Notícias

Acorda, Raposa!

Neste animal da semana, conheceremos a raposa-do-campo, outro dos animais encontrados na busca pelo Zogue-zogue-de-rabo-vermelho.

Redação ((o))eco ·
28 de novembro de 2013 · 8 anos atrás

Uma desconfiada raposa-do-mato (Lycalopex vetulus) fotografada na MT-241, a nordeste de Nobres, Mato Grosso. Foto: Wikimedia Commons
Uma desconfiada raposa-do-mato (Lycalopex vetulus) fotografada na MT-241, a nordeste de Nobres, Mato Grosso. Foto: Wikimedia Commons

A raposa-do-campo (Lycalopex vetulus ou Pseudalopex vetulus) é a única espécie de canídeo brasileiro endêmica do Cerrado, comum nos campos e platôs do estados de Mato Grosso, Goiás, Minas Gerais e São Paulo. Se o leitor é destas regiões e não reconhece o nome, talvez o conheça por outro: também é conhecida como raposinha-do-campo, cachorro-de-dentes-pequenos ou jaguapitanga.

Um dos menores cachorros selvagens brasileiros, pesa de 2,7 a 4 kg e tem de 58 a 64 cm de comprimento, além da cauda que se estende por mais 32 cm, em média. Sua pelagem é curta com coloração cinza claro nas porções nas costas e cinza-amarelado na barriga, motivo pelo qual ganha o nome de raposa grisalha, em inglês (hoary fox). As orelhas e patas são levemente avermelhadas. A cauda possui pelos longos. Para o olho destreinado, a raposa-do-campo é muito parecida com outros dois canídeos do Cerrado, o cachorro-do-mato (Cerdocyon thous) e o graxaim-do-campo (Lycalopex gymnocercus).

Como diferenciá-los? Apesar das semelhanças na coloração destas espécies, a identificação das mesmas deve levar em conta os detalhes: a raposa-do-campo tem uma mancha negra na base da cauda, característica peculiar a todas as espécies do gênero Lycalopex, além da ponta da cauda negra, que o diferenciam do cachorro-do-mato. Com relação ao graxaim-do-campo, a diferença está no tamanho, já que este é maior que a raposa-do-campo, com a cabeça, o focinho e o peito mais largos e robustos.

A raposa-do-campo é um animal com sentidos bastante aguçados e por isso muito atento ao que ocorre ao seu redor. E precisa ser, já que a espécie tem hábitos crepusculares-noturnos: inicia suas atividade após o pôr do sol e termina ao amanhecer. É neste período que sai a caça suas presas: um carnívoro insetívoro-onívoro, utiliza cupins como a base de sua alimentação. Também consome, em menores proporções, besouros e gafanhotos e, conforme a disponibilidade, frutos silvestres e exóticos, pequenos mamíferos, lagartos e cobras, anuros e aves.

São animais normalmente solitários, exceto, claro, na época de reprodução que ocorre no início do outono. Fiéis, formam pares reprodutivos durante a estação de acasalamento que permanecem juntos durante a criação dos filhotes. A fêmea escolhe um local protegido, geralmente uma toca abandonada de tatu-peba (Euphractus sexcinctus). Após cerca de dois meses de gestação, dá à luz de 2 a 5 filhotes que nascem geralmente de julho a agosto.

As fêmeas amamentam os filhotes até os 4 meses de vida, podendo permanecer com eles por 2 a 4 meses e eventualmente mais tempo. Geralmente tímidas, nesta época inicial as raposas irão agressivamente defender seus filhotes. Entre nove e 10 meses de idade, as jovens raposas deixam seus pais e começam a estabelecer seus próprios territórios, às vezes próximos à área onde passaram seus primeiros meses de vida.

O Cerrado é um bioma sob alta pressão de atividade humana e com menos de 20% de sua área original ainda em estado primitivo. Por depender do seu ambiente, isto se reflete numa perda populacional equivalente para a espécie. Também, a Lycalopex vetulus sofreu e sofre perdas importantes decorrentes de atropelamento, predação por cães domésticos, doenças, retaliação à equivocada percepção de que o animal ataca animais domésticos, e alta mortalidade de filhotes/juvenis. Numa estimativa conservadora, o declínio populacional até agora – os últimos 15 anos – se aproxima dos 30% e talvez atinja esta marca num futuro próximo.

Ainda assim, a espécie não está incluída na lista brasileira oficial de espécies ameaçadas de extinção. E por esta razão não há planos de conservação que a envolvam. Recentemente (outubro/2013), uma avaliação de especialistas, coordenada pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, a categorizou como Vulnerável. Para a IUCN, a raposa-do-campo é considerada Pouco Preocupante (LC) porque aparenta ser relativamente comum e localmente abundante na área central de sua distribuição, além de exibir certa adaptabilidade a distúrbios causados pela ação humana. Esta avaliação entretanto, como todas acerca da espécie, foi baseada em estimativas pouco precisas sobre o tamanho e dinâmica populacionais.

Diante deste quadro, a raposa parece bem desperta, não? Quem deve acordar somos nós.

*Artigo editado em 02/05/2014 às 17h00.

 

 

Leia também
Sovi, o gavião de chumbo
Caranguejo-Amarelo em Alerta
“Uma verdadeira jararaca”

 

 

 

Leia também

Notícias
20 de outubro de 2021

INPE não tem recursos garantidos para pagamento de água e luz até final do ano

Destinação de R$ 5 milhões pela AEB deu um respiro ao Instituto, mas órgão ainda aguarda verba de outras fontes para honrar despesas de funcionamento até dezembro

Notícias
19 de outubro de 2021

Adote um Parque ganha nova fase com unidades de conservação da Caatinga

Nova etapa do programa de adoção das UCs criado por Salles terá foco em trilhas e incluirá dez áreas protegidas da Caatinga, entre elas, os parques nacionais da Chapada Diamantina e de Jericoacoara

Notícias
18 de outubro de 2021

Websérie traz o elo entre o ser humano e a natureza do Rio de Janeiro

Personagens que possuem uma conexão especial com a paisagem natural da cidade são apresentados na websérie do documentarista e fotógrafo carioca, Rafael Duarte

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta