Notícias

Justiça bloqueia bens de super quadrilha de desmatadores

Acusados de chefiar esquema de desmatamento e grilagem, no Pará, terão R$ 420 milhões bloqueados. Valor corresponde aos danos ambientais causados.  

Daniele Bragança ·
26 de julho de 2016 · 6 anos atrás
Área devastada pelo esquema comandado por AJ Vilela. Foto: Ibama
Área devastada pelo esquema comandado por AJ Vilela. Foto: Ibama

A quadrilha acusada de controlar o maior esquema de desmatamento já detectado na Amazônia ficará sem parte do capital acumulado com o crime. A Justiça Federal ordenou o bloqueio de R$ 420 milhões de Antônio José Junqueira Vilela Filho, pecuarista conhecido como AJ Vilela ou Jotinha, e de mais 12 pessoas físicas e jurídicas envolvidas no esquema.

O valor corresponde aos danos ambientais ocasionados pela destruição de 300 quilômetros quadrados de florestas em Altamira, no Pará, entre 2012 e 2015. Essa área é equivalente ao território do município Belo Horizonte (MG). Segundo o Ministério Público, a quadrilha movimentou cerca de R$ 1,9 bilhão nesse período.

Uma das empresas que tiveram seus bens sequestrados é a Guatambu Agricultura e Pecuária S.A, apontada pelos investigadores do MPF e da Receita Federal como uma empresa de fachada. O negócio resguardava o patrimônio da família Junqueira Vilela, que lidera o esquema criminoso. A quadrilha foi desmantelada no final de junho pela operação Rios Voadores, realizada pela Polícia Federal em conjunto com o Ministério Público Federal, a Receita Federal e o próprio IBAMA.

Os procuradores sustentam que o bloqueio é necessário para assegurar a recuperação dos danos ambientais. “Os R$ 420 milhões seriam suficientes para pagar pelo Plano de Recuperação de Área Degradada (PRAD), que deve ser apresentado por qualquer um que cause danos ambientais e seja condenado à reparação”, afirma, em nota, o MPF.

Além do desmatamento ilegal, os acusados podem ainda ser condenados a demolir qualquer obra ou edificação que tenham erguido nas fazendas constituídas através de grilagem de terras públicas.

 

*Com informações do MPF-PA.

 

 

Leia Também

MPF questiona JBS e Maggi sobre negócios com desmatador da Amazônia

Polícia Federal desmonta quadrilha de desmatadores comandada de São Paulo

O procurador que laçou o desmatamento

 

 

 

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Reportagens
2 de maio de 2016

O procurador que laçou o desmatamento

A persistência de Daniel Azeredo o levou a compreender a cadeia da pecuária no Pará e a fazer um acordo que transformou frigoríficos em guardiões da floresta

Reportagens
30 de junho de 2016

Polícia Federal desmonta quadrilha de desmatadores comandada de São Paulo

Operação revela sofisticação do grupo que pratica desmatamento e grilagem para pecuária e soja no sudoeste do Pará. Principal suspeito é pecuarista de SP

Notícias
21 de julho de 2016

MPF questiona JBS e Maggi sobre negócios com desmatador da Amazônia

Procuradores querem detalhes sobre transações comerciais entre as empresas e integrantes da família acusada de chefia esquema de desmatamento e grilagem no Pará.

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 2

  1. AAI diz:

    Ótima notícia! Só esperamos que a justiça depois condene os responsáveis!!!