Notícias

Pantanal: animais de criação também são vitimados pela seca e queimadas

Eutanásia para abreviar o sofrimento de animais afetados pelo fogo e seca são comuns no dia a dia dos profissionais de resgate. Nesta quinta, acompanhamos o atendimento a um cavalo, que foi sacrificado

Leandro Barbosa · Victor Del Vecchio · Gabriel Schlickmann ·
17 de setembro de 2021

Sumimos por um dia, mas as atividades continuaram e voltamos com tudo para contar as novidades! Logo cedo acompanhamos o resgate de um filhote de anta que fora encontrado sem a mãe em uma fazenda próxima à Transpantaneira. Os cães da propriedade acusaram a sua presença e, apesar dele vocalizar exaustivamente chamando pela mãe, ela não apareceu.

O IBAMA foi acionado e levou o filhote até uma unidade do SESC Pantanal, onde há um centro de reabilitação, para que profissionais da AMPARA Silvestre dessem os primeiros cuidados. Vimos também outras duas antas, Tião e Jabuticaba, resgatadas quando ainda eram filhotes, durante as queimadas do ano passado. 

O médico veterinário Jorge Salomão, responsável técnico da AMPARA, nos contou que esse processo de reabilitação e cuidado dos filhotes, até que eles possam iniciar a soltura branda, dura até 3 anos. Apesar de demorado e custoso, é muito importante, sobretudo porque as antas, assim como muitas das espécies que vivem no Pantanal, estão ameaçadas de extinção. 

A ameaça ocorre, sobretudo, porque ainda existe caça esportiva e para subsistência, além de, pela presença humana e degradação ambiental, alguns grupos de antas estarem isolados, o que contribui para a ameaça da espécie.

Da mesma maneira que ocorreu com o filhote de lontra resgatado na terça-feira, os filhotes de anta dificilmente serão reinseridos na natureza, uma vez que não tiveram uma criação similar à que ocorreria com suas mães, ensinando os perigos da proximidade com humanos e outros predadores.

Filhote resgatado. Foto: Gabriel Schlickmann.
Equipe da AMPARA fez o resgate e atendimento do animal. Foto: Gabriel Schlickmann.
Reencontramos no SESC PANTANAL as antas resgatadas ano passado. Foto: Gabriel Schlickmann.

Cavalo doente

No final da tarde, enquanto a equipe da AMPARA corria para Cuiabá para comprar leite de cabra, que serviria para alimentar o filhote, nós encontramos a equipe do GRAD (Grupo de Resgate a Animais em Desastres), que atendi um cavalo dentro de uma fazenda. Apesar do foco da atuação aqui serem os animais silvestres, o GRAD não nega atendimento quando se depara com algum animal doméstico precisando de socorro.

O cavalo estava caído no chão e não levantava, era velho e estava muito fraco: glicemia baixa e desidratado, consequência da falta de água e pasto que afeta não só a fauna silvestre, mas também as criações locais.

Até o momento que acompanhamos, o cavalo foi medicado, tomou soro e a muito custo tentaram estimulá-lo e colocá-lo de pé, o que não funcionou. À noite, quando falamos novamente com a equipe do GRAD, tivemos a notícia de que ele acabou sendo eutanasiado, diante da falta de respostas e do destino certo de que não sobreviveria muito mais.

Nessa ocasião, comentaram que as eutanásias em animais têm sido frequentes, seja pelos ferimentos do fogo ou atropelamentos, seja pelas sequelas da falta de água e alimentos. De todo modo, o que podemos concluir é que a ação humana tem não só provocado sofrimento, mas também abreviado a vida dos animais no Pantanal.

Idoso e debilitado. Foto: Gabriel Schlickmann.
Cavalo recebendo atendimento do Grupo de Resgate a Animais em Desastres (GRAD). Foto: Gabriel Schlickmann.
A equipe tentou fazer o cavalo ficar de pé. Foto: Gabriel Schlickmann.
Ele precisou de ajuda. Foto: Gabriel Schlickmann.
Mas não conseguiu. Foto: Gabriel Schlickmann.
Equipe do GRAD prepara medicação. Foto: Gabriel Schlickmann.

Pantanal ameaçado é um projeto de Leandro Barbosa, Victor Del Vecchio, Lina Castro e Gabriel Schlickmann, financiado coletivamente e que conta com o apoio da iniciativa Observa-MT.

  • Leandro Barbosa

    Jornalista, com publicações nos jornais The Intercept Brasil, Ponte Jornalismo, Globoplay, El País Brasil, UOL, Yahoo, Agência Pública e na revista americana Atmos

  • Victor Del Vecchio

    Advogado e mestrando em Direito Internacional pela USP, professor da Casa do Saber

Leia também

Notícias
15 de setembro de 2021

Pantanal: Ausência de centro de reabilitação faz resgate de animais ser custoso

Animais que precisam de assistência médica mais intensa, como a lontra filhote que acompanhamos nesta terça-feira, precisam viajar mais de 150 km para fora da Transpantaneira

Notícias
14 de setembro de 2021

Pantanal: Jacaré debilitado é resgatado de rio seco e transferido para local onde ainda há água

Equipes de resgate precisam avaliar qual animal ainda tem chance de sobreviver e pode ser resgatado. É Corrida contra o tempo para evitar a morte de mais animais silvestres

Notícias
13 de setembro de 2021

Luta contra a fome e a sede: realidades duras enfrentadas pela fauna pantaneira

Macacos-pregos ficam entusiasmados após verem que o Grupo de Resgate de Animais em Desastres estava com frutas e param de evitar contato. Escassez de alimentos explica mudança no comportamento

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta