Reportagens

Esta seca promete

A seca na Amazônia Legal começa a ganhar força com umidade do ar em queda. Chuvas generosas em 2009 fizeram vegetação crescer, mas deixam áreas vulneráveis a grandes incêndios.

Redação ((o))eco ·
26 de abril de 2010 · 12 anos atrás
Concentração de focos de calor em 2009. Clique para ampliar. (Fonte: Ibama/Prevfogo)
Concentração de focos de calor em 2009. Clique para ampliar. (Fonte: Ibama/Prevfogo)

O mês é de abril, mas boa parte do Mato Grosso já vive períodos de secura como se já estivesse no auge da estiagem. Desde que as chuvas mais fortes cessaram no início do mês a queda da umidade tem incentivado incendiários de plantão em áreas rurais e urbanas. Em boa parte da Amazônia Legal, os incêndios ainda tardam, mas não muito. As chuvas que cairam antes do previsto no ano passado tornaram a última seca menos dramática e permitiram o crescimento rápido da vegetação dentro e fora de unidades de conservação. Há, portanto, combustível de sobra para queimar nesta temporada, o que exigirá das equipes de brigadas mais investimentos e eficiência.

De acordo com o último boletim de monitoramento de fogo na Amazônia Legal, produzido pelas equipes do Prevfogo/Ibama, foram observados focos de calor no dia 22 de abril nos estados do Pará, Mato Grosso e Amazonas.

Leia também

Notícias
21 de janeiro de 2022

Em discurso de pré-candidatura, Ciro Gomes defende economia de baixo carbono

Durante a Convenção Nacional do PDT, o pré-candidato diz que a pauta ambiental é um instrumento de proteção dos ecossistemas e uma oportunidade de investimento

Análises
21 de janeiro de 2022

O Agro quer seguro rural, mas precisa mesmo é do Código Florestal

Sem cumprir as leis ambientais e sofrendo com mudanças climáticas, lideranças do Agro se mobilizam para ampliar o seguro rural com dinheiro público. Rios e florestas seguem em agonia. Moro já aderiu

Reportagens
21 de janeiro de 2022

Brasil registra recorde de extremos de chuva no início do verão

Entre 1º e 31 de dezembro de 2021, a equipe técnica do Cemaden emitiu 516 alertas de risco de desastres, como deslizamentos, inundações e enxurradas, para os 1.058 municípios monitorados

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta