Reportagens

Parque em gestação

Estudando a flora de Miguel Pereira (RJ), universitário viu sua pesquisa ser ameaçada pelas motosserras. Agora lidera movimento pela preservação do lugar.

Francisco Luiz Noel ·
12 de maio de 2005 · 17 anos atrás

Um inventário das plantas predominantes em florestas de Miguel Pereira rompeu os limites acadêmicos da botânica e fez rebrotar o movimento pela a criação de um parque ecológico no município, que fica no centro-sul fluminense, a 120 quilômetros do Rio.

Com mais de mil hectares, a área é formada por remanescentes da Mata Atlântica e por floresta regenerada desde a década de 1950, com o fim das lavouras de café. Pelo pedaço de verde se batem, de um lado, defensores da conservação e, de outro, proprietários que querem derrubar a mata para fazer loteamentos.

Celso Fraga, 21 anos, estudante de Engenharia Florestal, dedicava-se à coleta e identificação das espécies vegetais da região quando, no fim de janeiro, teve que interromper o trabalho por motivo de força maior: a resistência dos proprietários-desmatadores. O problema não era só a dificuldade de acesso. O ritmo de derrubada das árvores fez Celso temer que as partes da mata pesquisadas não estariam mais de pé na hora de redigir suas conclusões, o que privaria o trabalho de comprovação acadêmica.

Aluno do sexto período na Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ) e estagiário do Jardim Botânico carioca, Celso passou a relatar a conhecidos a gravidade da devastação, que só pode ser testemunhada por quem percorre o lugar, apesar da proximidade com o centro da cidade. Situadas num maciço entre a zona urbana e a rural, nas localidades de Retiro das Palmeiras e Morro do Parapente, as florestas têm jequitibás com mais de 30 metros de altura por 2 de diâmetro e grande variedade de orquídeas, além de mais de 80 espécies de aves e mamíferos como o tamanduá-mirim e o cachorro-do-mato.

À medida que o estudante compartilhava sua preocupação, crescia a idéia de criar um parque municipal para proteger a área. “Achei que fazia só um trabalho científico, mas a idéia do parque foi tomando corpo”, conta Celso. Por ironia, uma parte da floresta ameaçada pertencera à sua família até ser vendida pela avó, por problemas financeiros, a um loteador. A propriedade é justamente a mais ameaçada pelas motosserras.

Conhecido por substituir matas por loteamentos sem infra-estrutura, o construtor Mário Lúcio Leite derrubou árvores e abriu estrada para acesso aos lotes que pretende vender. Foi contido e multado, no início do ano, por fiscais do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama). Mas a ameaça de devastação continua pairando sobre a área de Mata Atlântica, pondo em risco nascentes e riachos que deságuam no rio Santana, afluente do Guandu, que abastece o Grande Rio.

A mobilização em favor do Parque Municipal de Miguel Pereira, como já é chamado por seus defensores, ganhou a adesão da ong Instituto Terra de Preservação Ambiental, que atua há sete anos na região. “Estamos conseguindo potencializar uma idéia antiga do instituto”, diz um de seus diretores, Maurício Ruiz. A ONG planeja iniciar, ainda em maio, o trabalho de delimitação da área que quer ver convertida em unidade de conservação, com a ajuda de equipamento de GPS (Global Positioning System) e imagens de satélite.

Ruiz diz que a criação do parque deve integrar o projeto de um corredor de biodiversidade entre a Reserva Biológica do Tinguá e o Parque Nacional da Serra da Bocaina, envolvendo ações em nove municípios.

Os defensores do parque já discutem as modalidades de proteção que seriam implementadas. A sugestão mais bem aceita é que uma parte seja aberta à visitação e a atividades esportivas e ecoturísticas, e outra fechada ao público – uma zona-núcleo com a parte da Mata Atlântica mais conservada.

Mesmo em fase de planta nova, a idéia vem angariando simpatizantes rapidamente. “Muitas agressões ao meio ambiente têm ocorrido em todo o município e a atividade econômica na região está muito debilitada. O parque poderia ser uma solução para esses problemas, fortalecendo também nas novas gerações a necessidade da preservação”, diz o presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Miguel Pereira e Paty do Alferes, Leôncio Lameira de Oliveira. O comerciante acredita que a mobilização tende a crescer entre a população.

A prefeitura já foi acionada. Secretária municipal de Meio Ambiente, Kathia Harnam afirma que o governo empossado em 1º de janeiro vê com bons olhos a movimentação. “Mas tudo ainda é um desejo que não se apresentou de forma concreta. Estamos dispostos a avaliar todos os projetos de áreas de conservação”, ressalta. Empenhada em tirar do papel a Área de Proteção Ambiental (APA) do Rio Santana, criada em 2004, Kathia lamenta que o dinheiro é curto.

Ele será necessário para desapropriar as terras do parque municipal. Os proprietários ali são pelo menos sete. “Dois querem destruir, um quer vender e os outros quatro querem preservar”, Celso Fraga faz as contas. Para os preservacionistas, ele sugere a criação de Reservas Particulares do Patrimônio Natural (RPPN). Se isto acontecesse, sobrariam somente três terrenos a serem desapropriados, mas a prefeitura não promete nada. “Nossa prioridade emergencial é resolver o problema do lixo”, avisa Kathia Harnam.

Por jogar dez toneladas de lixo todos os dias em encosta da Mata Atlântica, a Prefeitura recebe multas diárias do Ibama. O vazadouro está na área da Reserva do Tinguá que pertence a Miguel Pereira, por onde se estende também, no outro extremo do município, a Reserva Biológica de Araras. Uma solução para o descalabro ambiental causado pelo lixo, cogitada pela Prefeitura, pode ser um consórcio com o município vizinho Paty do Alferes, que possui usina de compostagem.

Enquanto não sai uma proposta oficial de criação do Parque Municipal de Miguel Pereira, a pressão sobre a floresta segue em frente. No início de maio, ao visitar o lugar, Celso Fraga viu que o dono recente da área que abrange o Morro do Parapente mandou fincar cercas em suas divisas. O nome do morro não é por acaso, mas agora os esportistas terão trabalho para continuar decolando da montanha, que oferece visão panorâmica da cidade. Mais um grupo que deve apoiar o parque.

* Francisco Noel é jornalista e mora em Petrópolis (RJ). Trabalhou por dez anos no Jornal do Brasil e por três no O Dia, até partir para um vôo solo, no qual O Eco é um dos pousos.

Leia também

Notícias
19 de janeiro de 2022

Com pedido de Wassef, Justiça libera madeira apreendida em operação histórica

O advogado da família Bolsonaro conseguiu a liberação de madeira e bens da empresa MDP Transportes, uma das afetadas pela operação da PF que resultou na maior apreensão de madeira já feita

Salada Verde
18 de janeiro de 2022

Em evento, Bolsonaro comemora redução de 80% das multas do Ibama

“Nós reduzimos em mais de 80% as multagens no campo”, disse o presidente, que creditou ao ex-ministro Salles e à ministra da Agricultura, Teresa Cristina, as boas medidas para o campo

Salada Verde
18 de janeiro de 2022

MPF se pronuncia contra decreto que permite destruição de qualquer caverna

Câmara de Meio Ambiente do Ministério Público Federal (4CCR) diz que norma desrespeita princípios constitucionais. Governo publicou decreto na semana passada

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta