Reportagens

Por uma mobilidade mais inteligente

Seminário no Rio de Janeiro levanta uma série de medidas para melhorar a eficácia dos transportes urbanos. Ideias e tecnologia para isto já existem. 

Felipe Lobo ·
27 de maio de 2010 · 12 anos atrás

O seminário Sistemas Inteligentes de Transportes: gerenciamento para deixar o carro na garagem
O seminário Sistemas Inteligentes de Transportes: gerenciamento para deixar o carro na garagem
Rio de Janeiro – No dia em que o Rio de Janeiro enfrentou mais uma greve de ônibus (segunda-feira), o Centro de Convenções da Bolsa de Valores recebeu a abertura do seminário Sistemas Inteligentes de Transportes (ITS, na sigla em inglês), que terminou nesta terça-feira. A coincidência não poderia ser mais curiosa, já que a intenção do encontro era, justamente, levantar estratégias para otimizar a circulação de veículos nas vias do estado em vistas dos grandes eventos agendados para os próximos anos – em especial, é claro, a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016. Embora interessantes, serão necessárias muitas mudanças estruturais para atingir as possibilidades trazidas pelos palestrantes.

A novidade do dia, no entanto, ficou por conta do anúncio de que, na última quarta-feira (26), começaria a rodar nas ruas da cidade o primeiro ônibus movido a biodiesel. De acordo com Waldir Peres, da secretaria Estadual de Transportes, o veículo desenvolvido pela Coppe/UFRJ vai rodar durante um ano. Após este período, serão analisados os benefícios alcançados, como a redução nas emissões de carbono, e também os possíveis problemas. Vale lembrar que o Comitê Olímpico Internacional (COI) assinou um contrato no qual exige biocombustível em 20% da frota de ônibus durante os jogos. “É uma possibilidade futura, e não imediata. Mas temos que mostrar a nossa capacidade. Os automóveis podem levar a uma esquizofrenia urbana”, disse.

Ainda longe do estado fluminense, ao menos em sua íntegra, o ITS abrange todas as áreas de mobilidade urbana, ao menos no que diz respeito a transportes motorizados. Paulo Cézar Ribeiro, engenheiro da Coppe e um dos organizadores do evento, explicou que o gerenciamento é uma das palavras-chave para a transformação do sistema. Isto significa, por exemplo, tornar o transporte público mais atrativo do que o privado, para que os usuários sintam maior benefício em deixar os carros na garagem.

Há diversos caminhos para alcançar este objetivo. Um deles é reduzir o atraso das pessoas, seja com a análise imediata de incidentes em vias expressas – e o acionamento de serviços apropriados, como bombeiros, emergência ou polícia –, o que ajuda a liberá-las em mínimo tempo, ou serviços de informação sobre os horários em que as linhas de ônibus passarão pelos pontos. A partir do GPS, que será obrigatório na nova licitação de veículos coletivos, é possível saber quantos passageiros há em cada um, quais os carros com problemas técnicos e assim por diante.

“O sistema semafórico é uma ajuda, porque reduz ou aumenta o tempo do sinal verde de acordo com a demanda, e deixa o trânsito fluir mais. O “ramp meeting”, por sua vez, regula o número de veículos que entra em determinada via, para que a sua capacidade máxima não seja suplantada nunca. Os carros também podem receber alternativas de rotas para que escolham a de menor congestionamento, e até os estacionamentos públicos podem enviar informações para os veículos se têm ou não vaga, fato que diminui a quilometragem rodada”, explicou Paulo Cézar.

Tecnologias e recursos garantidos

José Lobo, presidente da Transporte Ativo, organização da sociedade civil de apoio aos transportes movidos à propulsão humana.
José Lobo, presidente da Transporte Ativo, organização da sociedade civil de apoio aos transportes movidos à propulsão humana.
As tecnologias para todas as medidas propostas, diz o engenheiro da Coppe, já existem. O que falta é um maior preparo da cidade, com sensores nas vias e informações dinâmicas. Ainda, segundo ele, não existem pesquisas para delimitar o volume de carbono evitado caso as propostas sejam implantadas. Mas sabe-se, no entanto, que, quanto menores as distâncias percorridas, também reduzidas serão as emissões de gases de efeito estufa.

Outro fato é que os carros parados no trânsito tendem a queimar mais combustível fóssil. Recursos para isto, existem. Basta que sejam bem empregados. De acordo com pesquisa do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento, divulgada pelo Ministério das Cidades, 80% dos 100 bilhões de reais destinados para a preparação dos jogos olímpicos no país serão usados para projetos de mobilidade urbana.

Durante o seminário, outra boa notícia foi anunciada por Sergio Lobo, assessor do diretor da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT): a criação de um Centro Nacional de Supervisão Operacional. A principal meta é ampliar o uso de ITS, através de Painéis Variáveis de Informação, para dar maiores informações sobre trânsito e situação das vias para os motoristas. A interligação entre os diversos tipos de transporte também foi um tema recorrente.

Embora a intenção seja positiva, não é a resposta para os problemas da mobilidade urbana. Pelo menos é o que pensa José Lobo, presidente da Transporte Ativo, organização da sociedade civil de apoio aos transportes movidos à propulsão humana. Para ele, é mais uma medida paliativa que pode, sim, ajudar, mas não resolve a raiz de um problema estrutural. Lobo concorda, porém, que se o transporte público for mais benéfico do que o particular, o fluxo vai ficar muito melhor.

“Acho super interessante, dá para solucionar diversos imbróglios, mas soluciona apenas por um determinado tempo. Primeiro, é muito difícil garantir que o ônibus chegará ao ponto na hora certa, em todos os dias. E sugerir rotas alternativas para os carros é ótimo, mas só até o momento em que todos a descobrirem. Aí, volta o problema. É preciso fazer uma integração dos transportes coletivos com a bicicleta, skate, patins”, finaliza.

  • Felipe Lobo

    Sócio da Na Boca do Lobo, especialista em comunicação, sustentabilidade e mudanças climáticas, e criador da exposição O Dia Seguinte

Leia também

Reportagens
17 de maio de 2022

Amazônia tem mais de 425 mil famílias sem energia elétrica

Brasil avança na universalização da energia, mas população de áreas remotas da Amazônia ainda demandam acesso à eletricidade. Pandemia atrasou cronograma

Notícias
17 de maio de 2022

Para beneficiar pecuária, Acre reduz em até 80% imposto sobre comercialização de gado

ICMS a ser pago por pecuaristas acreanos cai de 12% para 2,4% na venda para alguns estados. Medida pode resultar em mais desmatamento, diz pesquisadora

Análises
17 de maio de 2022

Oportunidades e desafios para a implementação do Código Florestal brasileiro

A lentidão na implementação do Código Florestal representa o desperdício de uma valiosa oportunidade de transformar o uso da terra no Brasil

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta