Verde gosta de verde

Investimento externo não gosta nem de falta de saneamento nem de mão-de-obra pouca qualificada. Baseado em dados do Banco Mundial, OECD e Organização Internacional do Trabalho, Daniel Drezner, professor de ciência política da Universidade de Chicago, lança em breve um livro mostrando que as verdinhas dos ricos só fluem para países que oferecem condições de trabalho e níveis de saúde de alto padrão.

Por Eduardo Pegurier
26 de novembro de 2004

Dunas sedentas

No deserto de Badain Jaran, no norte da China, dunas de areia de até 500 metros de altura resistem graças à água de vastos reservatórios subterrâneos, que ajuda a cimentá-las. Os pesquisadores chineses que descobriram o fenômeno querem usar esses estoques de água para abastecer a região. Mas colega da universidade de Oxford alerta que essas reservas são como um fóssil. Remontam a um tempo com outro clima. Se exploradas não se recomporão. New Scientist (gratuito).

Por Eduardo Pegurier
26 de novembro de 2004

A arara

Edição de 28.11.2004

26 de novembro de 2004

Efeito soja

Graças à soja, vários municípios no interior do Brasil tiveram crescimento de população até 13 vezes maior do que a média do país. Mas nem sempre isto significou prosperidade, lembra reportagem da Folha de S. Paulo. Entre os 20 maiores produtores de soja, apenas 11 melhoraram seu Índice de Desenvolvimento Humano, parâmetro desenvolvido pela ONU para medir a qualidade de vida de uma população. Além disso, o cultivo indiscriminado do grão está produzindo um dos maiores ciclos de desmatamento da história do país. É receita para dar tudo errado no longo prazo.

Por Manoel Francisco Brito
26 de novembro de 2004

Lápide alternativa

Nos Estados Unidos você pode virar recife de coral quando morrer, são os “Corais Eternos”. As cinzas mortuárias são misturadas a cimento e transformadas numa espécie de casulo que é depositado no fundo do mar. Com o tempo, a lápide, com direito a “Aqui jaz..” e tudo, vira casa de peixes e corais. Segundo o Miami Herald (gratuito, exige cadastro) existem mais de 100 túmulos ecologicamente corretos espalhados pelo Golfo do México.

Por Carolina Elia
26 de novembro de 2004

Chocolate cura tosse

Tem qualidades a guloseima que quase todos adoram, alguns são viciados e, ao mesmo tempo, responsável por tanta culpa e quilos a mais. Recentemente o chocolate foi reabilitado pelas qualidades antioxidantes do cacau. Também parece conter uma substância que substitui a codeína como remédio para tosses persistentes, que ficam semanas após uma infecção viral. Sem efeitos colaterais dos concorrentes, como tonturas e constipação. Só falta emagrecer. New Scientist (gratuito).

Por Eduardo Pegurier
26 de novembro de 2004

Favela tem jeito

Em matéria publicada no site Favela tem memória (gratuito), o jornalista Silvio Ferraz conta a sua experiência com urbanização de favelas durante a gestão do governador Negrão de Lima, nos anos 60. Na época, ele trabalhava na Companhia de Desenvolvimento do Estado da Guanabara e descobriu uma doação esquecida do governo americano. Com ela, iniciou um programa que transformou em bairro a então favela Brás de Pina. A história é rica e o assunto controvertido. Vale a pena ler.

Por Eduardo Pegurier
26 de novembro de 2004

Morte pelo estômago

O Miami Herald (gratuito), que aliás acaba de por na Internet seção dedicada exclusivamente a notícias sobre meio-ambiente, tem reportagem dizendo que os famosos crocodilos dos pântanos da Flórida estão emigrando para longe de seu habitat, rumo ao sul do estado. Fogem da expansão da presença do homem em sua área de origem, mas acabam apenas esbarrando em mais seres humanos. Os cientistas temem pelo futuro imediato dos bichos que se transplantaram. No sul, passaram a ser alimentados pelos locais, coisa que os deixou praticamente desprovidos de qualquer agressividade ou instinto de sobrevivência. Além disso, a dieta a que estão submetidos, baseada em hamburguer e salsichas, são inadequadas aos seus estômagos. Correm o risco de morrer de dor de barriga.

Por Manoel Francisco Brito
24 de novembro de 2004

Correr nos fez humanos

A necessidade de correr grandes distâncias, para caçar na savana africana, foi um dos fatores importantes que separou a evolução do ser humano de outros primatas. Essa é a teoria de Dennis Bramble, biólogo da universidade de Utah, registrada em reportagem da Science Daily (gratuito).

Por Manoel Francisco Brito
24 de novembro de 2004

Poluição das alturas

Fantástica a história de Rinconada, no Peru. Segundo a BBC News (gratuito) é a ocupação humana permanente de maior altitude no mundo: 5.100 metros, onde se respira ar com 21% do oxigênio do nível do mar. Trata-se de uma favela criada em torno da mineração de ouro. A população local vive no meio do seu esgoto e lixo. Rinconada não tem mais água potável. Os locais bebem a neve que acumula nos telhados dos barracos. Lá, as geleiras andinas antes proviam água puríssima, que enchia um lago local. Hoje poluídas, estragam tudo pelo caminho até chegar ao lago Titicaca, distante 250km. Seus garimpeiros, com sorte, produzem de 5 a 10 gramas de ouro por mês, obtendo rendas máximas de US$100. A separação do ouro da rocha é feita com mércurio. Cada tonelada de ouro extraído joga 500 gramas do metal no meio ambiente. As minas peruanas despejam por ano 80 toneladas de mercúrio na água e 20 no ar, na forma de gás. E embora se saiba que todos os grandes rios do sul do país sejam atingidos, não existem estudos sobre os níveis de contaminação.

Por Manoel Francisco Brito
24 de novembro de 2004