Salada Verde

Governo lança iniciativa para proteção de áreas marinhas

Iniciativa Azul pretende atingir 10% da zona marinho-costeira até 2027. O Programa buscará criar Áreas de Proteção Marinhas (APMs) e costeiras e mantê-las

Sabrina Rodrigues ·
12 de setembro de 2017 · 5 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Iniciativa Azul pretende atingir 10% da zona marinho-costeira até 2027/ Fernando de Noronha. Foto: Leandro Macedo Gonçalves/Flickr.
Iniciativa Azul pretende atingir 10% da zona marinho-costeira até 2027/ Fernando de Noronha. Foto: Leandro Macedo Gonçalves/Flickr.

No mesmo Congresso sobre Áreas Marinhas Protegidas, onde o Chile divulgou a criação de uma reserva marinha de 720 mil quilômetros quadrados ao redor da Ilha de Páscoa, o governo brasileiro anunciou na quinta-feira (7) que pretende reverter a pouca iniciativa para proteger as áreas marinhas brasileiras, através do Iniciativa Azul.  

Muito pouco ou quase nada tem sido feito pelas áreas marinhas no país. Hoje, apenas 2,8% das áreas marinhas brasileiras estão protegidas, incluindo os mangues e outros ecossistemas costeiros. O Programa buscará criar Áreas de Proteção Marinhas (APMs) e costeiras, implantá-las e mantê-las. O objetivo é atingir 10% da zona marinho-costeira até 2027, cumprindo compromissos internacionais na área de meio ambiente. Entretanto, resta pouco tempo para que o Brasil atinja a meta e corresponda de forma eficaz aos compromissos assumidos com esse intuito.

A Iniciativa Azul será coordenada pelo MMA, será gerida pelo Fundo Brasileiro para a Biodiversidade e financiada com recursos do Global Environment Facility (GEF), Banco Mundial, governo alemão via Banco de Desenvolvimento da Alemanha, Rede WWF e Fundo Amazônia. Os pontos do programa serão a pesca sustentável, as mudanças climáticas e suas consequências, as espécies invasoras e exóticas, a sedimentação excessiva das áreas costeiras e conservação da biodiversidade marinha. Também participam do projeto ONGs, cientistas e governos locais.  “Não será uma operação centrada nas mãos do governo. Nosso papel será o de direcionar a criação das áreas seguindo critérios de prioridade para a conservação das espécies, o potencial turístico e econômico, com foco na sustentabilidade”, esclarece Cláudio Maretti, diretor do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

*Com informações da Assessoria de Comunicação do ICMBio.

Leia também

Chile anuncia a criação de reserva marinha em Congresso

ICMBio oficializa abertura de Alcatrazes ao turismo

A maior reserva marinha do mundo é americana

  • Sabrina Rodrigues

    Repórter especializada na cobertura diária de política ambiental. Escreveu para o site ((o)) eco de 2015 a 2020.

Leia também

Salada Verde
30 de agosto de 2016

A maior reserva marinha do mundo é americana

Presidente Barack Obama quadriplicou tamanho de área protegida criada em 2006. Tamanho equivale a soma de todas os Parques Nacionais americanos juntos.

Notícias
12 de setembro de 2017

ICMBio oficializa abertura de Alcatrazes ao turismo

Ministro do Meio Ambiente assinará na quarta-feira portaria que regulamenta a atividade no arquipélago. Refúgio completou um ano no mês passado

Salada Verde
5 de setembro de 2017

Chile anuncia a criação de reserva marinha em Congresso

Área protegida foi anunciada, em 2015, pela presidente Michelle Bachelet. Mas, governo chileno deixou decisão final nas mãos do povo indígena rapanui

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Ana Maria diz:

    Boa Tarde, gostaria de saber de onde foram retirados os dados de que 2,8% das áreas marinhas brasileiras estão protegidas, sendo que nos dados consolidados do ICMBio de 2017 está constando apenas 1,6% de Unidades de Conservação nas áreas marinhas ( APENAS 0,2% de Proteção Integral) ?