Salada Verde

Assassino confesso de Dorothy Stang cumprirá pena em casa

Condenado a 27 anos de prisão por homicídio, o pistoleiro Rayfran das Neves Sales foi beneficiado pelo regime de progressão de pena.

Redação ((o))eco ·
4 de julho de 2013 · 9 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
O pistoleiro Rayfran das Neves Sales é submetido mais uma vez a júri popular no Fórum Criminal de Belém, em dezembro de 2009. Foto: Marcello Casal Jr./Abr.
O pistoleiro Rayfran das Neves Sales é submetido mais uma vez a júri popular no Fórum Criminal de Belém, em dezembro de 2009. Foto: Marcello Casal Jr./Abr.

A Justiça do Pará concedeu prisão domiciliar ao pistoleiro Rayfran das Neves Sales, que matou com 6 tiros a missionária Dorothy Stang, em uma estrada em Anapu (PA), no ano de 2005. Preso há 8 anos, desde 2010 o presidiário está cumprindo pena em regime semiaberto. Na terça-feira (02), ele deixou o Centro de Progressão Penitenciária de Belém (CPPB).

Em prisão domiciliar, Rayfran não poderá se ausentar à noite, nem sair da cidade sem autorização. Terá que arranjar um emprego e se apresentar todo mês à Justiça. A decisão foi determinada pelo juiz Cláudio Henrique Lopes Rendeiro, da 1ª Vara de Execuções Penais. O preso foi beneficiado porque apresentava bom comportamento.

Em entrevista a Agência Brasil, o advogado José Batista Afonso, da Pastoral da Terra em Marabá, no Pará, afirmou que a transferência de Rayfran das Neves Sales para a prisão domiciliar aumenta a sensação de impunidade e fragiliza ainda mais a segurança de trabalhadores rurais, de lideranças e de integrantes de movimentos sociais ligados aos direitos humanos no estado do Pará.

“Saber que um assassino confesso passa tão pouco tempo atrás das grades, diante de um crime tão bárbaro, assusta e aumenta a sensação de impunidade. Com isso, quem vive da prática criminosa não se sente amedrontado e aumenta o risco a que pessoas ligadas à luta pela terra estão submetidas”, afirmou.

Em maio, o Supremo Tribunal Federal (STF) anulou o julgamento do fazendeiro Vitalmiro Bastos de Moura, conhecido por Bida, acusação de ser um dos mandantes do assassinato. Foi a terceira vez que o julgamento de Vitalmiro Bastos de Moura foi anulado. O fazendeiro continua preso, a espera da realização de novo julgamento.

Leia também

Reportagens
5 de dezembro de 2022

COP15 pode definir mecanismo para proteger áreas em alto mar

Bráulio Dias também avalia que o novo governo deve fazer o Brasil retomar seu protagonismo global em conservação da biodiversidade

Salada Verde
2 de dezembro de 2022

Lula afirma que deve criar “Secretaria dos Povos Originários” com status de um Ministério

Em entrevista coletiva nesta sexta-feira (02), o presidente eleito esclareceu que fará os anúncios dos nomes do primeiro escalão depois de ser diplomado, em 12/12

Reportagens
2 de dezembro de 2022

Encurralados pela degradação, morcegos ainda resistem em áreas de pasto no Pantanal

Estudo revela que mesmo em menor abundância, morcegos ainda buscam comida e abrigo em áreas de pasto. Resultado mostra importância da manutenção de sobras de floresta em áreas degradadas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta