Vídeos

Energia limpa no Chile: potencial eólico

Graças à sua situação geográfica, o Chile tem um terreno fértil para energias renováveis. Um potencial que começa a ser mais bem aproveitado.

Claudia Laszczak ·
13 de outubro de 2012 · 9 anos atrás

 

Mais de 4 mil quilômetros de costa no Pacífico, rios largos, estepe com sol intenso no norte do país. Graças à sua situação geográfica, o Chile tem um terreno fértil para energias renováveis. Um potencial que pouco tem sido aproveitado. Mas isto deve mudar.

Uma nova legislação determina que, até 2012, ao todo 5% da energia deve ser proveniente de fontes renováveis. Aos poucos, na região de Canela, começam a surgir os primeiros parques eólicos – com ajuda de parceiros, estão sendo construídas novas instalações.

Objetivo de longo prazo: Localizar áreas e implementar projetos de energia eólica no norte do Chile

Objetivo de curto prazo: Na primeira fase, encontrar duas áreas para gerar cerca de 200 megawatts de energia eólica

Volume de investimentos: 200 megawatts de potência equivalem a um investimento de 300 milhões de euros

Redução de emissões de CO2: Cerca de 400 mil toneladas por ano

Um filme de Claudia Laszczak

Esse conteúdo é publicado em uma parceria de ((o))eco com a Deutsche Welle, emissora pública alemã
 


Leia também

Notícias
2 de dezembro de 2021

Lideranças indígenas do Pará cedem à pressão de invasores e aceitam reduzir seu território pela metade

Caciques da TI Apyterewa disseram ao STF que, em “acordo” feito com invasores, aceitam redução de 392 mil hectares de suas terras

Notícias
2 de dezembro de 2021

Com maioria no Conama, governo federal impõe mudanças no CNEA

Conama aprova alterações no Cadastro Nacional de Entidades Ambientalistas e impõe mais burocracia e custos para a participação da sociedade civil no conselho

Reportagens
2 de dezembro de 2021

Secas recorrentes afetam a capacidade de recuperação da Floresta Amazônica, alerta estudo

Nas últimas duas décadas, a Floresta Amazônica tem sido impactada por secas cada vez mais intensas e frequentes. As mais severas ocorreram em 2005, 2010 e 2015

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta