Salada Verde

Fotos ajudam a preservar

Pesquisadores britânicos acreditam que simples registros de aves podem representar um grande avanço no estudo de populações e evitar que se tornem ameaçadas.

Salada Verde ·
1 de junho de 2010 · 11 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

Espécie Arborophila torqueola encontrada na China e Índia (foto V_MotyEka)
Espécie Arborophila torqueola encontrada na China e Índia (foto V_MotyEka)

Pesquisadores querem a ajuda da população para evitar que pássaros hoje considerados comuns venham a ser ameaçados de extinção. E pedem um gesto bem simples, que imagens destes animais sejam registradas em websites especializados na internet. Para os pesquisadores, este é o caminho para se construir um grande banco de dados que pode ajudar a estabelecer quais espécies estão ameaçadas ou correm o risco de entrar nesta lista.

Um grupo de cientistas, liderado pela doutora Elizabeth Boakes, do Imperial College London, levantou 170 mil registros feitos nos últimos dois ?eculos de 127 espécies de galiformes, que incluem um terço das espécies de pássaros ameaçados de extinção. A conclusão é que faltam registros recentes sobre os pássaros mais comuns e os dados antigos estão ameaçados pela ação do tempo, falta de cuidados e dificuldade de acesso. O resultado da pesquisa foi publicado na edição desta terça-feira, 1o de junho, da PLoS Biology .

“Nós precisamos da ajuda de pessoas para registrar os pássaros que elas vêem, mesmo em lugares comuns, em websites de observadores de aves”, afirma a doutora Elizabeth Boakes. “Pessoas podem pensar que não estão ajudando ao registrar um pombo no centro de Londres, mas isto pode fazer uma grande diferença , porque não sabemos quais serão as espécies ameaçadas no futuro”, acrescenta.

Um quarto dos registros identificados pelos pesquisadores durante o levantamento foi obtido em museus, que têm grande valor para o estudo histórico da biodiversidade. No entanto, muitas instituições sofrem com a falta de verbas e não conseguem manter adequadamente as coleções. Na literatura, registros também estão ameaçadas pelo tempo. Além disto, muitos dos 20 registros literários encontrados pelos pesquisadores são de acesso restrito ou difícil.

Dados de websites onde o público registra imagens de pássaros ainda representam menos de 1% dos dados coletados pelos pesquisadores. Mesmo assim, eles acreditam que internet vai permitir que “cientistas-cidadãos” criem um grande impacto para o futuro da pesquisa sobre biodiversidade.

Elizabeth Boakes destaca a necessidade de websites buscarem e disponibilizarem informações mais precisas sobre os registros, inclusive com localização em mapa. De acordo com ela, sites que concentrem estas informações agilizam os estudos, já que a busca em páginas pessoais ou blogs pode tomar muito tempo. “Assim, nós podemos todos ajudar a criar um acessível, compreensível e permanente registro da biodiversidade”, adiciona a doutora Boakes.(Vandré Fonseca)

Leia também

Notícias
26 de novembro de 2021

Informação obtida via LAI revela que MCTI recebeu dados do desmatamento em 1º de novembro

Ministro Marcos Pontes disse que dados não foram publicados antes da Conferência do Clima porque ele estava de férias. Agenda oficial registra férias entre 8 e 19 de novembro

Notícias
26 de novembro de 2021

Jornalismo digital brasileiro se une em campanha de financiamento

Ação reúne 26 organizações com objetivo de arrecadar doações para fortalecimento do jornalismo digital de qualidade

Reportagens
26 de novembro de 2021

MPF pede anulação da Licença de Instalação do Linhão Tucuruí na terra Waimiri Atroari

Ação aponta que União e a Transnorte agem ilegalmente no licenciamento da obra. Autossuficientes em energia elétrica, os Waimiri Atroari são contra o empreendimento e sentem “a floresta sangrar”

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta