Notícias

Concentração de CO2 diminui nutrientes nos alimentos

Cientistas da Universidade de Harvard publicaram estudo apontando que em 2050, a estimativa é que 175 milhões de pessoas fiquem deficientes em zinco e 122 mi, em proteínas

Sabrina Rodrigues ·
28 de agosto de 2018 · 3 anos atrás
O aumento dos níveis de CO2 na atmosfera está fazendo com que alimento básico como o trigo fique menos nutritivos. Foto: Juan/Flickr.

O aumento dos níveis de CO2 na atmosfera está fazendo com que alimentos básicos como arroz e trigo fiquem menos nutritivos e a estimativa é que 175 milhões de pessoas consumam menos zinco e 122 milhões menos em proteínas que o recomendado até 2050. Esse alerta é resultado da pesquisa Impact of anthropogenic CO2 emissions on global human nutrition (Impacto das emissões antropogênicas de CO2 na nutrição humana global, em tradução livre) publicada na segunda-feira (27) na revista Nature Climate Change.

Segundo o estudo, em 2050 os níveis de emissão de CO2 chegarão a 550 partes por milhão (ppm) e isso afeta as culturas cultivadas, já que a concentração de CO2 diminui os teores de proteína, ferro e zinco em 3 a 17%, em comparação com as condições atuais.

Os pesquisadores Samuel Myers e Matthew Smith, da Universidade de Harvard, vinculam o nosso comportamento diário ao processo de tornar os nossos alimentos menos nutritivos. “Nossa pesquisa deixa claro que as decisões que estamos tomando todos os dias — como aquecemos nossas casas, o que comemos, como nos movimentamos, o que escolhemos comprar — estão tornando nossos alimentos menos nutritivos e pondo em perigo a saúde de outras populações e futuros gerações ”, alerta Samuel Myers.

Crianças são as mais afetadas

A Índia será o país mais afetado. Foto: PnP/Flickr.

Segundo os cientistas, a situação é preocupante. Myers e Smith apontam que 1,4 bilhão de mulheres em idade fértil e crianças menores de 5 anos que estão atualmente em alto risco de deficiência de ferro poderiam ter sua ingestão de ferro na dieta reduzida em 4% ou mais. Os pesquisadores também enfatizaram que bilhões de pessoas que atualmente vivem com deficiências nutricionais provavelmente veriam suas condições piorarem como resultado de cultivos menos nutritivos.

A Índia será o país mais afetado, com a estimativa de que 50 milhões de pessoas deficientes em zinco, 38 milhões com deficiência em proteínas e 502 milhões de mulheres e crianças vulneráveis ​​a doenças associadas à deficiência de ferro. Outros países do sul da Ásia, sudeste da Ásia, África e Oriente Médio também sofreriam um impacto significativo.

“Uma coisa que esta pesquisa ilustra é um princípio fundamental do campo emergente da saúde planetária”, disse Myers. E continua: “Não podemos interromper a maioria das condições biofísicas às quais nos adaptamos ao longo de milhões de anos sem impactos imprevistos em nossa própria saúde e bem-estar”.

 

 

Saiba Mais

Impact of anthropogenic CO2 emissions on global human nutrition

 

Leia Também

Concentração de CO2 na atmosfera deve bater novo recorde

Gases do efeito estufa: Dióxido de Carbono (CO2) e Metano (CH4)

 

 

  • Sabrina Rodrigues

    Repórter especializada na cobertura diária de política ambiental. Escreveu para o site ((o)) eco de 2015 a 2020.

Leia também

Dicionário Ambiental
30 de abril de 2014

Gases do efeito estufa: Dióxido de Carbono (CO2) e Metano (CH4)

Saiba mais sobre os dois mais proeminentes "vilões" do aquecimento global.

Reportagens
14 de junho de 2016

Concentração de CO2 na atmosfera deve bater novo recorde

Acúmulo de dióxido de carbono ultrapassa barreira simbólica de 4 centenas de partes por milhão e pode superar limiar da catástrofe em 25 anos, sugere estudo de grupo internacional

Notícias
21 de outubro de 2021

Até 2020 Rondônia não possuía lei para regular destinação de terras públicas

Estado tem quase 30% de seu território ocupado por terras não destinadas. Briga entre Legislativo e Executivo rondonienses dificultam formalização dos processos

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta