Notícias

Ser humano provoca metade das mortes de raposas-do-campo

Monitoramento é realizado por pesquisadores da Universidade Federal de Goiás, fora de Unidades de Conservação. Espécie é endêmica do Cerrado

Vandré Fonseca ·
16 de julho de 2017 · 5 anos atrás
Raposinha do campo (Lycalopex vetulus). Foto: Wikipédia.
Raposinha do campo (Lycalopex vetulus). Foto: Wikipédia.

O ser humano é responsável por quase metade das mortes de raposas-do-campo (Lycalopex vetulus) que ocorrem foram de unidades de conservação. Além disso, a maioria dos animais morrem antes de oito meses de idade. As informações foram obtidas graças ao monitoramento da espécie, realizado pela Universidade Federal de Goiás (UFG).

Entre as causas estão o envenenamento ou o aterramento de tocas com filhotes, de acordo com o biólogo Frederico Gemésio Lemos, responsável pelo programa de monitoramento e professor da UFG. Mas ainda ocorre o abate de animais, segundo ele. O estudo indica que a espécie corre o risco de extinção.

O grupo de pesquisa da UFG monitora raposas-do-campo em fazendas, no município de Cumari, sul de Goiás, que carregam colares com radiotransmissores e brincos de identificação. Com o estudo fora e Unidades de Conservação, os pesquisadores podem conhecer, por exemplo, como a espécie interage com outras espécies e se é vítima de agressões cometidas pelo ser humano.

Os estudos avaliam também o papel dos machos na criação de filhotes, responsáveis por cuidar e levar comida, além de defender o grupo de agressores. As fêmeas passam a noite alimentando ou amamentando, em intervalos de até duas horas, os filhotes. A pesquisa é financiada pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e inclui ações na divulgação da raposinha em escolas, órgãos ambientais regionais, estaduais e federais, e na internet.

A raposa-do-campo é um dos menores canídeos do mundo e ocorre apenas no Cerrado brasileiro. Apenas 20% da área ocupada originalmente pela espécie mantém as condições naturais originais. Embora seja classificada na categoria menos preocupante pela União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN), está na lista vermelha nos estados de São Paulo e Paraná. Na lista nacional, a espécie é classificada como Vulnerável.

 

Leia Também 

Acorda, Raposa!

No rastro dos mamíferos que sobrevivem no Cerrado

Dia 03 – O encontro com a raposa Flávia e sua prole

 

Leia também

Reportagens
24 de abril de 2013

Dia 03 – O encontro com a raposa Flávia e sua prole

A dócil raposinha não deu trabalho durante os procedimentos de captura e medições. O desafio agora era encontrar seus dois filhotes.

Reportagens
22 de abril de 2013

No rastro dos mamíferos que sobrevivem no Cerrado

Pesquisadores estão em Goiás, em uma região de pecuária, tentando entender como os animais sobrevivem em um meio que o homem já tomou.

Notícias
28 de novembro de 2013

Acorda, Raposa!

Neste animal da semana, conheceremos a raposa-do-campo, outro dos animais encontrados na busca pelo Zogue-zogue-de-rabo-vermelho.

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 2

  1. Anderson Bueno diz:

    Se puderem por favor colocar a foto original sem recortes com o autor, eu agradeço, pois foi muito trabalhoso conseguir uma foto da raposa a noite sendo que há pouquíssimas na natureza. Obrigado.


  2. paulo diz:

    Dedão do grande Humano. Quanta arrogância.