Notícias

Câmara aprova projeto que facilita liberação de agrotóxicos no Brasil

Votação da proposta não estava prevista para esta quarta-feira, mas entrou em pauta após pedido de urgência feito pelo presidente da Casa, Arthur Lira, aliado de Bolsonaro

Cristiane Prizibisczki ·
9 de fevereiro de 2022

Por 301 votos a favor, 150 contrários e duas abstenções, a Câmara dos Deputados aprovou o Projeto de Lei nº 6.299/2002, que torna mais fácil a liberação de agrotóxicos no país.

A votação do projeto não estava prevista para esta quarta-feira. A proposta entrou em pauta após a aprovação de um pedido de urgência feito pelo presidente da Câmara, Arthur Lira. O texto deve agora voltar para o Senado, Casa onde a proposta foi originada e aprovada (Leia mais abaixo).

Segundo Suely Araújo, especialista sênior em políticas públicas do Observatório do Clima, nessa terceira fase de tramitação do projeto – quando volta para o Senado – não há mais alterações no texto.

“O Senado certamente vai aprovar o texto da Câmara e não vai poder alterar redação, colocar artigo novo, porque na terceira fase não faz isso, se aceita ou não o que a Casa revisora [Câmara] fez, ou no todo ou artigo a artigo”, disse, a ((o))eco.

Para a bancada ruralista no Congresso, as mudanças trazidas pelo novo texto irão modernizar e dar mais celeridade na aprovação de novos agrotóxicos.

Segundo o relator do projeto, deputado Luiz Nishimori (PL-PR), atualmente, a autorização de um novo princípio ativo demora de três a oito anos. “A aprovação do projeto irá possibilitar maior produtividade, comida com preço acessível e, principalmente, vai oferecer mais segurança alimentar para nosso país”, disse o deputado, durante a votação desta quarta-feira.

Para especialistas e ambientalistas, no entanto, o projeto, apelidado de “Pacote do Veneno”, traz muitos retrocessos. Dentre os pontos mais polêmicos, estão:

  • Transfere o poder de decisão sobre a aprovação de um novo agrotóxico – antes feito pelo Ministério da Agricultura, Ministério do Meio Ambiente e Anvisa – somente para a pasta da Agricultura, diminuindo a participação do Ministério do Meio Ambiente, por meio do Ibama, e Anvisa no processo. Tais órgãos forneciam análises sobre a questão ambiental e de saúde pública no processo de avaliação e aprovação de novos venenos. Se sancionado o texto, Anvisa e Ibama não deixarão de fazer as análises sobre os eventuais riscos dos produtos, mas a decisão final será somente da pasta comandada por Tereza Cristina.
Placar da votação do texto-base. Imagem: Câmara dos Deputados.
  • Muda o termo “agrotóxico” para “pesticida”. De acordo com o relator da matéria, deputado Luiz Nishimori (PL-PR), a mudança visa uniformizar a nomenclatura adotada pelo Brasil e pelos países-membros da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Segundo o Greenpeace, essa mudança mascara a nocividade dessas substâncias e não atende à realidade brasileira de baixa escolaridade no campo. “O termo agrotóxico é amplamente conhecido por quem lida diariamente com essas substâncias. Ele não foi adotado ocasionalmente na construção da Lei 7.802/1989, mas sim para colocar em evidência a toxicidade dessas substâncias, representando direito à informação correta”, ressalta a organização.
  • O projeto também inclui conferir, sem avaliação interna, Registro Especial Temporário (RET) e Avaliação Especial temporária (AP) para pesticidas que não forem analisados dentro do prazo estabelecido pela nova lei, desde que tenham sido previamente aprovados em algum país da OCDE. Isto é, a avaliação da segurança para o meio ambiente e para a saúde ficam para depois da aprovação. Ruralistas defendem que esse dispositivo dá mais “celeridade” ao processo.
  • Remove a autonomia dos órgãos de saúde para publicar análises sobre agrotóxicos em alimentos.

Durante a votação desta quarta-feira, parlamentares da oposição destacaram tais problemas no texto.

“O Brasil é o maior importador mundial de agrotóxico e o segundo em utilização deste veneno, atrás apenas da China, que, no entanto, possui uma área de agricultura quase duas vezes e meia maior do que a do Brasil. Nessas condições, já somos conhecidos no mundo pelo veneno na mesa e pela contaminação ambiental pelos agrotóxicos. A aprovação deste substitutivo seria um ataque sem precedente à saúde pública e ao meio ambiente”, disse o deputado Nilto Tatto (PT-SP).

“Eu sou médica e digo que ali ficou muito claro: esse projeto é ambientalmente destrutivo para a saúde da população, para os agricultores, para os trabalhadores da área rural. Ele é profundamente prejudicial. Várias doenças decorrem desses defensivos agrícolas, que não terão a fiscalização dos órgãos de saúde, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária — ANVISA em particular […] E do ponto de vista econômico, esses defensivos estão sendo recusados em outros países e estão sendo trazido para cá. Então, obviamente isso prejudicará o Brasil, porque nós estamos recebendo lixo”, ressaltou a deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ).

Tramitação

Texto-base foi aprovado por 301 votos. Foto: Nilson Bastian /Câmara dos Deputados.

A tramitação do projeto hoje aprovado começou em 1999, quando a proposta foi apresentada no Senado pelo então senador Blairo Maggi, tendo sido aprovada. Em 2002, ela chegou à Câmara e recebeu o número 6.299. Ao longo de sua tramitação nesta Casa Legislativa, o PL recebeu muitas mudanças. Em 2018, ele foi aprovado em Comissão Especial da Câmara dos Deputados.

Na época, mais de 20 órgãos públicos e organizações da sociedade civil se manifestaram publicamente contra o projeto. O movimento “Agrotóxico Mata” reuniu as manifestações contrárias à proposta. No nível internacional, a Organização das Nações Unidas também registrou sua oposição às mudanças.

A Fiocruz, a Associação Brasileira de Saúde Coletiva, o Instituto Nacional do Câncer e o Ministério Público Federal também chegaram a um consenso técnico-científico, alertando para os riscos que a proposta traz à vida das pessoas e ao meio ambiente. 

Após a aprovação na Comissão Especial na Câmara e as manifestações contrárias naquele ano de 2018, a proposta permaneceu parada. No entanto, a partir de um acordo político, o atual presidente da Câmara, Arthur Lira, aliado de Bolsonaro, conseguiu colocar novamente o projeto em pauta, com a aprovação do pedido de urgência, aprovado por 327 a 71 votos nesta quarta-feira.

Agrotóxicos no Brasil

A aprovação de agrotóxicos no Brasil vem crescendo desde 2016, mas teve um salto durante o governo Bolsonaro. Somente nos últimos três anos, foram feitos 1.529 novos registros, 562 em 2021. O total de pesticidas aprovados por Bolsonaro representa 33% dos registros feitos no país desde 2000.

  • Cristiane Prizibisczki

    Cristiane Prizibisczki é Alumni do Wolfson College – Universidade de Cambridge (Reino Unido), onde participou do Press Fellow...

Leia também

Reportagens
5 de agosto de 2019

Subsídios para os agrotóxicos podem superar R$ 14,53 bilhões por ano

Levantamento foi realizado Defensoria Pública de São Paulo. Desde janeiro, 290 novos produtos foram autorizados pelo governo federal

Salada Verde
23 de maio de 2018

SBPC se manifesta contra mudanças no marco dos agrotóxicos

Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência divulgou nota contra tentativa do Congresso de mudar lei que rege os agrotóxicos no país

Reportagens
16 de maio de 2018

Deputados querem retirar Anvisa e Ibama da avaliação de agrotóxicos

O que você prefere: comer um alimento com agrotóxicos ou defensivos fitossanitários? A adoção do nome menos "depreciativo" é apenas uma das mudanças previstas no chamado PL do Veneno

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. João Carlos de Souza Carvalho diz:

    Alguém notou que só partidos de esquerda aliados do MCT votaram contra essa Lei ! Por quê será que eles não querem o uso de pesticidas na agricultura ? Para destruir a competitividade do agronegócio brasileira e nos fazer importar alimentos em vez de produzi-los no Brasil !