Colunas

Reutilizar e reciclar é apenas o começo.

Muita gente já tomou providências e leva sacolas reutilizáveis ao supermercado. Mas basta olharmos em volta para percebermos que deixar de usar totalmente o plástico parece impossível.

18 de agosto de 2008 · 13 anos atrás
  • Helena Artmann

    Montanhista e balonista há mais de 16 anos, tendo feito mais de 15 expedições para alta montanha. É formada em Comunicação So...

A cidade vizinha de Banff, Canmore, está numa campanha imensa para banir o saco plástico, seguindo o exemplo de outras cidades tanto do Canadá quanto dos EUA. San Francisco, na Califórnia, fez isso com os grandes supermercados e farmácias.

“Provavelmente pouca coisa nos faz sentir mais culpados em poluir o planeta do que plástico”, diz Ashley Lubyk, bacharel em Ciência Ambiental pela Universidade de Calgary e coordenador do programa Waste Wise da ONG Clean Calgary Association, acrescentando: “é uma substância tão ruim que muitas pessoas simplesmente querem se livrar dela, talvez porque nos traga permanentemente uma sensação desconfortável”.

Segundo Tony Andrady, o maior expert em plásticos no meio ambiente do mundo, tirando uma pequena porção de plástico que foi incinerado, o resto dos plásticos desenvolvido e feito nos últimos 50 anos ainda está aí, em algum lugar, espalhado pelo meio ambiente. Uma enorme quantidade flutua nos oceanos, tornando o plástico a coisa mais comum que se encontra nos mares hoje em dia. É claro que uma enorme quantidade também se encontra nos aterros sanitários e lixões onde a falta de oxigênio, sol e água garante que eles ficarão por lá, preservados, por milhares de anos.

Como tudo isso é amplamente noticiado, muita gente já tomou suas providências e usa sacolas reutilizáveis nos supermercados, reduzindo o uso e a necessidade de sacolas plásticas. Mas basta olharmos em volta e nos nossos hábitos para percebermos que deixar de usar totalmente o plástico parece impossível. Plásticos biodegradáveis/compostáveis começaram a aparecer no mercado e podem parecer uma opção mas, assim como todo material orgânico enviado para o aterro, faz mais mal do que parece. Material orgânico quando decomposto em um processo anaeróbico (sem oxigênio) libera metano (CH4) no processo e metano é 20 vezes mais poderoso do que o dióxido de carbono (CO2) na desastrosa tarefa do aquecimento global.

“Por isso que compostagem é um exercício tão benéfico: quando você introduz oxigênio no seu composto, revolvendo-o, a bactéria que produz metano deixa de crescer, propiciando uma terra saudável e complexa”, explica Lubyk. Mas o que fazer com seu lixo? Como enviá-lo para o aterro? Se você já recicla tudo que pode e ainda composta, seu lixo já deve ter sido reduzido a mais da metade. O que resta poderá ser acondicionado em sacolas de plástico de supermercado ou, melhor ainda, em sacolas de plástico reciclados. Combinar a reutilização com a reciclagem tendo como objetivo a diminuição é a melhor receita para chegarmos, quem sabe, no desperdício zero (zero waste).

Leia também

Salada Verde
15 de outubro de 2021

GLO ambiental não será renovada, anuncia Mourão

A operação acabou nesta sexta-feira (15). Atuação de militares não resultou em diminuição do desmatamento na Amazônia, mesmo com efetivo e orçamento maiores que dos órgãos ambientais

Notícias
15 de outubro de 2021

Justiça do México suspendeu revisão da meta climática, apresentada em 2020

Assim como o Brasil, o México revidou a meta para abaixo do estabelecido no Acordo de Paris. Greenpeace questionou na Justiça a nova NDC e ganhou

Reportagens
15 de outubro de 2021

Com acordo político, 1ª parte da Conferência da ONU sobre Biodiversidade chega ao fim na China

Mais de 100 países assinaram Declaração de Kunming, se comprometendo politicamente a preservar a biodiversidade do planeta

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta