Notícias

Desmatamento consolidado: um pouco acima da estimativa

Perda de floresta foi de 29% em 2013, um aumento de 1% a mais que o apresentado nos dados preliminares. Saiu de 5.843 km² para 5.891 km²

Daniele Bragança · Rafael Ferreira ·
10 de setembro de 2014 · 8 anos atrás
Desmatamento consolidado: um pouco acima da estimativa.

Demorou mas saíram hoje os dados consolidados do desmatamento na Amazônia Legal, que atualizam os dados preliminares, divulgados no final de 2013. A taxa revisada aumentou ligeiramente e mostra que foram desmatados 5.891 km², contra 5.843 km² que se acreditava anteriormente, um aumento de 1%. Apesar do aumento, esse desmatamento ainda é o segundo mais baixo da história da Amazônia Legal, desde que a região começou a ser monitorada pelo INPE em 1988 (veja na tabela abaixo).

Pará e Mato Grosso lideraram o desmatamento no período em números absolutos, com 2.346 km² e 1.139 km² desmatados, respectivamente. Porém, a variação de aumento de área desmatada de um ano para o outro mostra que Mato Grosso e Maranhão são os vilões da lista, cada um aumentou o desmatamento em 50% em relação a 2012.

Acre e Amapá foram os dois únicos estados que conseguiram diminuir o  desmate no período entre 2012 e 2013: o Acre diminuiu 28% e o Amapá 15%.

Calendários

Desde 2008, o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) faz um esforço para divulgar os dados preliminares do desmatamento no final do ano, durante ocorrência de alguma COP do clima. A tradição de manter um calendário de divulgação começou na COP de Bali (COP-13), ainda durante a gestão de Marina Silva no Ministério do Meio Ambiente.

A divulgação dos dados consolidados não contam com o mesmo costume. Os dados não têm mês certo para sair. Já foram divulgados em agosto, abril, outubro e, nos últimos 2 anos, o governo começou a publicar os dados de validação durante o dia 5 de junho, dia do meio ambiente.

O calendário parecia estar fechado: divulgação do dado preliminar durante as COPs, divulgação da validação em junho. Falso. Após a data não ser respeitada esse ano, o Instituto Socioambiental protocolou ofício requisitando aos ministros da Ciência, Tecnologia e Inovação, Clélio Campolina Diniz, e do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, acesso aos dados consolidados do Prodes, referentes ao desmatamento de 2013, e aos dados do Degrad referentes a 2011, 2012 e 2013. Assim, foi dado abertura para especulações sobre os números consolidados e o porquê do governo não divulgava logo o número.

Agora, as atenções se voltam para os dados mensais. Tanto o Sistema Deter, do INPE, quanto o Sistema SAD, do Imazon, apontam tendência de alta do desmatamento para esse ano.  O número oficial do desmatamento anual sai em novembro, durante a COP de Lima (COP 20).

 

 

Leia Também
Zangada, ministra anuncia aumento de 28% no desmatamento
Confirmado o menor desmatamento da história na Amazônia
Na lente do satélite, crônica da Amazônia

 

 

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Reportagens
27 de maio de 2022

Um caminho (e um sonho) para unir a América

A construção de uma trilha pan-americana que conecte caminhos do Alasca à Patagônia parece um sonho distante, mas já há sonhadores dispostos a montar esse quebra-cabeça

Notícias
27 de maio de 2022

São Paulo registra duas décadas de poluição do ar acima do recomendado pela OMS

Em alguns pontos da cidade, concentração de poluentes foi quatro vezes maior do que o indicado, mostra estudo. Poluição mata 7 milhões de pessoas por ano no mundo

Notícias
26 de maio de 2022

Conexão de trilhas e pessoas embala 1º Congresso Brasileiro de Trilhas

Evento que começou nesta quarta (25) e se estende até domingo, em Goiânia, conta com mais de 1.500 inscritos para discutir e fomentar a implementação de trilhas no Brasil

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta