Notícias

Funcionários do ICMBio e do Inea-RJ apoiam ações de resgate em Petrópolis

Equipes dos órgãos ambientais federal e estadual apoiam ações de busca e arrecadação de doações no apoio à tragédia que vitimou mais de 150 pessoas na região serrana do Rio

Duda Menegassi ·
21 de fevereiro de 2022

Diante da tragédia que ocorreu na última semana no município de Petrópolis, na região serrana do Rio de Janeiro, onde enxurradas e deslizamentos causaram a morte de mais de 150 pessoas e outras 110 seguem desaparecidas, funcionários do ICMBio e do Inea-RJ se juntaram aos inúmeros voluntários na rede de solidariedade que tem colaborado com buscas e doações. As equipes dos dois órgãos ambientais estão em campo desde a última quarta-feira (16) no apoio às ações de busca e resgate das vítimas, assim como no ordenamento urbano e no apoio às arrecadações para os sobreviventes da tragédia.

O Inea-RJ enviou equipes de treze unidades de conservação – desde guarda-parques até técnicos e diretores – numa comitiva total de cerca de 100 pessoas. O Inea também tem enviado materiais de apoio e de primeiros socorros, assim como doações de água, roupas e alimentos.

No ICMBio, a maior parte dos 30 profissionais – analistas e brigadistas – que se revezam em campo são do próprio Núcleo de Gestão Integrada (NGI) de Teresópolis que está sediada na região serrana, mas também vieram funcionários da NGI Mico-Leão-Dourado e do Parque Nacional da Tijuca. 

De acordo com fontes ouvidas por ((o))eco, apesar da decisão não ter vindo institucionalmente de Brasília, a presidência do órgão ambiental tem dado apoio aos servidores no apoio à Petrópolis. O ICMBio tem apoiado com o fornecimento de combustível, viatura e na provisão de material para as equipes de resgate em campo.

  • Duda Menegassi

    Jornalista ambiental especializada em unidades de conservação, montanhismo e divulgação científica.

Leia também

Reportagens
16 de fevereiro de 2022

Tragédia em Petrópolis escancara despreparo de órgãos de defesa civil

País precisa colocar em prática uma política efetiva de prevenção para evitar novas calamidades, defende pesquisador da USP

Análises
17 de janeiro de 2011

Chuvas 2011: um erro chamado Município

Como promotor de justiça em Nova Friburgo concluí que a Justiça não é o instrumento adequado para combater a ocupação desordenada do solo

Colunas
1 de fevereiro de 2022

A tragédia anunciada e o descaso com o meio ambiente

Em São Paulo não há área de risco que não esteja mapeada, demonstrando que a realidade que assistimos ocorre não no desconhecimento dos problemas, mas sim de uma criminosa ineficácia governamental

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta