Notícias

Onças abatidas têm cabeças cortadas como troféu

Esta semana houve dois casos envolvendo caça ilegal de onças-pintadas na Amazônia. Ambos apresentados como “demonstração de bravura”.

Vandré Fonseca ·
26 de março de 2015 · 7 anos atrás

Provas do crime estavam numa mochila. Foto: Divulgação
Provas do crime estavam numa mochila. Foto: Divulgação

Manaus, AM – Os patrulheiros ficaram surpresos. Eram as cabeças e as caudas de duas onças-pintadas (Panthera onca), um adulto e um filhote, provavelmente mãe e filho. Os pedaços de onça estavam escondidos em uma mochila levada na Mitsubishi L-200 Triton. A picape havia saído de São Luiz, no sul de Roraima, e foi parada durante fiscalização da Polícia Rodoviária Federal na BR-174, na entrada de Boa Vista, capital do estado, quando faltavam poucos minutos para às 11 horas da noite, de segunda-feira, 23 de março.

Um dos passageiros, Edinaldo Cavalcante, de 32 anos, assumiu ser responsáve. Ele foi levado a uma delegacia de Polícia Civil, onde assinou um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO) e foi liberado. Na delegacia, ele disse que matou as onças em uma fazenda e estava levando para Boa Vista, para mostrar à família. Os animais teriam sido caçados, com ajuda de cães que os acuaram antes do abate.

O veículo foi liberado e, de acordo com a Polícia Civil de Roraima, Edinaldo vai responder processo em liberdade por Crime Contra a Fauna, com pena prevista de 1 ano e seis meses de reclusão. Um representante do Ibama foi até a delegacia em busca de informações sobre a apreensão, para que o responsável fosse autuado e recebesse a multa: R$ 5 mil reais por animal. Os restos das duas onças foram encaminhados à Universidade Federal de Roraima (UFRR) para atividades de ensino e estudos genéticos.

O caçador é levado para a delegacia. Foto: Divulgação.
O caçador é levado para a delegacia. Foto: Divulgação.

No início da semana, um onça abatida no interior do Amazonas foi exibida em fotografia. O animal foi morto por um caçador em uma comunidade entre Urucurituba e Itacoatiara, que ficam às margens do Rio Amazonas. O homem afirma que estava caçando quando se deparou com o animal e o matou para se proteger. A história ganhou notoriedade depois que a foto foi publicada por um fotógrafo da capital, que diz estar produzindo uma exposição sobre a destruição da Amazônia.

O analista ambiental do Ibama, Robson Czaban, explica que a lei permite atirar um animal em legítima defesa. Porém ele destaca que o atirador pode ser punido se estiver caçando e durante esta atividade matar a onça. De acordo com ele, o ser humano não faz parte do cardápio da onça e os ataques são raros. “Além disso, se uma onça atacar alguém, essa pessoa tem poucas chances de se defender”, diz Czabanl. “Ela nos enxerga muito antes da gente percebê-la e ela costuma atacar pelas costas. Se atacar, a pessoa nem vai saber o que a matou”.

 

 

Leia Também
Onça amputada é encontrada no MS
Lição de jornalismo no front da onça parda
Traficantes de droga: nova ameaça às onças do Pantanal
Entenda a Lei de Crimes Ambientais

 

 

 

Leia também

Reportagens
25 de outubro de 2021

Como os estados cuidam da Amazônia: comparamos dados de proteção, orçamento e desmatamento

Análise exclusiva do ((o))eco se debruça sobre dados ambientais dos nove estados da Amazônia Legal para compreender diferenças e semelhanças nas políticas públicas regionais

Notícias
22 de outubro de 2021

“Adote um ninho”: Conheça a campanha para a preservação dos papagaios brasileiros

Campanha busca incentivar a proteção dos papagaios por meio da construção de ninhos artificiais para suprir a falta de cavidades naturais, que estão diminuindo por conta do desmatamento

Análises
22 de outubro de 2021

Por uma nova onda de soluções para a resiliência e a saúde do oceano

Estudo do FMI estima que 8 milhões de toneladas de lixo plástico acabam no mar todos os anos, sendo 80% provenientes do continente. Se não mudarmos esse quadro, o oceano terá mais lixo do que peixes até 2050

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta