâmetro, dá uma verdadeira lavada em seu algoz, o Uruguai, que tem apenas 0,26% do seu território sob proteção.

Atualmente, existem 24 parques nacionais, 147 parques regionais e 30 áreas marinhas protegidas. Os parques nacionais e as áreas marinhas protegidas são geridas pelo Ministério Italiano do Meio Ambiente e da Proteção do Território e do Mar (Ministero dell’Ambiente e della Tutela del Territorio e del Mare), enquanto parques regionais são executados pelas diversas administrações regionais. As demais áreas protegidas são administradas por uma instituições independentes.

O segundo mais antigos e o mais célebre dos parques nacionais italianos é o Parque Nacional de Abruzzo, Lazio e Molise (Parco Nazionale d’Abruzzo, Lazio e Molise). Fundado em 1922, engloba as regiões de Abruzzo, Lazio e Molise, uma demonstração de preservação do meio ambiente com equilíbrio entre a natureza e as cidades circundantes. O parque tem uma fauna variada com 60 espécies de mamíferos, 300 variedades de aves, 40 espécies de répteis, peixes, espécies anfíbias e uma ampla variedade de insetos (um atrativo para os entomologistas). As florestas de faias cobrem 2/3 terços do parque que tem um papel importante na preservação de espécies como o lobo italiano, a camurça-dos-pirineus e o urso-marsicano.

Também fundado em 1922, o Parque Nacional Gran Paradiso (Parco nazionale del Gran Paradiso) é o mais antigo, mesmo que por alguns meses. O parque recebe o nome do pico mais alto da Itália, o Gran Paradiso com 4,061 metros de altura. Criado para preservar o íbex-dos-alpes, hoje suas florestas também abrigam arminhos, doninhas, lebres, texugos-europeus e mais de 100 espécies de aves como o bufo-real, o lagópode-branco, a ferreirinha-alpina e a gralha.

Veja abaixo algumas das figurinhas carimbadas das unidades de conservação da Itália.

Parque Nacional Stelvio
Parque Nacional Stelvio

Se você quiser torcer para o Brasil neste campeonato de áreas protegidas, acesse o WikiParques e conheça mais sobre as unidades de conservação de nosso país. O WikiParques é um site interativo dedicado aos cidadãos que querem compartilhar seus conhecimentos, explorar e debater sobre nossos Parques Nacionais e áreas protegidas. Colabore para proteger.

 

 

Leia também
Copa do Mundo das áreas protegidas: Gana
Copa do Mundo das áreas protegidas: Coréia do Sul
Copa do Mundo das áreas protegidas: Nigéria
Copa do Mundo das áreas protegidas: Inglaterra
Copa do Mundo das áreas protegidas: Camarões
Copa do Mundo das áreas protegidas: Argélia
Copa do Mundo das áreas protegidas: Bósnia e Herzegovina
Copa do Mundo das áreas protegidas: Suíça
Copa do Mundo das áreas protegidas: Colômbia
Copa do Mundo das áreas protegidas: Austrália
Copa do Mundo das áreas protegidas: México
Copa do Mundo das áreas protegidas: Irã
Copa do Mundo das áreas protegidas: Honduras
Copa do Mundo das áreas protegidas: Grécia
Copa do Mundo das áreas protegidas: Chile
Copa do Mundo das áreas protegidas: Croácia
Áreas protegidas do mundo em incríveis fotos 360°

 

 

 

Leia também

Notícias
16 de maio de 2022

Brasileiro recebe prêmio internacional por trabalho na conservação do tatu-canastra

O prêmio Future for Nature Awards 2022 reconheceu o trabalho do biólogo Gabriel Massocato no Programa de Conservação do Tatu-Canastra

Notícias
16 de maio de 2022

Deputado do AM quer flexibilizar licenciamento ambiental da BR-319 para facilitar conclusão das obras

Projeto é semelhante à manobra já tentada em 2015 pelo governo do estado para assumir competência sobre licenciamento, hoje de responsabilidade do Ibama, diz pesquisadora

Reportagens
13 de maio de 2022

Os Akroá-Gamella resistem e lutam por reconhecimento

Desde 2014, os gamella aguardam demarcação de suas terras e sofrem ataques violentos de fazendeiros da região, irritados pelo processo de retomada deste povo

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta