Salada Verde

300 albatrozes são avistados no Rio de Janeiro

Número além do normal de Thalassarche chlororhynchos surpreendeu um grupo de observadores de aves que fazia expedição próximo à praia de Itacoatiara, em Niterói

Sabrina Rodrigues ·
24 de junho de 2019 · 3 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Grupo de albatrozes-de-nariz-amarelo (Thalassarche chlororhynchos) com o Pão de Açúcar ao fundo. Foto: Igor Camacho.

Um mar repleto de albatrozes (Thalassarche chlororhynchos) surpreendeu um grupo de observadores de aves próximo à praia de Itacoatiara, em Niterói, no Rio de Janeiro. O grupo estava em uma expedição para observar aves oceânicas (pelágicas, para os íntimos), a 45 km da costa de Niterói, quando avistaram a cena incomum. 

Não é comum avistar uma quantidade tão grande de Albatrozes na região onde foram fotografadas. Segundo o biólogo Igor Camacho, que liderou o grupo que participava da expedição Canindé Birdwatching, o normal é encontrar entre três e quatro albatrozes voando por ali, não 300. 

O albatroz-de-nariz-amarelo (Thalassarche chlororhynchos). Foto: Igor Camacho.

Nunca havíamos encontrado um arrasto como aquele nesta época. Inclusive, o biólogo que pilotava nossa embarcação nunca havia visto um bando tão grande como esse, mesmo indo para o mar há quase 30 anos para fazer pesca oceânica”, disse. 

Os observadores de aves contaram cerca de 300 albatrozes-de-nariz-amarelo (Thalassarche chlororhynchos), espécie ameaçada de extinção protegida pelo Projeto Albatroz; 40 pardelas-de-sobre-branco (Ardenna gravis) e dois petréis-pequenos (Puffinus puffinus). O feito ocorreu no dia 01 de junho, sábado.

 

Um mar de Albatrozes tomou conta da praia de Itacoatiara, em Niterói, no Rio de Janeiro. Foto: Igor Camacho.

 

Thalassarche chlororhynchos. Foto: Igor Camacho.

 

Thalassarche chlororhynchos jovem. Foto: Igor Camacho.

 

Os albatrozes sobrevoando o Barco Nivero. Foto: Igor Camacho.

 

Leia Também

“Peso seguro” a 1m do anzol não afeta pesca e reduz captura de aves, diz estudo

Vídeo: Passarinhar pode salvar o mundo? Por Luciano Lima

Observadores de aves contam quais espécies renderam encontros inesquecíveis

 

  • Sabrina Rodrigues

    Repórter especializada na cobertura diária de política ambiental. Escreveu para o site ((o)) eco de 2015 a 2020.

Leia também

Notícias
21 de novembro de 2017

Observadores de aves contam quais espécies renderam encontros inesquecíveis

Especialistas e amadores relembram situações de avistamento que ficaram na memória e celebram diversidade da avifauna do país e América do Sul

Vídeos
28 de outubro de 2018

Vídeo: Passarinhar pode salvar o mundo? Por Luciano Lima

O ornitólogo Luciano Lima explica como a observação de aves ajuda na conservação das aves, da própria natureza e, de quebra, melhora a saúde física e mental das pessoas

Notícias
22 de abril de 2019

“Peso seguro” a 1m do anzol não afeta pesca e reduz captura de aves, diz estudo

Pesquisadores do Projeto Albatroz analisaram mais de 26 mil anzóis, em 4 embarcações no sul do Brasil e concluíram que este tipo de peso é tão benéfico para a pesca quanto os outros

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Roberta diz:

    Parabéns Danielle Cameira pela excelente reportagem!