Notícias

Destruição de Terras Indígenas pelo garimpo cresceu quase 500% em dez anos

Pará, Amazonas e Roraima perderam as maiores áreas para a mineração, mostra levantamento do MapBiomas, divulgado nesta terça, Dia do Índio

Cristiane Prizibisczki ·
19 de abril de 2022 · 2 anos atrás

A área ocupada pelo garimpo dentro de Terras Indígenas cresceu 495% entre 2010 e 2020, sendo que os maiores saltos foram registrados principalmente durante o governo Bolsonaro.

Os dados fazem parte de um levantamento realizado pelo MapBiomas e divulgado nesta terça-feira (19), Dia da Luta e Resistência dos Povos Indígenas, uma adaptação ao Dia do Índio.

Os números levantados pela organização mostram saltos sucessivos. O desmatamento por mineração em TI registrado em 2016 foi de 58,43 hectares. Em 2018 ele já estava em 1.451 hectares e, no ano seguinte, 2019, a cifra chegou a 2.975 hectares. Em 2021, a destruição da floresta em Territórios Indígenas foi de 2.409 hectares.

A atividade da mineração e do garimpo são proibidas por lei dentro de TIs. Desde que chegou ao poder, Jair Bolsonaro tenta emplacar mudanças na legislação, de forma a liberar a atividade no interior desses territórios.

A ofensiva mais concreta é o Projeto de Lei 191/2020, de autoria do Poder Executivo, que autoriza a mineração e a construção de hidrelétricas em TIs, inclusive nas que têm indígenas isolados, e legaliza o garimpo dentro dessas áreas. Atualmente, o PL tramita em regime de urgência na Câmara.

Segundo o MapBiomas, as maiores áreas de garimpo em Terras Indígenas estão em território Kayapó, com 7.602 hectares destruídos, e Mundukuru, com 1.592 hectares de desmatamento entre 2010 e 2020. Ambos estão localizados no estado do Pará.

O território Yanomami, localizado nos estados do Amazonas e Roraima, acumulou 414 hectares de desmatamento por mineração no período. 

No último final de semana, uma operação do Ibama e Polícia Federal recolheu equipamentos de garimpeiros que invadiram a aldeia Karimãa, na Terra Indígena Xipaya, no sudoeste do Pará.

Escudo

Apesar do aumento no desmatamento em Terras Indígenas, grande parte devido à atividade de garimpo, essas são as áreas mais protegidas do bioma Amazônico. Nos últimos 30 anos, as TIs perderam apenas 1% de sua área de vegetação nativa, enquanto as áreas privadas perderam 20,6%, segundo o MapBiomas.

As terras indígenas ocupam 13,9% do território brasileiro e contêm 109,7 milhões de hectares de vegetação nativa, que correspondem a 19,5% da vegetação nativa no Brasil em 2020.

“Os dados de satélite não deixam dúvidas que são os indígenas que estão retardando a destruição da floresta amazônica. Sem seus territórios, a floresta certamente estaria muito mais perto de seu ponto de inflexão a partir do qual ela deixa de prestar os serviços ambientais dos quais nossa agricultura, nossas indústrias e cidades dependem”, explica Tasso Azevedo, Coordenador do MapBiomas.

Além dos prejuízos diretos, a iniciativa lembra que a contaminação das águas pela mineração pode chegar a até 500 km para além do local da retirada de minérios.

  • Cristiane Prizibisczki

    Cristiane Prizibisczki é Alumni do Wolfson College – Universidade de Cambridge (Reino Unido), onde participou do Press Fellow...

Leia também

Notícias
18 de abril de 2022

ICMBio apreende balsa de garimpeiros que invadiram Terra Indígena Xipaya, no Pará

A invasão por homens armados alcançou ampla repercussão depois do pedido de socorro da cacica Juma Xipaya nas redes sociais

Colunas
28 de maio de 2024

Pela apreciação do PL do Mar

A sociedade brasileira deve pressionar os seus representantes para que este projeto não continue a ser adiado após mais de dez anos de discussão

Notícias
28 de maio de 2024

Cidades amigas das aves nativas serão mais sustentáveis 

Parte dos moradores de Belo Horizonte (MG) e de Bauru (SP) valoriza as espécies aladas, mostra uma pesquisa inédita

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.