Salada Verde

Conservação do cerrado baiano

Criadouro conservacionista, Parque Fioravante Galvan abriga espécies nativas ameaçadas em trabalho de recuperação, manejo e educação ambiental.

Redação ((o))eco ·
21 de julho de 2010 · 11 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Cervo-do-Pantanal (Blastocerus dichotomus) espécie ameaçada presente no Parque Fioravante Galvani

Da união do Grupo Galvani e o Instituto Lina Galvani, o Parque Fioravante Galvani é o primeiro e único centro de conservação e educação ambiental da fauna e flora do cerrado baiano, localizado no município de Luis Eduardo Magalhães (BA).

O criadouro conservacionista do parque atualmente abriga 26 espécies de animais, como o cervo-do-pantanal, lobo-guará, ararajuba, tamanduá-bandeira, arara-azul-grande, além do bugio e gavião-caboclo, veado-catingueiro e arara-canindé. Os animais são adotados via trocas com zoológicos e criadouros legalizados e de apreensões realizadas pelo IBAMA.

O projeto e todo o trabalho desenvolvido pelo criadouro contam com aprovação e acompanhamento do IBAMA, inclusive programas de conservação, como o do cervo-do-pantanal, único programa totalmente brasileiro, coordenado por uma equipe de pesquisadores do Núcleo de Pesquisa e Conservação de Cervídeos (Nupecce) da UNESP de Jaboticabal/SP.
 
O trabalho de conservação visa fazer manter as mesmas características e variabilidade genéticas dos animais do cativeiro em relação às populações de ambientes naturais. O Centro de Triagem de Animais Silvestres do IBAMA, cuida de espécies que necessitam de manejo adequado, incluindo internação e cuidados veterinários. O criadouro desempenha também um papel educacional, como local para o desenvolvimento de projetos de pesquisa com os animais, vinculados à instituições de ensino.

O Parque também abriga outras duas ações: viveiro de mudas de espécies nativas e um Núcleo de Educação Ambiental(NEA) que tem como objetivo desenvolver junto à comunidade projetos e ações voltadas a valorização do cerrado e criação de mudas para projetos de reflorestamento.

Criado em 2006, o Parque Fioravante Galvani já investiu mais de R$ 2 milhões em sua infraestrutura. Com campanhas como a “Adote uma Espécie” empresas parceiras contribuem para a conservação, reprodução e pesquisa de animais de um dos ecossistemas mais importantes e ameaçados do Brasil, o cerrado.

Arara canindé (Ara ararauna) no criadouro conservacionista

 

 Tamanduá Bandeira (Myrmecophaga tridactyla) espécie brasileira do cerrado, também presente no Parque Fioravante Galvani

Leia também

Notícias
26 de novembro de 2021

Informação obtida via LAI revela que MCTI recebeu dados do desmatamento em 1º de novembro

Ministro Marcos Pontes disse que dados não foram publicados antes da Conferência do Clima porque ele estava de férias. Agenda oficial registra férias entre 8 e 19 de novembro

Notícias
26 de novembro de 2021

Jornalismo digital brasileiro se une em campanha de financiamento

Ação reúne 26 organizações com objetivo de arrecadar doações para fortalecimento do jornalismo digital de qualidade

Reportagens
26 de novembro de 2021

MPF pede anulação da Licença de Instalação do Linhão Tucuruí na terra Waimiri Atroari

Ação aponta que União e a Transnorte agem ilegalmente no licenciamento da obra. Autossuficientes em energia elétrica, os Waimiri Atroari são contra o empreendimento e sentem “a floresta sangrar”

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta