Salada Verde

Procurando Nemo

Projeto une petroleiras e instuições de pesquisa no mapeameto de formas de vida nas profundezas dos oceanos.

Salada Verde ·
9 de fevereiro de 2010 · 12 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

 

O esquisitão oarfish pode atingir até 17 metros. foto: Divulgação / O Eco
O esquisitão oarfish pode atingir até 17 metros. foto: Divulgação / O Eco

Todo biólogo marinho deve querer por as mãos no equipamento utilizado por empresas petroleiras para inspecionar plataformas e operações de perfuração. Submarinos com câmeras operados remotamente (ROVs), capazes de descer a milhares de metros de profundidade, são brinquedos muito mais acessíveis a uma grande petroleira do que à maioria das universidades. O Serpent Project nasceu exatamente da colaboração entre empresas como a Statoil, Chevron, Total e British Petroleum, seus prestadores de serviços e instituições de pesquisa como National Oceanography Centre, Southampton, Louisiana State University, University of Sydney e University of Wollongong. O objetivo é explorar áreas a grandes profundidades cuja biologia é praticamente desconhecida. A última façanha do projeto foi filmar o enigmático oarfish (foto) no Golfo do México. Uma galeria com outras criaturas documentadas pelo projeto, em locais como a Mauritânia e a Venezuela, pode ser vista aqui. Não seria incrível ver este tipo de pesquisa acontecendo no Brasil?

Leia também

Notícias
26 de novembro de 2021

Informação obtida via LAI revela que MCTI recebeu dados do desmatamento em 1º de novembro

Ministro Marcos Pontes disse que dados não foram publicados antes da Conferência do Clima porque ele estava de férias. Agenda oficial registra férias entre 8 e 19 de novembro

Notícias
26 de novembro de 2021

Jornalismo digital brasileiro se une em campanha de financiamento

Ação reúne 26 organizações com objetivo de arrecadar doações para fortalecimento do jornalismo digital de qualidade

Reportagens
26 de novembro de 2021

MPF pede anulação da Licença de Instalação do Linhão Tucuruí na terra Waimiri Atroari

Ação aponta que União e a Transnorte agem ilegalmente no licenciamento da obra. Autossuficientes em energia elétrica, os Waimiri Atroari são contra o empreendimento e sentem “a floresta sangrar”

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta