Salada Verde

Nas altitudes do Caparaó

Após uma caminhada no breu da noite, o espetáculo do nascer do sol no terceiro ponto mais alto do Brasil e as belezas de um parque nacional entre MG e ES. Veja fotos.

Salada Verde ·
5 de abril de 2010 · 12 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

O fim de semana não começou com grandes promessas. Depois de intermináveis horas de chuva e engarrafamentos dentro de um ônibus entre Brasília e a mineira Alto Caparaó, a neblina ainda subia espessa pelas serras, espalhando o chuvisqueiro sobre os 3,7 quilômetros de trilha até o Terreirão. No local fica o acampamento-base para se alcançar o terceiro ponto mais alto do Brasil, e um dos mais facilmente acessíveis.

Complicando o panorama, a noite de sábado trouxe chuva forte. Mas, ao acordarmos, passando pouco das duas da manhã, São Pedro havia dado uma trégua e partimos para vencer mais 3,2 quilômetros a pé, rompendo o breu da noite com as lanternas de cabeça. Por volta das cinco da madrugada, finalmente pisamos nos 2.892 metros do pico da Bandeira. Um pouco do espetáculo do sol nascente você vê nas imagens acima.

O cume fica dentro do Parque Nacional do Caparaó, entre os estados de Minas Gerais e Espírito Santo, onde no século dezenove Dom Pedro II mandou cravar uma bandeira, pensando se tratar do local mais alto do país. A serra do Caparaó é uma espécie de prolongamento da Serra da Mantiqueira, outro grande atrativo para aventureiros. A região hoje muito aproveitada para o turismo e cultivo de café foi no passado palco da guerrilha do Caparaó, movimento esquerdista armado que bateu de frente com o regime militar, até ser defenestrado.

Criado em 1961, o parque tem hoje infraestrutura incomum para unidades federais de conservação, contando com sede, portaria, caminhos calçados onde é necessário, trilhas sinalizadas, banheiros (imundos no feriadão) com chuveiros e até serviços de transporte com jipe e mulas. Mais informações sobre a área protegida, aqui.

Leia também

Análises
27 de janeiro de 2022

Um lugar para as onças da Mata Atlântica na Década da Restauração

A Mata Atlântica é um pacote completo, com onças e tudo; é preciso urgentemente nos conscientizarmos que uma floresta sem bichos não tem futuro

Colunas
26 de janeiro de 2022

O que você levaria se tivesse que abandonar sua casa em 1 minuto?

Migração forçada por causa de fatores climáticos serão cada vez mais frequentes e atingirão mais pessoas. É preciso focar em políticas públicas para mitigar seus impactos

Reportagens
26 de janeiro de 2022

Especialistas criticam medidas de curto prazo adotadas contra a estiagem no Rio Grande do Sul

Governo estadual e representantes do agronegócio pedem recursos para cobertura de prejuízos, abertura acelerada de poços artesianos e até barramentos em áreas de preservação permanente

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Leandro Travassos diz:

    …na Serra dos Órgãos e principalmente na Reserva Biológica do Tinguá, que ainda possui uma população de queixada (Tayassu pecari) e veado mateiro (Mazama americana).