Notícias

Organização criminosa envolvida com grilagem de terras em Rondônia é alvo de ação policial

Delegacia de Repressão ao Crime Organizado deflagou nesta quinta-feira (6) a 7ª fase da Operação Canaã, que investiga invasão de terras públicas no estado

Cristiane Prizibisczki ·
6 de outubro de 2022 · 1 anos atrás

A Polícia Civil de Rondônia, em conjunto com o Ministério Público do Estado (MPE-RO), deflagrou na manhã desta quinta-feira (6) a Operação Anomia, que tem por objetivo desarticular uma organização criminosa envolvida na ocupação, venda e exploração ilegal de terras no Parque Estadual Guajará-Mirim e em parte de sua zona de amortecimento.

A operação Anomia – palavra que significa ausência de lei ou regra utilizada em referência ao modo como o grupo criminoso age – faz parte da 7ª fase da Operação Canaã, que investiga a ocupação de terras públicas no estado como um todo.

Segundo a 2ª Delegacia de Repressão ao Crime Organizado, serão cumpridos quatro mandados de prisão preventiva, uma medida diversa da prisão e 14 mandados de busca e apreensão domiciliar nas cidades de Porto Velho, Guajará-Mirim, Nova Mamoré e no distrito de Jacinópolis.

A investigação da Polícia e do MPE apontou que após a invasão e loteamento do Parque Guajará-Mirim e na área conhecida como “bico do parque”, que fica na zona de amortecimento da unidade de conservação, o núcleo criminoso promovia a venda dos lotes por meio de um advogado. Este profissional seria o responsável por coordenar a invasão e promover o fomento e manutenção dos compradores no interior da área invadida, que passava a ser severamente desmatada.

A quadrilha, segundo o Ministério Público, contava também com a ajuda de um topógrafo profissional para realizar o loteamento do parque. A divisão da área da unidade resultou em mais de 100 lotes, grande parte deles já vendida ilegalmente.

A área já desmatada devido à ação dos criminosos chega a 2.347 hectares, cujo valor monetário é de cerca de R$ 86 milhões.

“Trata-se de uma organização criminosa de grande periculosidade, que vem sendo investigada desde 2019”, explicou o promotor de justiça Pablo Hernandez Viscardi, coordenador do Grupo de Atuação Especial do Meio Ambiente (GAEMA/MPE).

A Promotora de Justiça de Guajará-Mirim, Naiara Ames De Castro Lazzari, explica que a ação objetiva ainda frear as condutas violentas praticadas pelo grupo criminoso na região, onde realizaram diversos ataques armados contra servidores das forças de segurança pública e órgãos de fiscalização ambiental

Em dezembro de 2021, um servidor da Secretaria de Desenvolvimento Ambiental (SEDAM) chegou a ser baleado durante confronto no parque estadual Guajará-Mirim. 

  • Cristiane Prizibisczki

    Cristiane Prizibisczki é Alumni do Wolfson College – Universidade de Cambridge (Reino Unido), onde participou do Press Fellow...

Leia também

Notícias
9 de setembro de 2022

Candidato ao governo de RO defende “respeito aos garimpeiros”

Caso seja eleito governador de Rondônia, uma de suas primeiras medidas será buscar formas para legalizar o garimpo na região e em todo o país

Notícias
13 de julho de 2022

Rondônia tenta enfraquecer proteção ambiental mudando lei do zoneamento no estado

Governo rondoniense cria novo grupo para discutir proposta de mudança no ZEE dentro da Secretaria de Desenvolvimento. Legislativo desfigurou projeto anterior

Reportagens
21 de junho de 2022

Como morrem as unidades de conservação no Brasil – Rondônia na vanguarda do retrocesso

Série especial realizada em parceria com o Centro para Análise de Crimes Climáticos revela vulnerabilidade das áreas protegidas estaduais frente ao poder público local

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.