Salada Verde

Caça ilegal de elefantes causa prejuízo na economia de países africanos

Estudo realizado pela revista científica Nature Communications concluiu que os africanos deixam de ganhar US$ 25 milhões ao ano com a caça ilegal de elefantes

Sabrina Rodrigues ·
3 de novembro de 2016 · 6 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

Elefante - Foto Mandy Goldberg

Na última terça-feira (1) saiu um estudo da revista Nature Communications sobre o impacto que a matança de elefantes na África está causando na economia do continente. Benefícios econômicos perdidos que os elefantes caçados teriam fornecido aos países africanos através do turismo. Segundo o estudo, os africanos deixam de ganhar uma quantia de 25 milhões de dólares por ano. A demanda por marfim, em grande parte, para abastecer os mercados asiáticos, apesar de uma proibição de comércio internacional, é um dos motivos para a caça ilegal, que reduziu em mais de 60% a população de elefantes. A pesquisa realizou uma análise econômica da contribuição dos elefantes para o turismo em áreas protegidas e como a preservação desses animais poderia render benefícios financeiros para as comunidades locais. Para fazer essa avaliação, o estudo usou informações do número de turistas em 164 áreas protegidas relacionando com gastos diretos e indiretos dos turistas. Mesmo que nem sempre os ganhos com o turismo vá para a população local, os autores da pesquisa entendem que o ecoturismo possa ser uma alternativa econômica viável para a região.

Fonte orginal: Nature Communications

  • Sabrina Rodrigues

    Repórter especializada na cobertura diária de política ambiental. Escreveu para o site ((o)) eco de 2015 a 2020.

Leia também

Notícias
20 de maio de 2022

Alto custo é principal barreira para visitação de parques

De acordo com estudo, alto custo da viagem, distância e falta de informações disponíveis são os principais obstáculos para visitação de parques naturais

Notícias
20 de maio de 2022

Presidenciáveis recebem plano para reverter boiadas ambientais de Bolsonaro

Estratégia ‘Brasil 2045’ propõe medidas para reconstruir política ambiental brasileira e fazer país retomar posição de liderança global em meio ambiente

Análises
20 de maio de 2022

O dilema de Koniam-Bebê

Ocupação indígena no Parque Estadual Cunhambebe realimenta falsa dicotomia entre unidades de conservação e territórios indígenas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Cássio Garcez diz:

    Brilhante análise, Beto. Parabéns e obrigado por ela.