Reportagens

A Propaganda e a realidade

Incra criou em área de mata nativa em Santa Catarina um assentamento que era para ser ecológico e produzir orgânicos. Os assentados desmataram a área e alguns hoje produzem fumo.

Eunice Venturi ·
24 de agosto de 2007 · 15 anos atrás

Era para ser um assentamento ecológico, referência para o Brasil em cidadania e produção orgânica. Um lugar onde os moradores viveriam em plena harmonia com o meio ambiente. Promessa garantida de qualidade de vida para 12 famílias do campo. Mas tudo aconteceu ao contrário.

Em 2001, o Instituto Nacional Colonização e Reforma Agrária (Incra) resolveu transformar em assentamento uma propriedade que havia adquirido 15 anos antes. A área situa-se no planalto norte de Santa Catarina, em Itaiópolis. Às vésperas do município completar 100 anos, O Eco visitou o assentamento.

Há cinco anos o Ibama recebeu uma denúncia, foi até o local e aplicou autos de infração pela degradação constatada durante a visita. Dos 155 mil metros quadrados do imóvel do Incra, quase um terço (42 mil metros quadrados) foi desmatado. Trata-se de uma área com cobertura florestal nativa de mata atlântica, em estágios médio e avançado de regeneração natural. Na ocasião, o Incra firmou parceria com a Associação de Reflorestamento e Recuperação Ambiental (Aroma). A Aroma é uma organização não-governamental sediada em Itaiópolis, a quem coube a elaboração do plano de viabilidade técnica e econômica.

Procurado por O Eco, o responsável pela ONG Aroma, não quis se pronunciar. Mas, em abril de 2002, Ministério Público, Ibama e a Polícia Ambiental inspecionaram a região desmatada e proibiram a continuidade do desmatamento. Houve diversas irregularidades. A Fundação de Meio Ambiente (Fatma) emitiu a licença no dia 19 de novembro de 2001 para área em estágio inicial de regeneração, mas tratava-se de estágios médio e avançado.

Já o Incra foi autuado pela implantação do projeto com a supressão dos 42 mil hectares de área e pelo corte de espécies ameaçadas de extinção, como o pinheiro brasileiro (araucária augustifolia), a canela sassafrás (ocotea pretiosa), a imbuia (ocotea porosa) e o xaxim (dicksonia sellowiana). Em 2002, o Incra pronunciou-se ao Ministério Público dizendo que o projeto “respeitava principalmente o meio ambiente”.

Abandono

Nascido em Itaiópolis, o ambientalista Germano Woehl acompanhou todo o processo e lamentou muito o projeto conduzido pelo Incra: “O laudo produzido pelo Ibama relatou fielmente a devastação causada na implantação do assentamento, com abate de espécies ameaçadas e também da destruição do ecossistema “mata de araucárias” que era preservada e uma raridade”.

Na opinião de Woehl, os prejuízos causados pela destruição da mata são incalculáveis e quem arca com isso é a sociedade, as gerações futuras. Não foi só o meio ambiente que perdeu. Quando as doze famílias foram morar no assentamento, assinaram um contrato comprometendo-se a somente trabalhar nas terras.

Foi o que fez a família de Wilson e Solange Kruger. Ele, pedreiro, abandonou a profissão para tornar-se agricultor orgânico. Os Kruger acreditaram na proposta de sobreviver com renda obtida da própria terra. Sem instrução não sabiam que a área onde foram morar não poderia ser desmatada. Wilson voltou a construir casas.

A esposa Solange, assim como o marido, acreditou que podiam viver melhor trabalhando na lavoura, mas os problemas foram inevitáveis. Solange relata: “Nós passamos muita “necessidade” no início. E ninguém podia ajudar ninguém, os vizinhos estavam na mesma situação. Sem trabalho, sem comida, sem sustento. O jeito foi arrumar um emprego fora”.

A família Kruger preferiu buscar outro sustento, a viver mais irregular ainda no assentamento, ou seja, a continuar a desmatar. Três, das doze famílias, partiram para a agricultura tradicional, plantando fumo. A reportagem de O Eco não foi autorizada a conhecer a plantação. As espécies ameaçadas de extinção não foram recuperadas. Segundo Kruger, a floresta de pínus que existe em uma parte do terreno está sendo cortada para servir de renda às famílias. Árvores nativas estão sendo plantadas.

O assentamento em Itaiópolis, ora denominado “ecológico”, não cumpriu seu papel social e afetou drasticamente o meio ambiente. Hoje, algumas famílias abandonaram o desejo de trabalhar no campo e outras continuam desmatando. Marcone Lima, chefe do setor de desenvolvimento do Incra, em Santa Catarina, garante que a instituição não desenvolve projetos que não cumpram o que determina a legislação ambiental.

Sobre o caso específico de Itaiópolis, Lima não soube esclarecer algumas dúvidas, pois desde então houve troca de governo e o caso ficou no “passado”. Além disso, os técnicos responsáveis pela área de meio ambiente e pelos assentamentos na região de Itaiópolis ficaram em greve por dois meses. Mas Lima acrescenta: “Nós estamos trabalhando de acordo com o plano nacional de reforma agrária proposto pelo Governo Lula, cuja base é o desenvolvimento sustentável”.

*Eunice Venturi é jornalista em Santa Catarina.

  • Eunice Venturi

    Eunice Venturi é jornalista, catarinense de formação. Experiência na produção de conteúdos sobre a Amazônia e a Mata Atlântica.

Leia também

Reportagens
17 de maio de 2022

Amazônia tem mais de 425 mil famílias sem energia elétrica

Brasil avança na universalização da energia, mas população de áreas remotas da Amazônia ainda demandam acesso à eletricidade. Pandemia atrasou cronograma

Notícias
17 de maio de 2022

Para beneficiar pecuária, Acre reduz em até 80% imposto sobre comercialização de gado

ICMS a ser pago por pecuaristas acreanos cai de 12% para 2,4% na venda para alguns estados. Medida pode resultar em mais desmatamento, diz pesquisadora

Análises
17 de maio de 2022

Oportunidades e desafios para a implementação do Código Florestal brasileiro

A lentidão na implementação do Código Florestal representa o desperdício de uma valiosa oportunidade de transformar o uso da terra no Brasil

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta