Notícias

Exaustão e calor: a rotina dos bombeiros que combatem incêndios no Pantanal

Acompanhamos um dia de trabalho dos bombeiros da SOS Pantanal no Parque Estadual das Águas. Distância e tempo seco tornam o trabalho complexo

Leandro Barbosa · Victor Del Vecchio · Gabriel Schlickmann ·
19 de setembro de 2021

No penúltimo dia da nossa jornada, partimos antes mesmo do sol raiar, a caminho de Porto Jofre onde, depois de 1:30 de estrada e 2h de barco, chegamos ao Parque Estadual Encontro das Águas, para acompanhar o trabalho do corpo de bombeiros e brigadistas da SOS Pantanal, que combatiam um incêndio. Em 2020, a Unidade de Conservação teve 92 dos 108 mil hectares queimados.  

O trabalho de combate ao fogo ganha algumas camadas de complexidade diante de alguns desafios: alguns focos de fogo não são acessíveis a pé, é necessário que um trator vá abrindo espaço na vegetação para que os brigadistas possam chegar perto. É comum também que os locais sejam distantes de fontes de água, o que faz com que grande parte do trabalho de contenção das chamas seja feito com abafadores e sopradores (canhão de ar portátil que revira a terra, abafando as chamas). 

Seu Tião. Na cerca do outro lado é o Parque Encontro das Águas. Foto: Gabriel Schlickmann.

Testemunhamos a solidariedade e o grande esforço logístico de Seu Tião, fazendeiro de uma área limítrofe ao Parque, que também foi atingida pelo fogo e que disponibilizou sua caminhonete para, em muitas viagens, levar e trazer bombeiros e brigadistas e encher de água no rio tonéis que ele mesmo emprestou e foram utilizados para abastecer as bolsas costais, mochilas com canhões d’água e que pesam até 20kg.

O empenho das equipes e do suporte permitiram a contenção deste foco de incêndio. Havia porém, outro foco que estava mais distante, em área lamacenta, inacessível a pé ou em máquinas. Para contê-lo, foi enviado um avião que, com alguns voos rasantes, pulverizou água sobre o fogo. Conforme nos explicou o Coronel Sandro, do Corpo de Bombeiros, esse é um trabalho constante. Por mais que as chamas tenham sido contidas, devido à temperatura ambiente, à secura e à abundância de matéria orgânica no solo de áreas alagáveis, pode haver a reignição.

O dia foi exaustivo, as áreas percorridas são abertas e sem sombra e a temperatura de 39ºC é potencializada pelo calor do fogo e pelas roupas compridas de proteção. Mas tudo valeu a pena, quando soubemos que as chamas da região foram controladas e, para presentear nossa volta de mais 2h de barco e 1:30h de carro, vimos uma linda onça-pintada caçando nas margens do rio.

Galeria do dia

Foto: Gabriel Schlickmann.
Foto: Gabriel Schlickmann.
Foto: Gabriel Schlickmann.
Foto: Gabriel Schlickmann.
Chão de cinzas. Foto: Gabriel Schlickmann.
Foto: Gabriel Schlickmann.
Cobra morta no incêndio. Foto: Gabriel Schlickmann.
Foto: Gabriel Schlickmann.
Foto: Gabriel Schlickmann.
A recompensa do dia: ver uma onça-pintada. Foto: Gabriel Schlickmann.

Pantanal ameaçado é um projeto de Leandro Barbosa, Victor Del Vecchio, Lina Castro e Gabriel Schlickmann, financiado coletivamente e que conta com o apoio da iniciativa Observa-MT.

  • Leandro Barbosa

    Jornalista, com publicações nos jornais The Intercept Brasil, Ponte Jornalismo, Globoplay, El País Brasil, UOL, Yahoo, Agência Pública e na revista americana Atmos

  • Victor Del Vecchio

    Advogado e mestrando em Direito Internacional pela USP, professor da Casa do Saber

Leia também

Notícias
17 de setembro de 2021

Pantanal: animais de criação também são vitimados pela seca e queimadas

Eutanásia para abreviar o sofrimento de animais afetados pelo fogo e seca são comuns no dia a dia dos profissionais de resgate. Nesta quinta, acompanhamos o atendimento a um cavalo, que foi sacrificado

Notícias
15 de setembro de 2021

Pantanal: Ausência de centro de reabilitação faz resgate de animais ser custoso

Animais que precisam de assistência médica mais intensa, como a lontra filhote que acompanhamos nesta terça-feira, precisam viajar mais de 150 km para fora da Transpantaneira

Notícias
14 de setembro de 2021

Pantanal: Jacaré debilitado é resgatado de rio seco e transferido para local onde ainda há água

Equipes de resgate precisam avaliar qual animal ainda tem chance de sobreviver e pode ser resgatado. É Corrida contra o tempo para evitar a morte de mais animais silvestres

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta